Um currículo para médicos em Cuba pela solidariedade política no campo da saúde

possível explicação para a atuação no programa “Mais Médicos”

Autores

Palavras-chave:

Currículo, Cuba, Programa mais médicos, Solidariedade política, Decolonial

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo estudar o currículo formal de medicina destinado à formação de médicos cubanos, para identificar possíveis explicações sobre algumas diferenças de suas práticas, já identificadas por diferentes estudos sobre o programa Mais Médicos (PMM). Para tanto, desenvolvemos um estudo exploratório qualitativo, documental e bibliográfico. Para análise definimos dois eixos guias de leitura: (i) a construção do currículo e a conexão sociocultural refletida em raciocínios pedagógicos; (ii) o modelo de educação médica em conexão com o sistema de saúde. Identificamos no currículo estudado características que o aproxima de uma perspectiva decolonial, isto é, o encontro com o “outro” não acontece para dominar, mas para apoiar e trocar, em uma perspectiva de solidariedade política por meio de ações de saúde, com missões médicas. O currículo preza pela medicina integral, estrutura-se por medicina ético-humanista, perspectivas fundamentais para as demandas da prática médica no PMM.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria Patrícia Silva, Fundação Getúlio Vargas

Pesquisadora pela Fundação Getúlio Vargas – FGV, Centro de Estudos em Sustentabilidade, São Paulo, SP.

Marlucy Alves Paraíso, Universidade Federal de Minas Gerais

Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professora da Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG (Belo Horizonte, MG, Brasil).

Referências

Almeida, E. R., Macedo, H. M., & Silva, J. C. (2019). Gestão federal do Programa Mais Médicos: o papel do Ministério da Educação. Interface, 23(supl.1). Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-32832019000600205&lng=pt&nrm=iso

Alves, S. M. C., Oliveira, F. P., Matos, M. F. M., Santos, L. M. P., & Delduque, M. C. (2017). Cooperação internacional e escassez de médicos: análise da interação entre Brasil, Angola e Cuba. Ciência & saúde coletiva, 22(7), 2223-2235. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232017002702223&lng=en&nrm=iso

Amoretti, R. (2005). A educação médica diante das necessidades sociais em saúde. Revista Brasileira de Educação Médica, 29(2), 136-146. Recuperado de https://www2.ghc.com.br/ghc/noticias/not071105_01.pdf

Anderson, M. I. P., & Rodrigues, R. D. (2016). O paradigma da complexidade e os conceitos de Medicina Integral: saúde, adoecimento e integralidade. Revista Hospital Universitário Pedro Ernesto, 15(3), 242-252. Recuperado de: https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistahupe/article/view/29450

Andrade, L. (2013, 28 de agosto). CRM de MG não pode negar registro a médicos estrangeiros, decide juiz. G1 Minas Gerais. Recuperado de: http://g1.globo.com/minas-gerais/noticia/2013/08/crm-de-mg-nao-pode-negar-registro-de-medicos-estrangeiros-decide-juiz.html

Brasil. Ministério da Saúde. (2015). Programa mais médicos – dois anos: mais saúde para os brasileiros Brasília, DF: Ministério da Saúde.

Camargo Jr, K. T. (1997). A biomedicina. Physis, 7(1), 177-201.

Comes, Y. et al. (2016). A implementação do Programa Mais Médicos e a integralidade nas práticas da Estratégia Saúde da Família. Ciência & saúde coletiva, 21(9), 2729-2738.

Corazza, S. M. (2001). O que quer um currículo? Pesquisas pós-críticas em educação Petrópolis: Vozes.

Cunha, E. M., & Giovanella, L. (2011). Longitudinalidade/continuidade do cuidado: identificando dimensões e variáveis para a avaliação da Atenção Primária no contexto do sistema público de saúde brasileiro. Ciência & saúde coletiva, 16(sup.1), 1029-1042. Recuperado de: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232011000700036&lng=en&nrm=iso

Dal Prá, K. R., Minelli, D. S., Martini, D., Fetzner, R. R. T., & Fontana, K. C. (2015). O Sistema Nacional de Saúde Cubano: caracterização dos serviços de atenção primária à saúde. Tempus, 9(2), 91-103. Recuperado de: http://www.tempusactas.unb.br/index.php/tempus/article/view/1602

Duarte, L. F. D. (2003). Indivíduo e pessoa na experiência da saúde e da doença. Ciência & saúde coletiva, 8(1), 173-183.

Dussel, I. (2002). O currículo híbrido: domesticação ou pluralização das diferenças? In A. R. C. Lopes, & E. Macedo (Orgs.), Currículo: debates contemporâneos (pp. 55-77). São Paulo: Cortez.

Fahel, M. C. X., Silva, M. P., & Oliveira, D. (2018). A trajetória da atenção primária à saúde no Brasil: de Alma-Ata ao Programa Mais Médicos Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro.

