A formação dos(as) trabalhadores(as) da saúde na construção de um acesso à saúde integral, equânime e universal à população trans

Autores

Palavras-chave:

Formação, Enação, Trabalhadores da saúde, Pessoas trans, Acesso à saúde

Resumo

Identifica-se uma carência na produção científica sobre a formação dos(as) trabalhadores(as)da saúde para atuar com pessoas transgênero, transexuais e travestis, população que enfrenta barreiras como discriminação, desrespeito ao nome social e dependência ao diagnóstico de transexualismo para acessar o Sistema Único de Saúde (SUS). Este artigo, a partir da categoria enação de Francisco, Varela, analisa 25 entrevistas gravadas em áudio, produzidas por duas pesquisas qualitativas, e conclui que somente processos de formação não limitados à transmissão de informações possibilitarão a criação de um processo de trabalho em saúde que afirme o acesso da população trans aos serviços de saúde de forma integral, equânime e universal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pablo Cardozo Rocon, Universidade Federal de Mato Grosso

Doutor em Educação pela Universidade Federaldo Espírito Santo. Professor e pesquisador pela Universidade Federal de Mato Grosso – UFMT, Instituto de Saúde Coletiva – ISC, Cuiabá, MT, Brasil.

Maria Elizabeth Barros de Barros, Universidade Federal do Espírito Santo

Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professora titular da Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, ES, Brasil.

Alexsandro Rodrigues, Universidade Federal do Espírito Santo

Doutor em Educação pela Universidade Federal do Espírito Santo. Professor do Departamento de Teorias do Ensino e Práticas Educacionais pela Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, ES, Brasil.

Referências

Almeida, G.; & Murta, D. (2013). Reflexões sobre a possibilidade da despatologização da transexualidade e a necessidade da assistência integral à saúde de transexuais no Brasil. Sexualidad, Salud y Sociedad, (14), 380-407.

Arán, M., & Murta, D. (2009). Do diagnóstico de transtorno de identidade de gênero às redescrições da experiência da transexualidade: uma reflexão sobre gênero, tecnologia e saúde. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 19(1), 15-41.

Barros, M. E. B. (1997). Formação em educação: serialização ou singularização? Educação, Subjetividade e Poder, 4(4), 63-70.

Bento, B. (2006). A (re)invenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual Garamond.

Bento, B. (2008). O que é transexualidade Brasiliense.

Brasil. (2006). Ministério da Saúde. Carta dos direitos dos usuários da saúde Brasília: Ministério da Saúde.

Brasil. (2011). Ministério da Saúde. Portaria GM/MS n.º 2836, de 01 de dezembro de 2011. Institui, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS), a Política Nacional de Saúde Integral de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (Política Nacional de Saúde Integral LGBT). Diário Oficial da União

Brasil. (2019). Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Universidade Aberta do SUS. Política Nacional LGBT. http://unasus.uerj.br/cursos-em-andamento/lgbt

Butler, J., & Rios, A. (2009). Desdiagnosticando o gênero. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 19(1), 95-126.

Camargo Jr., K. R. (2005). A biomedicina. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 15(Suppl.), 177-201.

Caponi, S. (2014). O DSM-V como dispositivo de segurança. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 24(3), 741-763.

Dias, R. (2011). Deslocamentos na formação de professores: aprendizagem de adultos, experiência e políticas cognitivas Lamparina.

Dias, R. (2012). Formação inventiva como possibilidade de deslocamentos. In Dias, R. (org.), Formação inventiva de professores (pp. p.25-41). Rio de Janeiro: Lamparina.

Heckert, A. L. C., & Neves, C. A. B. (2010). Modos de formas, modos de intervir: quando a formação se faz potência de produção de coletivo. In Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização. Formação e intervenção (Vol. 1, pp. 13-28). Ministério da Saúde.

Kastrup, V. (1999). A invenção de si e do mundo: uma introdução do tempo e do coletivo no estudo da cognição Papirus.

