Educação interprofissional em saúde

aprendizados de uma experiência inovadora de integração entre pessoas, currículos e profissões

Autores

Palavras-chave:

Educação superior, Currículo, Processo de ensino-aprendizagem, Integração curricular, Pesquisa qualitativa

Resumo

Este estudo de caso qualitativo teve o objetivo de compreender a percepção de Agentes Comunitários de Saúde e gestores sobre o significado da experiência de educação interprofissional em serviços de Atenção Primária à Saúde para a formação de estudantes da saúde na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Foram realizadas entrevistas individuais semiestruturadas (n=20) e análise documental. O material foi interpretado pela análise temática de conteúdo. Os resultados mostraram que atividades de ensino que integram pessoas, currículos e profissões nos serviços de saúde têm potencial para promover aprendizagens interprofissionais na graduação, formando profissionais mais colaborativos e qualificando a atenção à saúde.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renyelle Schwantes de Souza, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Mestrado profissional em andamento em Ensino na Saúde pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Luciane Ines Ely, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Mestrado em Ensino na Saúde pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.  Técnica em Assuntos Educacionais (Divisão de Qualificação e Aperfeiçoamento) pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Ramona Fernanda Ceriotti Toassi, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Pós-Doutorado na Escola de Enfermagem pela Universidade de São Paulo. Professora Associada do Departamento de Odontologia Preventiva e Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Referências

Albuquerque, V. S., Gomes, A. P., Rezende, C. H. A., Sampaio, M. X., Dias, O. V., & Lugarinho, R. M. (2008). A Integração Ensino-Serviço no Contexto dos Processos de Mudança na Formação Superior dos Profissionais da Saúde. Revista Brasileira de Educação Médica, 32(3), 356–362. doi: 10.1590/S0100-55022008000300010

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo Edições 70.

Barr, H., & Low, W. (2013). Introducing interprofessional education Center for the advancement of interprofessional education (CAIPE), England.

Beach, M. C. et al. (2005). Cultural competence: a systematic review of health care provider educational interventions. Med. Care, 43(4), 356-373. doi: 10.1097/01.mlr.0000156861.58905.96

Bezerra, Y. R. N., & Feitosa, M. Z. S. (2018). A afetividade do agente comunitário de saúde no território: um estudo com os mapas afetivos. Ciência & Saúde Coletiva, 23(3), 813-822. doi: 10.1590/1413-81232018233.00292016

Bornstein, V. J., & Stotz, E. N. (2008). Concepts involved in the training and work processes of community health care agents: a bibliographical review. Ciência & Saúde Coletiva, 13(1), 259-268. doi: 10.1590/1413-81232018233.00292016

Brasil (2001). Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Superior. Parecer nº 583/2001 Orientação para as diretrizes curriculares dos cursos de graduação. Ministério da Educação.

Brasil (2005). Ministério da Saúde. Pró-Saúde: Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde Ministério da Saúde.

Brasil (2007). Ministério da Saúde. Ministério da Educação. Pró-Saúde: Programa Nacional de Reorientação da Formação Profissional em Saúde Ministério da Saúde.

Brasil (2008). Ministério da Saúde. Portaria Interministerial nº 1802, de 26 de agosto de 2008 Institui o Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde – PET-Saúde. Ministério da Saúde.

Brasil (2015). Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde. Edital nº 13, de 28 de setembro de 2015. Seleção para o Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde. PET-Saúde/GRADUASUS – 2016/2017. Ministério da Saúde.

Brasil (2018). Ministério da Saúde. Secretaria de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde (SGTES). Edital nº 10, 23 de julho 2018. Seleção para o programa de educação pelo trabalho para a saúde. PET-Saúde/Interprofissionalidade – 2018/2019. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo.

Campos, F. E., Ferreira, J. R., Feuerwerker, L., Sena, R. R., Campos, J. J. B., Cordeiro, H., & Cordoni Jr., L. (2001). Caminhos para aproximar a formação de profissionais de saúde das necessidades da atenção básica. Revista Brasileira de Educação Médica, 25(2), 53-59.

Canadian Interprofessional Health Collaborative (2010). A national interprofessional competence framework Vancouver: Canadá.

Costa, M. V. (2017). A potência da educação interprofissional para o desenvolvimento de competências colaborativas no trabalho em saúde. In Toassi, R. F. C. (Org.), Interprofissionalidade e formação na saúde: Onde estamos? (pp. 14-27). Rede Unida.

