O corpo e o contemporâneo

entre o princípio do prazer, o ascetismo e a áskesis

Autores

Palavras-chave:

Corpo, Prazer, Controle, Educação da pessoa humana

Resumo

O presente trabalho apresenta um debate sobre o estatuto do corpo na contemporaneidade. Parte da premissa de que esse objeto se encontra na tensão entre o princípio do prazer, fruto dos apelos do hedonismo consumista da sociedade atual, e, por outra parte, do ascetismo corporal, herdado da secularização da formação corporal da ascese puritana. Em ambos os registros se diagnostica uma relação de heteronomia do sujeito com relação ao corpo e ao mundo que habita. Como uma alternativa a essa tensão de caráter heterônomo se postula uma possibilidade de formação corporal humana a partir do registro da áskesis, nos moldes em que fora proposto pelo pensador francês Michel Foucault, ao analisar as escolas do helenismo grego e romano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Santiago Pich, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutorado em Doutorado Interdisciplinar em Ciências Humanas pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professor da Universidade Federal de Santa Catarina no Centro de Ciências da Educação, Campus Universitário Trindade, Florianópolis, SC, Brasil.

Paulo Evaldo Fensterseifer, Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul

Doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas. Professor da Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul no Departamento de Humanidades e Educação, Ijuí, RS, Brasil.

Referências

Agamben, G. (2008). Signatura rerum: sobre el método Adriana Hidalgo.

Agamben, G. (2009). O que é o contemporâneo? e outros ensaios Argos.

Bauman, Z. (1998). O mal-estar na pós-modernidade Jorge Zahar.

Bauman, Z. (2001). Modernidade líquida Jorge Zahar.

Candiotto, C. (2006). Foucault: uma história crítica da verdade. Trans/Form/Ação, 29(2), 65-78.

Costa, J. F. (1995). Felicidade de Pacotilha. In J. F. Costa (Org.), Razões públicas, emoções privadas (pp. 39-54). Rocco.

Courtine, J-J. (1995). Os stakhanovistas do narcisismo – body-building e puritanismo ostentatório na cultura americana do corpo. In D. B. Sannt’anna (Org.), Políticas do corpo (pp. 81-114). Estação Liberdade.

Deleuze, G. (1992). Conversações Editora 34.

Foucault, M. (1979). Microfísica del poder La Piqueta.

Foucault, M. (2004). A ética do cuidado de si como prática da liberdade. In M. Foucault, Ética, sexualidade, política (pp. 258-280). Forense Universitária.

Foucault, M. (2006). A hermenêutica do sujeito Martins Fontes.

Foucault, M. (2008). Las tecnologías del yo Paidós.

Foucault, M. (2014). Lacan, o “Libertador” da psicanálise. In M. Foucault, Problematização do sujeito: psicologia, psiquiatria, psicanálise (3ª edição, 3ª tiragem, pp. 329-330). Forense Universitária.

Foucault, M. (2016). Subjetividade e verdade. Curso no Collège de France (1980-1981) Martins Fontes.

Lane, C. (2008). Entrevista à Folha de S. Paulo, 20 de julho de 2008, Caderno Mais!, p. 5.

Ortega, F. (2003). Práticas de ascese corporal e constituição de bioidentidades. Cadernos Saúde Coletiva, 11(1), 59-77.

Poli Neto, P., & Caponi, S. N. (2007). A medicalização da beleza. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, 11(23), 569-584.

Weber, M. (2004). A ética protestante e o “espírito” do capitalismo Companhia das Letras.

Publicado

2022-04-08

Como Citar

PICH, S.; FENSTERSEIFER, P. E. . O corpo e o contemporâneo: entre o princípio do prazer, o ascetismo e a áskesis. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 33, p. e20190127, 2022. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8668992. Acesso em: 2 dez. 2022.