Kastrup, V. (2012) Conversando sobre políticas cognitivas e formação inventiva. In Dias, R. (org.), Formação inventiva de professores (v. 1. pp. 52-60). Lamparina.

Kastrup, V. (2013) Um mergulho na experiência: uma política para a formação dos profissionais de saúde. In Capazzolo, A., Casetto, S. J. & Henz, A. (orgs.), Clínica comum: itinerários de uma formação em saúde (pp. 151-162). Hucitec.

Kastrup, V., Tedesco, S., & Passos, E. (2015). Políticas da Cognição Sulina.

Larrosa, J. (2015). Tremores: escritos sobre experiências Autêntica.

Mello, L., Perilo, M., Braz, C. A. de, & Pedrosa, C. (2011). Políticas de saúde para lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais no Brasil: em busca de universalidade, integralidade e equidade. Sexualidad, Salud y Sociedad (9), 7-28.

Pasche, D. F., & Passos, E. (2010a). Inclusão como método de apoio para a produção de mudanças na saúde – aposta da Política de Humanização da Saúde. Saúde em Debate, 34( 86), 423-432.

Pasche, D. F., & Passos, E. (2010b) Apresentação: Cadernos temáticos PNH: formação em humanização. In Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Humanização. Formação e intervenção (Vol. 1., pp. 5-10). Ministério da Saúde.

Rocon, P. C., Rodrigues, A., Zamboni, J., & Pedrini, M. D. (2016). Dificuldades vividas por pessoas trans no acesso ao Sistema Único de Saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 21(8), 2517-2526.

Rocon, P. C., Zamboni, J., Sodré, F., Rodrigues, A., & Roseiro, M. C. F. B. (2017). (Trans)formações corporais: reflexões sobre saúde e beleza. Saúde e Sociedade, 26(2), 521-532.

Rocon, P. C.; Zamboni, J., Sodré, F., Rodrigues, A., & Roseiro, M. C. F. B. (2018). O que esperam pessoas trans do Sistema Único de Saúde?. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 22(64), 43-53.

Rocon, P. C., Sodré, F., Rodrigues, A., Barros, M. E. B. de., G.S., Pinto., & Roseiro, M. C. F. B. (2020). Vidas após a cirurgia de redesignação sexual: Sentidos produzidos para gênero e transexualidade. Ciência & Saúde Coletiva, 25(6), 2347-2356.

Romano, V. F. (2008). As travestis no Programa Saúde da Família da Lapa. Saúde e Sociedade, 17(2), 211-219.

Sampaio, L. L. P., & Coelho, M. T. A. D. (2012). Transexualidade: aspectos psicológicos e novas demandas ao setor saúde. Interface – Comunicação, Saúde, Educação, 16(42), 637-649.

Sehnem, G. D., Rodrigues, R. L., Lipinski, J. M., Vasquez, M. E. D., & Schmidt, A. (2017). Assistência em saúde às travestis na atenção primária: do acesso ao atendimento. Revista de Enfermagem UFPE, 11(4), 1676-1684.

Souza, M. H. T. de., Malvasi, P., Signorelli, M. C., & Pereira, P. P. G. (2015). Violência e sofrimento social no itinerário de travestis de Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, 31(4), 767-776.

Spizzirri, G., Ankier, C., & Abdo, C. H. N. (2017). Considerações sobre o atendimento aos indivíduos transgêneros. Diagnóstico e Tratamento, 22(4), 176-179.

Varela, F. (s/d). Conhecer: as ciências cognitivas, tendências e perspectivas Instituto Piaget.

Varela, F. (1993). O reencantamento do concreto. Cadernos de subjetividade, 1(1), 71-86.

Publicado

2022-04-08

Como Citar

ROCON, P. C. .; BARROS, M. E. B. de .; RODRIGUES, A. . A formação dos(as) trabalhadores(as) da saúde na construção de um acesso à saúde integral, equânime e universal à população trans. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 33, p. e20190083, 2022. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8668938. Acesso em: 28 nov. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)