Damasceno, R. F., & Silva, P. L. N. (2018). Competência cultural na atenção primária: algumas considerações. Journal of management & primary health care, 9, e11. doi: https://doi.org/10.14295/jmphc.v9i0.435

D'Amour, D., Goulet, L., Labadie, J. F., Martín-Rodriguez, L. S., & Pineault, R. (2008). A model and typology of collaboration between professionals in health care organizations. BMC Health Service Research, 8, 188. doi: 10.1186/1472-6963-8-188

Dias, S., Lima, H. D., & Teixeira, M. (2013). A trajetória da política nacional de reorientação da formação profissional em saúde no SUS. Ciência & Saúde Coletiva, 18(6), 1613-1624. doi: 10.1590/S1413-81232013000600013

Ely, L. I., & Toassi, R. F. C. (2018). Integração entre currículos na educação de profissionais da saúde: a potência para educação interprofissional na graduação. Interface - Comunic., saúde, educ., 22(2), 1563-1575. doi: 10.1590/1807-57622017.0658

Faria, L., Quaresma, M. A., Patiño, R. A., Siqueira, R., & Lamego, G. (2018). Integração ensino-serviço-comunidade nos cenários de práticas na formação interdisciplinar em saúde: Uma experiência do Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde (PET-Saúde) no sul da Bahia, Brasil. Interface - Comunic., saúde, educ., 22(67), 1257-1266. doi: 10.1590/1807-57622017.0226

Finkler, M., Caetano, J. C., & Ramos, F. R. S. R. (2011). Integração “ensino-serviço” no processo de mudança na formação profissional em Odontologia. Interface - Comunic., saúde, educ., 15(39), 1053-1067. doi: 10.1590/S1414-32832011005000023

Fletcher, S., Whiting, C., Boaz, A., & Reeves, S. (2017). Exploring factors related to the translation of collaborative research learning experiences into clinical practice: opportunities and tensions. Journal of Interprofessional Care, 31(4), 543-545. doi: 10.1080/13561820.2017.1303464

Fontanella, B. J. B., Luchesi, B. M., Saidel, M. G. B., Ricas, J., Turato, E. R., & Melo, D. G. (2011). Amostragem em pesquisas qualitativas: Proposta de procedimentos para constatar saturação teórica. Cadernos de Saúde Pública, 27(2), 389-394. doi: 10.1590/S0102-311X2011000200020

Franco, T. B., & Merhy, E. E. (2013). O reconhecimento de uma produção subjetiva do cuidado. In Franco, T. B., & Merhy, E. E., Trabalho, produção do cuidado e subjetividade em saúde: Textos reunidos (pp. 151-171). Hucitec.

Freire, P. (1987). Pedagogia do oprimido (11a ed.). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Freire, P. (1996). Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa Paz e Terra.

Frenk, J., Chen, L., Bhutta, Z. A., Cohen, J., Crisp, N., Evans, T., & Zurayk, H. (2010). Health professionals for a new century: Transforming education to strengthen health systems in an interdependent world. The Lancet, 376(9756), 1923-1958. doi: 10.1016/S0140-6736(10)61854-5

Gomes, K. O., Cotta, R. M. M., Mitre, S. M., Batista, R. B., & Cherchiglia, M. L. (2010). O agente comunitário de saúde e a consolidação do Sistema Único de Saúde: Reflexões contemporâneas. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 20(4), 1143-1164. doi: 10.1590/S0103-73312010000400005

Guizardi, F. L., Stelet, B. P., Pinheiro, R., & Ceccim, R. B. (2006). A formação de profissionais orientada para a integralidade e as relações político-institucionais na saúde: uma discussão sobre a integração ensino-trabalho. In Pinheiro, R.; Ceccim, R. B. & Matos, R. A. (Orgs.), Ensinar saúde: A integralidade e o SUS nos cursos de graduação na área da saúde (pp. 153-177). IMS/UERJ, Cepesc, Abrasco.

Kuabara, C. T. M.; Tonhom, S. F. R., & Marin, M. J. S. (2016). Integração ensino-serviço na perspectiva dos profissionais da rede primária de saúde. Revista Fórum Identidades, 22(22), 173-192.

Larrosa, J. B. (2002). Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista Brasileira de Educação, 19, 20-28. doi: 10.1590/S1413-24782002000100003

Leite, D., Genro, M. E., & Braga, A. M. (2011). Inovações pedagógicas e demandas ao docente na universidade. In D. Leite, M. E. Genro, & A. M. Braga (Orgs.). Inovação e pedagogia universitária (pp. 19-48). Editora da UFRGS.

Lima, E. M. F. A., & Yasui, S. (2014). Territórios e sentidos: espaço, cultura, subjetividade e cuidado na atenção psicossocial. Saúde Debate, 38(1020), 593-606.

