Pedagogias da sexualidade

discursos, práticas e (des)encontros na atenção integral à saúde de adolescentes

Autores

Palavras-chave:

Adolescência, Gênero, Sexualidade, Educação sexual

Resumo

Este estudo etnográfico analisa as ações de educação sexual empreendidas por profissionais de saúde em uma unidade básica de saúde e em uma escola pública de um bairro periférico de São Paulo. As intervenções educativas centravam na responsabilização individual de meninas e na gramática do risco que contextualiza a gravidez na adolescência. A noção da gravidez como fator desestruturante de projetos de vida alinhava-se ao senso comum tradicionalista presente no cotidiano das garotas, refletindo assimetrias de gênero. Todavia, as necessidades de saúde sexual pontuadas por adolescentes trazem temas transversais como a diversidade de gênero e sexualidade, questões de saúde mental e as mudanças vivenciadas no início da adolescência. A educação para a sexualidade integra o processo de construção do sujeito, podendo contribuir com reflexões e experiências que engendrem uma práxis de cuidado de si e do outro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jamile Guimarães, Universidade de São Paulo

Pós-doutoranda na Faculdade de Saúde Pública pela Universidade de São Paulo.

Cristiane da Silva Cabral, Universidade de São Paulo

Professora na Faculdade de Saúde Pública pela Universidade de São Paulo.

Referências

Barbosa, R. M. (1999). Negociação sexual ou sexo negociado? Poder, gênero e sexualidade em tempos de AIDS. In R. M. Barbosa, & R. Parker (Orgs.). Sexualidades pelo avesso: Direitos, identidades e poder (pp. 73-88). Editora 34.

Bellenzani, R., Santos, A., & Paiva, V. (2012). Agentes comunitárias de saúde e a atenção à saúde sexual e reprodutiva de jovens na estratégia saúde da família. Saúde e Sociedade, 21(3), 637-650.

Bozon, M. (1997). Des rites de passage aux “premières fois”, socio-ethnologie de la jeunesse en France. In A. M. Desdouits, & L. Turgeon (Eds.), Ethnologies francophones de l’Amérique et d’ailleurs (pp. 187-196). Presses de l’Université Laval.

Bragg, S., Renold, E., Ringrose, J., & Jackson, C. (2018). “More than boy, girl, male, female”: exploring young people’s views on gender diversity within and beyond school contexts. Sex Education, 18(4), 420-434.

Brandão, E. (2009). Desafios da contracepção juvenil: Interseções entre gênero, sexualidade e saúde. Ciência & Saúde Coletiva, 14(4), 1063-1071.

Brasil (2013). Saúde sexual e reprodutiva de adolescentes e jovens Caderno de atenção básica, n. 26. Ministério da Saúde.

Brasil (2010a). Diretrizes nacionais para a atenção integral à saúde de adolescentes e jovens na promoção, proteção e recuperação da saúde Ministério da Saúde.

Brasil (2010b). Programa Saúde na Escola (PSE) Ministério da Saúde.

Britzman, D. (2010). Curiosidade, sexualidade e currículo. In G. Louro (Org.). O corpo educado: Pedagogias da sexualidade (pp. 83-112). Autêntica.

Cabral, C., & Heilborn, M. L. (2010). Avaliação das políticas públicas sobre educação sexual e juventude: da Conferência do Cairo aos dias atuais. In UNFPA Brasil, Compromissos do governo brasileiro com a plataforma da Conferência Internacional sobre População e Desenvolvimento: Rumos para Cairo + 20 (p. 101-128). Cidade Gráfica.

Chiari, A. P., Ferreira, R., Akerman, M., Amaral, J. H., Machado, K., & Senna, M. I. (2018). Rede intersetorial do Programa Saúde na Escola: Sujeitos, percepções e práticas. Cadernos de Saúde Pública, 34(5), e00104217.

Conceição, P. O., & Costa, L. T. (2017). Práticas de enfermeiros para prevenção do HIV/AIDS na adolescência: Análise representacional. Revista de Enfermagem UFPE online, 11(12), 4805-4816.

Evaldsson, A. C. (2005). Staging insults and mobilizing categorizations in a multiethnic peer group. Discourse & Society, 16(6), 763-786.

Farias, I. C., Franco de Sá, R. M., Figueiredo, N., & Menezes Filho, A. (2016). Análise da Intersetorialidade no Programa Saúde na Escola. Revista Brasileira de Educação Médica, 40(2), 261-267.

Fausto-Sterling, A. (2020). Sexing the body: Gender politics and the construction of sexuality Basic Books.

Guimarães, J., & Cabral, C. (2019). Bullying entre meninas: Tramas relacionais da construção de identidades de gênero. Cadernos de Pesquisa, 49(171), 160-179.