Feinsilver, J. M. (2008). Médicos por petróleo: la diplomacia médica cubana recibe una pequeña ayuda de sus amigos. Revista Nueva Sociedad, 216, 107-122. Recuperado de: https://nuso.org/articulo/la-diplomacia-medica-cubana-recibe-una-pequena-ayuda-de-sus-amigos

Franco, C. M., Almeida, P. F., & Giovanella, L. (2018). A integralidade das práticas dos médicos cubanos no Programa Mais Médicos na cidade do Rio de Janeiro, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 34(9), 1-17. Recuperado de: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2018000905012&lng=pt&nrm=iso

Girardi, S. N. et al. (2016). Impacto do Programa Mais Médicos na redução da escassez de médicos em Atenção Primária à Saúde. Ciência & saúde coletiva, 21(9), 2675-2684.

Gomes, L. B., Merhy, E. E., & Ferla, A. A. (2018). Subjetivação dos médicos cubanos: diferenciais do internacionalismo de cuba no programa mais médicos. Trabalho, Educação e Saúde, 16(3), 899-918. doi:10.1590/1981-7746-sol00147

Kemp, A., & Edler, F. C. (2004). A reforma médica no Brasil e nos Estados Unidos: uma comparação entre duas retóricas. História, Ciências, Saúde-Manguinhos, 11(3), 569-585. doi:10.1590/S0104-59702004000300003

Lei nº 12.871, de 22 de outubro de 2013. (2013, 23 de outubro). Institui o Programa Mais Médicos, altera a Lei nº 8.745, de 9 de dezembro de 1993, e nº 6.932, de 7 de julho de 1981, e dá outras providências. Diário Oficial da União, seção 1

Lopes, A. C. (2005). Política de currículo: recontextualização e hibridismo. Currículo sem Fronteiras, 5(2), 50-64.

Luz Madel, T. (1997). Cultura contemporânea e medicinas alternativas: novos paradigmas em saúde no fim do século XX. Physis, 7(Sup.1), 145-176.

Madureira, P. S. P. (2010). Sistema de Saúde Cubano Dissertação de Mestrado, Universidade de Coimbra, Coimbra. Recuperado de: https://estudogeral.sib.uc.pt/handle/10316/19944

Matos, M. C., & Paiva, E. V. (2007). Hibridismo e currículo: ambivalências e possibilidades. Currículo sem Fronteiras, 7(2), 185-201.

Matta, G. C., & Morosini, M. V. G. (2009). Atenção Primária á Saúde. In I. B. Pereira, & J. C. F. Lima (Orgs.), Dicionário de educação profissional em Saúde (2a ed., pp. 44-49). Rio de Janeiro: EPSJV.

Mendes, E. V. (2011). As redes de atenção a saúde. Brasília, DF: Opas.

Mignolo, W. D. (2017). Colonialidade: o lado mais escuro da Modernidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 32(94), e329402. doi:10.17666/329402/2017

Morais, I. et al. (2014). Jornais folha de São Paulo e Correio Braziliense: o que dizem sobre o Programa Mais Médicos?. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 48(spe2), 107-115. doi:10.1590/S0080-623420140000800017

Nascimento, W. F., & Garrafa, V. (2011). Por uma vida não colonizada: diálogo entre bioética de intervenção e colonialidade. Saúde e Sociedade, 20(2), 287-299. doi:10.1590/S0104-12902011000200003

Oliveira, L. F., & Candau, V. M. F. (2010). Pedagogia decolonial e educação antirracista e intercultural no Brasil. Educação em Revista, 26(1), 15-40. doi:10.1590/S0102-46982010000100002

Oliveira, M. A. C., & Pereira, I. C. (2013). Atributos essenciais da Atenção Primária e a Estratégia Saúde da Família. Revista Brasileira de Enfermagem 2013, 66(spe),158-164. doi: 10.1590/S0034-71672013000700020

Organização Pan-Americana da Saúde. (2018). Programa Mais Médicos como expressão de Cooperação Sul-Sul: transferência de conhecimentos e inovações Brasília, DF: Opas. Recuperado de: http://maismedicos.bvsalud.org/wp-content/uploads/2018/04/Programa-Mais-Me%CC%81dicos-como-expressa%CC%83o-de-Cooperac%CC%A7a%CC%83o-Sul-Sul-transfere%CC%82ncia-de-conhecimentos-e-inovac%CC%A7o%CC%83es-WEB.pdf

Pagliosa, F. L., & Da Ros, M. A. (2008). O relatório Flexner: para o bem e para o mal. Revista Brasileira de Educação Médica 32(4).492-499. doi:10.1590/S0100-55022008000400012.

Paraíso, M. A. (2010). Diferença no currículo. Cadernos de Pesquisa, 40(140), 587-604. doi:10.1590/S0100-15742010000200014

Paraíso, M. A. (2012). Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação e currículo: trajetórias, pressupostos, procedimentos e estratégias analíticas. In D. E. Meyer, & M. A. Paraíso (Orgs.), Metodologias de pesquisa pós-críticas em educação (pp. 23-45). Belo Horizonte: Mazza Edições.

