Banner Portal
Relendo ‘O livro didático de Ciências no Brasil’
REMOTO

Palavras-chave

Livro didático
Ensino de ciências
Políticas educacionais
Enunciados
PNLD

Como Citar

MORI, Rafael Cava; CURVELO, Antonio Aprigio da Silva. Relendo ‘O livro didático de Ciências no Brasil’. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 32, p. e20190058, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8668310. Acesso em: 16 abr. 2024.

Resumo

A obra O livro didático de Ciências no Brasil, organizada por Hilário Fracalanza e Jorge Megid Neto, foi publicada em 2006. Mais de 10 anos após sua publicação, algumas de suas proposições precisam ser reanalisadas, dadas as alterações sofridas pelo Programa Nacional do Livro Didático (PNLD), que geraram impacto nos próprios livros. Este trabalho compara enunciados dos capítulos do livro com guias do livro didático produzidos pelo Ministério da Educação, pesquisas sobre o livro didático de ciências e manuais escolares produzidos durante a vigência do PNLD. Em que pesem as desatualizações da obra de Fracalanza e Megid Neto, muitos de seus apontamentos permanecem válidos, embora necessitem ser relativizados à luz das complexas relações enunciativas em que se situam os manuais escolares atualmente.

REMOTO

Referências

Bardin, L. (2016). Análise de conteúdo (L. A. Reto & A. Pinheiro, Trads.). Edições 70.

Bakhtin, M. M. (1981). Problemas da poética de Dostoiévski (P. Bezerra, Trad.). Forense-Universitária.

Bakhtin, M. M. (2000). Estética da criação verbal (6a ed., P. Bezerra, Trad.). WMF Martins Fontes.

Bakhtin, M. M. (Volochinov). (2004). Marxismo e filosofia da linguagem (11. ed., M. Lahud & Y. F. Vieira, Trads.). Hucitec.

Bonazzi, M., & Eco, U. (1980). Mentiras que parecem verdades (7. ed.). Summus.

Bourdieu, P., & Passeron, J. C. (2014). A reprodução: Elementos para uma teoria do sistema de ensino (7. ed., R. Bairão, Trad.). Vozes.

Carlini-Cotrim, B., & Rosemberg, G. (1991). Os livros didáticos e o ensino para a saúde: O caso das drogas psicotrópicas. Revista de Saúde Pública, 25(4), 299-305. https://doi.org/10.1590/S0034-89101991000400009

Cassiano, C. C. F. (2013). O mercado do livro didático no Brasil do século XXI: A entrada do capital espanhol na educação nacional Unesp.

Castanheira, M. L., & Evangelista, A. (2002). Processo de escolha, recebimento e uso de livros didáticos nas escolas públicas do País [Artigo apresentado]. 25a Reunião Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação, Caxambu, MG, Brasil.

Choppin, A. (2004). História dos livros e das edições didáticas: Sobre o estado da arte. Educação e Pesquisa, 30(3), 549-566. https://doi.org/10.1590/S1517-97022004000300012

Cruz, B. D., Neves, J. A., & Luciano, R. A. (2017). O tema das drogas psicotrópicas em livros didáticos de química 1o Encontro de Educadores em Ciências, São Carlos, SP, Brasil.

Faria, A. L. G. (1986). Ideologia no livro didático (5. ed.). Cortez; Autores Associados.

Fonseca, M. R. M. (2016). Química Ática. v. 2.

Fracalanza, H., & Megid Neto, J. (Orgs.). (2006). O livro didático de ciências no Brasil Komedi.

Freitag, B., Motta, V. R., & Costa, W. F. (1997). O livro didático em questão (3. ed.). Cortez.

Garcia, N. M. D. (Org.). (2017). O livro didático de física e de ciências em foco: Dez anos de pesquisa Livraria da Física.

Gowdak, D. (1986). Ciências FTD.

Gowdak, D., & Martins, E. (2002). Ciências, novo pensar FTD.

Gowdak, D., & Martins, E. (2012). Ciências novo pensar FTD.

Gramowski, V. B., Delizoicov, N. D., & Maestrelli, S. R. P. (2017). O PNLD e os guias dos livros didáticos de ciências (1999-2014): Uma análise possível. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, 19, 1-18. doi.org/10.1590/1983-21172017190110

Latour, B. (2011). Ciência em ação: Como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora (2a ed., I. C. Benedetti, Trad.). Unesp.

Machado, I. (2012). Gêneros discursivos. In B. Brait (Org.), Bakhtin: Conceitos-chave (5a ed., pp. 151-166). Contexto.

Marchezan, R. C. (2010). Diálogo. In B. Brait (Org.), Bakhtin: outros conceitos-chave (pp. 115-131). Contexto.

Martins, I., Gouvêa, G., & Vilanova, R. (Orgs.). (2012). O livro didático de ciências: Contextos de exigência, critérios de seleção, práticas de leitura e uso em sala de aula Famer.

Mortimer, E. F., & El-Hani, C. N. (2013). Conceptual profiles: A theory of teaching and learning scientific concepts Springer.

Mortimer, E. F., & Machado, A. H. (2016). Química (3a ed.). Scipione.

Munakata, K. (2012). O livro didático como mercadoria. Pro-Posições, 23(3), 51-66. doi.org/10.1590/S0103-73072012000300004

Oliveira, A. C. G., & Rosa, M. I. P. (2016). Recontextualização e hibridismos em processos de elaboração e avaliação de livros didáticos de Química. Química Nova na Escola, 38(3), 273-283. doi.org/10.21577/0104-8899.20160038

Oliveira, J. R. S., & Queiroz, S. L. (2017). Comunicação e linguagem científica: Guia para estudantes de química (2. ed.). Átomo.

Sampaio, F. A. A., & Carvalho, A. F. (2010). Com a palavra, o autor: Em nossa defesa: Um elogio à importância e uma crítica às limitações do Programa Nacional do Livro Didático Sarandi.

Saviani, D. (2008). Pedagogia histórico-crítica: Primeiras aproximações (10. ed.). Autores Associados.

Saviani, D. (2009). Educação: Do senso comum à consciência filosófica (18. ed.). Autores Associados.

Silva, P. C., Ito, N. M., Silva, V. F., Amauro, N. Q., & Mori, R. C. (2017). Processos cognitivos requeridos em exercícios de química: Evolução de uma coleção de livros de Ciências cobrindo três décadas [Artigo apresentado]. 9o Encontro Paulista de Pesquisa em Ensino de Química, Sertãozinho, SP, Brasil.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Rafael Cava Mori, Antonio Aprigio da Silva Curvelo

Downloads

Não há dados estatísticos.