Guimarães, J., & Lima, I. M. (2012). Educação para a Saúde: Discutindo uma prática pedagógica integral com jovens em situação de risco. Saúde e Sociedade, 21(4), 895-908.

Freire, P. (2011). Extensão ou Comunicação? Paz e Terra.

Heilborn, M. L., Aquino, E. M., Bozon, M., & Knauth, D. (Orgs.). (2006). O aprendizado da sexualidade: Reprodução e trajetórias sociais de jovens brasileiros Garamond/Fiocruz.

Lopes, R. E., Borba, P. L., Trajber, N. K., Silva, C. R., & Cuel, B. T. (2011). Oficinas de atividades com jovens da escola pública: Tecnologias sociais entre educação e terapia ocupacional. Interface (Botucatu), 15(36), 277-288.

Louro, G. (2018). Pedagogias da Sexualidade. In G. Louro (Org.). O corpo educado: Pedagogias da sexualidade (pp. 07-34). Autêntica.

Magalhães, J., & Ribeiro, P. R. (Orgs.). (2014). Educação para a sexualidade Ed. da FURG.

Medeiros, T. F., Santos, S. M., Xavier, A., Gonçalves, R., Mariz, S., & Sousa, F. L. (2016). Vivência de mulheres sobre contracepção na perspectiva de gênero. Revista Gaúcha de Enfermagem, 37(2), e57350.

Mmari, K., Moreau, C., Gibbs, S. E., De Meyer, S., Michielsen, K., Kabiru, C., Bello, B., Fatusi, A., Lou, C., Zuo, X., Yu, C., Al-Attar, G., & El-Gibaly, O. (2018). ‘Yeah, I’ve grown; I can’t go out anymore’: Differences in perceived risks between girls and boys entering adolescence. Culture, Health & Sexuality, 20(7), 787-798.

Moreau, C., Li, M., De Meyer, S., Vu Manh, L., Guiella, G., Acharya, R., Bello, B., Maina, B., & Mmari K. (2019). Measuring gender norms about relationships in early adolescence: results from the global early adolescent study. SSM - Population Health, 7, 100314.

Nogueira, C., Saavedra, L., & Costa, C. (2008). (In)Visibilidade do género na sexualidade juvenil: Propostas para uma nova concepção sobre a educação sexual e a prevenção de comportamentos sexuais de risco. Pro-Posições, 19(2), 59-79. https://doi.org/10.1590/S0103-73072008000200006

Oliveira, T. C., Carvalho, L., & Silva, M. (2008). O enfermeiro na atenção à saúde sexual e reprodutiva dos adolescentes. Revista Brasileira de Enfermagem, 61(3), 306-311.

Pais, J. M. Culturas juvenis INCM, 2003.

Ribeiro, J. (2006). Brincadeiras de meninas e de meninos: socialização, sexualidade e gênero entre crianças e a construção social das diferenças. Cadernos Pagu, 26, 145-168.

Renold, E. (2018). ‘Feel what I feel’: making da(r)ta with teen girls for creative activisms on how sexual violence matters. Journal of Gender Studies, 27(1), 37-55.

Santos, N. L., Guimarães, D., & Gama, C. A. (2016). A percepção de mães adolescentes sobre seu processo de gravidez. Revista Psicologia Saúde, 8(2), 83-96.

Schalet, A. (2011). Not under my roof: Parents, teens, and the culture of sex. University of Chicago Press.

Silva, C. (2019). Saúde na escola: Intersetorialidade e promoção da saúde. Fiocruz.

Silva, C., & Borba, P. (2018). Encontros com a diferença na formação de profissionais de saúde: Juventudes, sexualidades e gêneros na escola. Saúde e Sociedade, 27(4), 1134-1146.

Sousa, M., Esperidião, M., & Medina, M. G. (2017). A intersetorialidade no Programa Saúde na Escola: Avaliação do processo político-gerencial e das práticas de trabalho. Ciência & Saúde Coletiva, 22(6), 1781-1790.

Tolman, D. (2005). Dilemmas of desire: teenage girls talk about sexuality Harvard University Press.

Vidal, E., & Ribeiro, P. R. (2008). Algumas reflexões sobre relacionamentos afetivos e relações sexuais na adolescência. Fractal: Revista de Psicologia, 20(2), 519-531.

Vieira, R., Gomes, S. H., Machado, M. F., Bezerra, I. M., & Machado, C. A. (2014). Participação de adolescentes na estratégia saúde da família a partir da estrutura teórico metodológica de uma participação habilitadora. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 22(2), 309-316.

Publicado

2022-05-06

Como Citar

GUIMARÃES, J. .; CABRAL, C. da S. . Pedagogias da sexualidade: discursos, práticas e (des)encontros na atenção integral à saúde de adolescentes. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 33, p. e20200043, 2022. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8669269. Acesso em: 28 nov. 2022.