Viver no mundo conectado

formação para além do “conteudismo produtivista”

Autores

  • Carine Bueira Loureiro Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul
  • Alfredo Veiga-Neto Universidade Federal do Rio Grande do Sul https://orcid.org/0000-0002-7148-3578

Palavras-chave:

Governamentalidade algorítmica, Escola, Ensino on-line

Resumo

O objetivo deste artigo é problematizar, a partir da perspectiva dos Estudos Foucaultianos, as implicações da transferência da educação escolarizada para o espaço e o tempo do convívio familiar. Tal realidade surge da necessidade de readequação das rotinas, imposta pelo isolamento social fundamental no contexto pandêmico que atingiu a todos no ano de 2020. A ênfase no produtivismo conteudista, via de regra, fortalece os investimentos na sujeição maquínica e enfraquece a formação de sujeitos capazes de se contraporem a essa forma de condução das condutas e à lógica econômica vigente, pautada no consumo e na competição. É justamente a possibilidade de convívio com o outro em espaços e tempos apartados da família que favorece aprender com as diferenças e enfrentar o imprevisível.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carine Bueira Loureiro, Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul

Doutorado em Educação no Programa de Pós-graduação em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos. Professora do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul.

Alfredo Veiga-Neto, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutor em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Professor Convidado Permanente pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Referências

Beltramim, F. Ninguém escolheu ficar confinado: educação a distância não é hipocrisia ou escolha, é a única alternativa possível no momento. Bula Revista. https://www.revistabula.com/autor/fabio-beltramim/

Biesta, G. (2018). O dever de resistir: Sobre escolas, professores e sociedade. Educação, 41(1), 21-29.

Castells, M. (2018). Ruptura. Zahar.

Castro, E. (2009). Vocabulário de Foucault Autêntica.

Castro-Gómez, S. (2010). Historia de la gubernamentalidad: Razón de Estado, liberalismo y neoliberalismo em Michel Foucault Siglo del Hombre Editores.

Dardot, P., & Laval, C. (2017). Comum Boitempo.

Dardot, P., & Laval, C. (2016). A Nova Razão do mundo: Ensaio sobre a sociedade neoliberal Boitempo.

Deluze, G., & Guattari, F. (2012). Mil platôs: Capitalismo e esquizofrenia 2 (v. 5). Editora 34.

Dussel, I., Masschelein, J., & SIMONS, M. (Orgs). (2017). A politização e a popularização como domesticação da escola: Contrapontos latino-americanos. In J. Larrosa (Org.). Elogio da escola (pp.147-155).

EBC. Informalidade cai, mas atinge 30 milhões de trabalhadores. https://agenciabrasil.ebc.com.br/economia/noticia/2020-03/informalidade-cai-mas-atinge-38-milhoes-de-trabalhadores

Foucault, M. (2009). A arqueologia do saber Forense Universitária.

Foucault, M. (2008). O Nascimento da Biopolítica Martins fontes.

Larrosa, J. (2017). Pedagogia profana: Danças, piruetas e mascaradas. Autêntica.

Latour, B. Imaginar gestos que barrem o retorno da produção pré-crise. n-1 edições: https://n-1edicoes.org/008-1

Laval, C. (2004). A escola não é uma empresa. Planta.

Lazzarato, M. (2017). O governo do homem endividado. n-1 edições.

Lazzarato, M. (2010). Sujeição e servidão no capitalismo contemporâneo. Cadernos de Subjetividade (12), 168-179.

Levy, P. (1996). O que é o virtual? Editora 34.

Lipovetsky, G. (2019). Agradar e tocar: Ensaio sobre a sociedade da sedução Edições 70.

Lipovetsky, G. (2016). Da leveza: Rumo a uma civilização sem peso Manole.

Loureiro, C. B., Birnfeldt, C., & Heck, J. (2020). Inclusão digital: uma via para a responsabilização individual. Momento: diálogos em educação, 29(1), 122-137.

Loureiro, C. B., & Lopes, M. C. (2019). Aprendizagem: o imperativo de uma nova ordem econômica e social para o desenvolvimento. Pedagogia y saberes, (51), 89-102.

Loureiro, C. B., Lopes, M. C. (2015). A promoção da inclusão digital e a constituição do Homo oeconomicus accessibilis. Educação, 38(3), 329-339.

Martins, S. L. B., & Mil, D. (2016). Estudos científicos sobre a educação a distância no Brasil: um breve panorama. Inclusão Social, 10(1), p.119-131.

Masschlein, J., & Simons, M. (2013). Em defesa da escola: uma questão pública Autêntica.

Ordine, N. (2016). A Utilidade do Inútil: Um manifesto Zahar.

Rocha, C. F. (2000). Desconstruções edificantes: uma análise da ordenação do espaço como elemento do currículo [Dissertação de mestrado, UFRGS].

Rouvroy, A., & Berns, T. (2015) Governamentalidade algorítmica e perspectivas de emancipação: o díspar como condição de individuação pela relação? Revista Eco-Pós, 18(2), 36-56.

Silva, K. K. A., & Behar, P. A. (2019). Alunos da EaD on-line do Brasil e competências digitais. EADPECI, 19(2), 21-39.

Varela, J. (1996). Categorías espacio-temporales y socialización escolar: del individualismo al narcisimo. In J. LARROSA (org.), Escuela, poder y subjetivación (pp. 155-189). La Piqueta.

Varela, J., & Alvarez-Uria, F. (1991). Arqueología de la escuela La Piqueta.

Varela, J., & Alvarez-Uria, F. (1992). A maquinaria escolar. Teoria & Educação, (6), 68-96.

Vendruscolo, M. I., & Behar, P. A. (2016). Investigando modelos pedagógicos para educação a distância: desafios e aspectos emergentes. Educação, 39(3), 302-311.

Viñao-Frago, A., & Escolano, A. (1998). Currículo, espaço e subjetividade: A arquitetura como pro­grama DP&A.

Publicado

2022-05-06

Como Citar

LOUREIRO, C. B. .; VEIGA-NETO, A. . Viver no mundo conectado: formação para além do “conteudismo produtivista”. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 33, p. e20200079, 2022. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8669268. Acesso em: 2 dez. 2022.