A obra Antimoderne de Jacques Maritain e suas representações sobre o pensamento moderno (1922)

Autores

Palavras-chave:

Intelectuais católicos, Neotomismo, Antimoderno, Jacques Maritain

Resumo

Este artigo procura apresentar as representações sobre o pensamento moderno, elaboradas por Jacques Maritain (1882-1973) e publicadas na sua obra Antimoderne, de 1922. Considera-se que essa obra assinala uma mudança no pensamento de Maritain, isto é, a sua adesão ao neotomismo e o seu engajamento entre os intelectuais católicos na França. A compreensão da apropriação e da interpretação do neotomismo por Maritain constitui um elemento fundamental no entendimento de sua crítica ao pensamento moderno. Com base na história intelectual e em diálogo com algumas contribuições da história cultural, busca-se realizar a conexão entre vida e obra na trajetória de Maritain. Desse modo, a obra em questão situa-se como um fator explicativo de um período da trajetória de vida do intelectual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Augusto de Souza, Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Doutor em Educação pela Universidade Federal do Paraná. Professor adjunto da Faculdade de Educação (FAED) da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS).

Referências

Azzi, R. (1994). A neocristandade: Um projeto restaurador Paulus.

Azzi, R. (2005). A teologia católica na formação da sociedade colonial brasileira Vozes.

Benedetto XV. (1921). Fausto appetente die Libreria Editrice Vaticana. https://w2.vatican.va/content/benedict-xv/it/encyclicals/documents/hf_ben-xv_enc_29061921_fausto-appetente-die.html

Bloy, L. (1914). Le pèlerin de l'absolu Mercure de France.

Bourdieu, P. (2009). Coisas ditas Brasiliense.

Campos, F. A. (1968). Tomismo e neotomismo no Brasil Grijalbo.

Castiglione, L. (1979). Premessa. In Jacques Maritain. Antimoderno: Rinascità del tomismo e libertà intellettuale (pp. 4-17). Logos. pp.4-17.

Chartier, R. (1990). A história cultural: entre práticas e representações DIFEL.

Chartier, R. (1998). A ordem dos livros: Leitores, autores e bibliotecas na Europa entre os séculos XIV e XVIII Editora UNB.

Comblin, J. (1974). A atualidade de S. Tomás de Aquino. Revista Eclesiástica Brasileira, 34 (135), 600-620.

Darnton, R. (2010). A questão dos livros: Passado, presente e futuro Companhia das Letras.

Darnton, R. (1990). O beijo de Lamourette Companhia das Letras.

Dias, R. (1996). Imagens de ordem: A doutrina católica sobre autoridade no Brasil 1922-1933 Editora UNESP.

Dosse, F. (2009). O desafio biográfico: Escrever uma vida EDUSP, 2009.

Farias, D. D. (1998). Em defesa da ordem: Aspectos da práxis conservadora católica no meio operário em São Paulo (1930-1945) Hucitec.

Fattorini, E. (2007). Pio XI, Hitler e Mussolini: La solitudine di un papa Einaudi.

Ginzburg, C. (2007). O fio e os rastros: Verdadeiro, falso, fictício Companhia das Letras.

Gomes, A. C. G. & Hansen, P. S. (2016). Intelectuais, mediação cultural e projetos políticos: uma introdução para a delimitação do objeto de estudo. In Intelectuais mediadores: Práticas culturais e ação política (pp. 7-37). Civilização Brasileira, pp. 7-37.

Gramsci, A. (2006). Cadernos do cárcere (vol. 2). Civilização Brasileira.

Gramsci, A. (2011) Il Vaticano e l’Italia Editori Internazionali Riuniti.

Lamonunier, B. (2014). Tribunos, profetas e sacerdotes: Intelectuais e ideologias do século XX Companhia das Letras.

Leão XIII. (2005). Aeterni patris. In Documentos de Leão XIII (1878-1903) (pp. 71-95). Paulus.

Lenharo, A. (1986). Sacralização da política (2 ed.). Papirus; Editora UNICAMP.

Lima, A. A. (1973). Memórias improvisadas: Diálogos com Medeiros Lima Vozes.

Lima, A. A. (2001). Notas para a história do Centro Dom Vital Paulinas/EDUCAM.

Löwy, M. (1989). O catolicismo latino-americano radicalizado. Estudos Avançados, 3(5), 50-59.

Lustosa, O. F. (1980). Pio IX e o catolicismo no Brasil. Revista Eclesiástica Brasileira, 40(158), 270-285.

Maritain, J. (1922). Antimoderne Éditions de Revue des Jeunes.

Maritain, J. (1979). Antimoderno: Rinascità del tomismo e libertà intellettuale Logos.

Maritain, J. (1936). Humanisme intégral: Problèmes temporels et spirituels d'une nouvelle chrétienté Fernand Aubier; Éditions Montaigne.

Maritain, J. (1984). Primauté du spirituel. In J. Maritain & R. Maritain, Œuvres Complètes (vol. III, pp. 783-988). Éditions Universitaires; Éditions Saint-Paul.

Maritain, J. (1921). Théonas: Où les entretiens d'un sage et de deux philosophes sur diverses matières inégalement acutelles. Nouvelle Librairie Nationale.

Maritain, J. (1984). Une opinion sur Charles Maurras et le devoir des catholiques. In J. Maritain & R. Maritain, Œuvres Complètes (vol. III, pp. 741-780). Éditions Universitaires; Éditions Saint-Paul.

Mannheim, K. (1986). O pensamento conservador. In J. S. Martins (Org.). Introdução crítica à sociologia rural (pp. 77-131). Hucitec.

Pellicciari, A. (2011). Risorgimento anticattolico: la persecuzione della chiesa nelle Memorie di Giacomo Margotti Fede & Cultura.

Pio IX. (1864). Quanta cura Libreria Editrice Vaticana. https://w2.vatican.va/content/pius-ix/it/documents/encyclica-quanta-cura-8-decembris-1864.html

Pio X. (2002). Pascendi dominici gregis. In Pio X & Bento XV. Documentos de Pio X e de Bento XV (1903-1922) (pp. 107-174). Paulus.

Rodrigues, C. M. (2005). A Ordem: uma revista de intelectuais católicos (1934-1945). Autêntica, FAPESP.

Rodrigues, C. M. (2013). Aproximações e conversões: o intelectual Alceu Amoroso Lima no Brasil de 1928-1946 Alameda.

Romano, R. (1979). Brasil: igreja contra o estado (crítica ao populismo católico) Kairós.

Said, E.W. (2005). Representações do intelectual: as conferências Reith de 1993 Companhia das Letras.

Publicado

2022-04-08

Como Citar

SOUZA, R. A. de . A obra Antimoderne de Jacques Maritain e suas representações sobre o pensamento moderno (1922). Pro-Posições, Campinas, SP, v. 33, p. e20190102, 2022. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8668990. Acesso em: 28 nov. 2022.