Banner Portal
Estudantes autistas e suas relações na escola
REMOTO (English)

Palavras-chave

Educação inclusiva
Autismo
Psicologia cultural
Self dialógico

Como Citar

PACHECO, Raquel; FREIRE, Sandra Ferraz de Castillo Dourado. Estudantes autistas e suas relações na escola: uma perspectiva dialógica sobre o desenvolvimento do self. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 32, p. e20190078EN, 2021. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8668339. Acesso em: 16 abr. 2024.

Resumo

Este trabalho teve como principal objetivo investigar como as relações estabelecidas na escola participam da constituição do self dos sujeitos autistas. Fizemos um estudo de caso múltiplo com três crianças autistas de 7 a 14 anos matriculadas em uma escola da rede pública. No total, tivemos onze participantes, duas professoras, uma coordenadora, uma monitora, cinco crianças autistas (três meninos e duas meninas), além de mais duas meninas não autistas. Durante o período de seis meses, foram feitas entrevistas com os adultos, observações naturalísticas das situações escolares (como sala de aula e recreio) e observação direta durante uma dinâmica com todas as crianças participantes. À luz das teorias de uma perspectiva dialógico-cultural, foi possível analisar nossas descobertas com base em uma estrutura de posições-I, posições do self, para cada sujeito participante. A partir da convergência de cada uma das posições possíveis de todos os sujeitos, chegamos a três eixos de relacionamento: brincar, ajudar e cuidar.

REMOTO (English)

Referências

Bardin, L (1977). Análise de Conteúdo Martins Fontes.

Bandlamudi, L. (1994). Dialogics of understanding self/culture. Ethos, 22(4), 460-493.

Bibace, R., & Kharlamov, N. A. (2013). The spiral: The concept of development after Werner and Kaplan. Culture and Psychology, 19(4), 453-462. https://doi.org/10.1177/1354067X13500324

Boulanger, D. (2017). Extending social representation theory through dialogical self theory: Subjects’ and alters’ relating with space. International Journal for Dialogical Science, 10(2), 9-33.

Branco, A. U., Branco, A. L., & Madureira, A. F. (2008). Self-development and the emergence of new I-positions: Emotions and self-dynamics. Studia Psychologica, (8), 23-39.

Branco, A. U. (2016). Values and their ways of guiding the psyche. In: J. Valsiner, G. Marsico, N. Chaudhary, T. Sato & V. Dazzani (Eds.), Psychology as the science of human being: The Yokohama Manifesto (pp. 225-244). Springer. https://doi.org/10.1007/978-3-319-21094-0_13

Bruner, J. (2008). Actos de significado Edições 70.

Flusser, V. (2007). O mundo codificado Cosac Naify.

Freire, S. F. de C. D. (2018). Intersubjectivity in action: Negotiations of self, other, and knowledge in students’ talk. In A. U. Branco (Ed.), Alterity, values and socialization: Human development within educational contexts (pp. 149-167). Springer.

Freire, S. F. de C. D., & Branco, A. U. (2016). A teoria do self dialógico em perspectiva. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 32(1), 25-33. https://doi.org/10.1590/0102-37722016012426025033

Hermans, H. J. M. (2001a). The construction of a personal position repertoire: method and practice. Culture & Psychology, 7(3), 323-366. https://doi.org/10.1177/1354067X0173005

Hermans, H. J. M. (2001b). The dialogical self?: Toward a theory. Culture & Psychology, 7(3), 243-281. https://doi.org/10.1177/1354067X0173001

Hjörne, E., van der Aalsvoort, G., & Abreu, G. de (Eds.). (2012). Learning, social interaction and diversity: Exploring school practices Springer. http://dx.doi.org/10.1007/978-94-6091-803-2

Iannaccone, A., Marsico, G., & Tateo, L. (2012). Educational self: A fruitful idea? In M. B. Ligorio & M. Cesar (Eds.), The interplays between dialogical learning and dialogical self (pp. 219-252). Information Age.