Paraíso, M. A. (2018). Fazer do caos uma estrela dançarina no currículo: invenção política com gênero e sexualidade em tempos do slogan “ideologia de gênero”. In M. A. Paraíso, & M. C. S. Caldeira, M. C. S. (Orgs.), Pesquisas sobre currículos, gêneros e sexualidades (pp. 23-52). Belo Horizonte: Mazza Edições.

Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de 2011. (2011, 24 de outubro). Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Diário Oficial da União, seção 1

Provenzano, B.C. et. al. (2014). A empatia médica e a graduação em medicina. HUPE, 13(4),19-25. Recuperado de: http://bjhbs.hupe.uerj.br/WebRoot/pdf/505_pt.pdf

Remigio, M., & Paula, N. (2013, 24 de junho). Na Saúde, medidas propostas por Dilma já não são novas: presidente insiste em criação de novos cursos e importação de médicos. O Globo Recuperado de: https://oglobo.globo.com/brasil/na-saude-medidas-propostas-por-dilma-ja-nao-sao-novas-8801855

Rodrigues, L. (2013a, 22 de junho). Classe médica diverge sobre projeto do governo para contratação de estrangeiros. EBC Recuperado de: http://www.ebc.com.br/noticias/saude/2013/06/classe-medica-diverge-sobre-projeto-do-governo-para-contratacao-de

Rodrigues, L. (2013b, 30 de julho) Entenda a polêmica sobre o Programa Mais Médicos. EBC Recuperado de http://www.ebc.com.br/noticias/saude/2013/07/o-que-e-o-programa-mais-medicos-e-quais-sao-as-criticas

Rollo, R. M., & Weber, D. L. (2018). O Sistema Nacional de Saúde cubano e a geopolítica: reflexões a partir de vivências in loco. Ágora, 20(2), 14-26. Recuperado de: https://online.unisc.br/seer/index.php/agora/article/view/12358

Romano, V. F. (2008). A busca de uma identidade para o médico de família. Physis, 18(1), 13-25. Recuperado de: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-73312008000100002&lng=en&nrm=iso

Santos, J. B. F., Maciel, R. H. M. O., Lessa, M. G. G., Maia, A. L. L. N., & Guimarães, E. P. A. (2016). Médicos estrangeiros no Brasil: a arte do saber olhar, escutar e tocar. Saúde e Sociedade, 25(4), 1003-1016. doi:10.1590/s0104-12902016163364

Santos, W., Comes, Y., Pereira, L. L., Costa, A. M., Merchan-Hamann, E., & Santos, L. M. P. (2019). Avaliação do Programa Mais Médicos: relato de experiência. Saúde em Debate, 43(120), 256-268. Recuperado de: https://www.scielosp.org/article/sdeb/2019.v43n120/256-268/#

Silva, V. O., Rios, D. R. S., Soares, C. L. M., Pinto, I. C. M., & Teixeira, C. F. (2018). O Programa Mais Médicos: controvérsias na mídia. Saúde em Debate, 42(117), 489-502. doi:10.1590/0103-1104201811712

Starfield, B. (2001). Atención Primaria: equilibrio entre necesidades de salud, servicios y tecnología Barcelona: Masson.

Stralen, A. C. S. V., Massote, A. W., Carvalho, C. L., & Girardi, S. N. (2017). Percepção de médicos sobre fatores de atração e fixação em áreas remotas e desassistidas: rotas da escassez. Physis, 27(1), 147-172. doi:10.1590/s0103-73312017000100008

Terra, L. S. V., Borges, F. T., Lidola, M., Hernández, S. S., Millán, J. I. M., Campos, G. W. S. Análise da experiência de médicos cubanos numa metrópole brasileira segundo o Método Paideia. (2016). Ciência & saúde coletiva, 21(9), 2825-2836. doi:10.1590/1413-81232015219.15312016

Tesser, C. D., & Luz, M. T. (2008). Racionalidades médicas e integralidade. Ciência & saúde coletiva, 13(1), 195-206. doi:10.1590/S1413-81232008000100024

Universidad de Ciencias Médicas de la Habana. (2015a). Modelo Del Profesional para La Formación de Médicos Havana: Comission Nacional de Carrera. [Recebido via e-mail].

Universidad de Ciencias Médicas de la Habana. (2015b). Fundamentacion. Plano Carrera Havana: Comission Nacional de Carrera. [Recebido via e-mail].

Vela-Valdés, J. et al. (2018). Formación del capital humano para la salud en Cuba. Revista Panamericana de Salud Pública, 42 Recuperado de: https://www.scielosp.org/article/rpsp/2018.v42/e33/

Walsh, C. (2005) Interculturalidad, conocimientos y descolonialidad. Signo y Pensamiento, 24(46), 39-50.

Downloads

Publicado

2021-08-30

Como Citar

SILVA, M. P. .; PARAÍSO, M. A. . Um currículo para médicos em Cuba pela solidariedade política no campo da saúde: possível explicação para a atuação no programa “Mais Médicos”. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 32, p. e20190051, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8666816. Acesso em: 25 out. 2021.