Iacono, J. P., & Mori, N. N. R. (2004). Deficiência mental e terminalidade específica: Novas possibilidades de inclusão ou exclusão velada? Anais Anped Sul, 5, 1-16. Disponível em: https://www5.unioeste.br/portalunioeste/arquivos/proex/pee/nov_pos_de_incl_ou_excl_vel.pdf

Linell, P. (2009). Rethinking language, mind, and world dialogically: Interactional and contextual theories of human sense-making Information Age.

Luengo, F. C. (2010). A vigilância punitiva: A postura dos educadores no processo de patologização e medicalização da infância Editora Unesp. https://doi.org/10.7476/9788579830877

Marková, I. (2003). Constitution of the Self: Intersubjectivity and dialogicality. Culture and Psychology, 9(3), 249-260. https://doi.org/10.1177/1354067X030093006

McAdams, D. P. (2001). The psychology of life stories. Review of General Psychology, 5(2), 100-122. https://doi.org/10.1037/1089-2680.5.2.100

McPartland, J. C., Klin, A., & Volkmar, F. R. (2014). Asperger’s syndrome: Acessing and treating high-functioning autism spectrum disorder (2nd ed.). Guilford.

Ministério da Educação. (2014). Planejando a próxima década. Disponível em: http://pne.mec.gov.br/images/pdf/pne_conhecendo_20_metas.pdf

Mello, A. M. S. R. de, Andrade, M. A., Ho, H., & Dias, I. de S. (2013). Retratos do autismo no Brasil Associação de Amigos do Autista.

Organização das Nações Unidas. (1994). Declaração de Salamanca: Sobre princípios, políticas e práticas na área das necessidades educativas especiais. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf

Rios, C., Ortega, F., Zorzanelli, R., & Nascimento, L. F. (2015). Da invisibilidade à epidemia: A construção narrativa do autismo na mídia impressa brasileira. Interface: Communication, Health, Education, 19(53), 325-335. https://doi.org/10.1590/1807-57622014.0146

Rodina, K. A. (2006). Vygotsky’s social constructionist view on disability: A methodology for inclusive education a short summary keywords [Paper presentation]. 11th Annual Conference of the European Learning Styles Information Nettwork (ELSIN), Oslo, Norway. Available in: http://lchc.ucsd.edu/MCA/Paper/VygotskyDisabilityEJSNE2007.pdf

Salgado, J., & Hermans, H. J. M. (2005). The return of subjectivity: From a multiplicity of selves to the dialogical self. E-Journal of Applied Psychology, 1(1), 3-13. Available in: https://bit.ly/3C9DGuk

Skliar, C. (2001). Seis perguntas sobre a questão da inclusão ou de como acabar de uma vez por todas com as velhas – e novas – fronteiras em educação. Pro-Posições, 12(2-3), 11-21.

Skliar, C. (2003). A educação e a pergunta pelos outros: Diferença, alteridade, diversidade e os outros “outros”. Ponto de Vista, (5), 37-49. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/pontodevista/article/view/1244/4251

Valsiner, J., & Han, G. (2008). Where is culture within the dialogical perspectives on the self? International Journal for Dialogical Science, 3(1), 1-8.

Valsiner, J., Marsico, G, Chaudhary, N., Sato, T., & Dazzani, V. (Eds.). (2018). Psychology as the science of human being: The Yokohama Manifesto Springer.

van der Veer, R., & Valsiner, J. (2014). Vygotsky: Uma síntese Loyola.

Vigotski, L. S. (2003). Psicologia pedagógica Artmed.

Vygotski, L. S. (1997). Obras escogidas (Vol. 5). Visor.

Vygotski, L. S. (2006). Obras escogidas (2nd ed., Vol. 4). A. Machado Libros.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Raquel Pacheco, Sandra Ferraz de Castillo Dourado Freire

Downloads

Não há dados estatísticos.