Merhy, E. E., & Feuerwerker, L. C. M. (2009). Novo olhar sobre as tecnologias de saúde: uma necessidade contemporânea. In Mandarino, A. C. S., & Gomberg, E. (Orgs.). Leituras de novas tecnologias e saúde (pp. 29-56). Editora UFS.

Merleau-Ponty, M. (2006). Fenomenologia da percepção (3a ed.). Martins Fontes.

Meyer, D. E., Felix, J., & Vasconcelos, M. F. F. (2013). Por uma educação que se movimente como maré e inunde os cotidianos de serviços de saúde. Interface - Comunic., saúde, educ., 17(47), 859-871. doi: 10.1590/S1414-32832013005000033

Minayo, M. C. S. (2007). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde (10a ed.). Hucitec.

Moimaz, S. A. S., Saliba, N. A., Zina, L. G., Saliba, O., & Garbin, C. A. S. (2010). Práticas de ensino-aprendizagem com bases em cenários reais. Interface - Comunic., saúde, educ., 14(32), 69-79. doi: 10.1590/S1414-32832010000100006

Monken, M., Peiter, P., Barcellos, C., Rojas, L. I., Navarro, M., Gondim, G. M. M., & Gracie, R. (2008). O território na saúde: Construindo referências para análises em saúde e ambiente. In Miranda, A. C., Barcellos, C., Moreira, J. C., & Monken, M. (Orgs.). Território, Ambiente e Saúde (pp. 23-41). Fiocruz.

Organização Mundial de Saúde. Marco para ação em educação interprofissional e prática colaborativa WHO, 2010.

Peduzzi, M., Norman, I. J., Germani, A. C. C. G., Silva, J. A. M., & Souza, G. C. (2013). Educação interprofissional: Formação de profissionais de saúde para o trabalho em equipe com foco nos usuários. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 47(4), 977-983. doi: 10.1590/S0080-623420130000400029

Peduzzi, M., Oliveira, M. A. C., Silva, J. A. M., Agreli, H. L. F., & Miranda Neto, M. V. (2016). Trabalho em equipe, prática e educação interprofissional. In Martins, M. A., Carrilho, F. J., Alves, V. A., Castilho, E. A., & Cerri, G. G. Clínica médica: Atualização da clínica (pp. 171-179). Manole.

Peduzzi, M., & Agreli, H. F. (2018). Trabalho em equipe e prática colaborativa na Atenção Primária à Saúde. Interface - Comunic., saúde, educ., 20(59), 905-916. doi: 10.1590/1807-57622017.0827

Perrenoud, P. (1999). Construir as competências desde a escola Artmed.

Pierantoni, C. R., Varella, T. C., Santos, M. R., França, T., & Garcia, A. C. (2008). Gestão do trabalho e da educação em saúde: recursos humanos em duas décadas do SUS. Physis: Revista de Saúde Coletiva, 18(4), 685-704. doi: 10.1590/S0103-73312008000400005

Reeves, S., Perrier, L., Goldman, J., Freeth, D., & Zwarenstein, M. (2013). Interprofessional education: Effects on professional practice and healthcare outcomes (update) Cochrane database of systematic reviews. Issue 3.

Reeves, S., Fletcher, S., Barr, H., Birch, I., Boet, S., Davies, N., & Kitto, S. (2016). A BEME systematic review of the effects of interprofessional education: BEME Guide No. 39. Medical Teacher, 38(7), 656-668. doi: 10.3109/0142159X.2016.1173663

Reis, W. B., Gomes, R. J., & Oliveira, R. C. (2020). A interdisciplinaridade no estágio supervisionado de um curso de Educação Física. Pro-Posições, 31, e20180030. doi:10.1590/1980-6248-2018-0030

Santos, B. S. (2010). Pela mão de Alice: O social e o político na pós-modernidade (13. ed). Cortez.

Starfield, B. (2002). Atenção primária: Equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia UNESCO, Ministério da Saúde.

Titchen, A., & Hobson, D. (2015). Compreensão da fenomenologia mediante perspectivas inversas. In Somekh, B. & Lewin, C. (Orgs.). Teoria e método de pesquisa social (pp.183-191). Vozes.

Toassi, R. F. C., Davoglio, R. S., & Lemos, V. M. A. (2012). Integração ensino-serviço-comunidade: O estágio na atenção básica da graduação em odontologia. Educação em Revista, 28(4), 223-242. doi: 10.1590/S0102-46982012000400009

Toassi, R. F. C., & Lewgoy, A. M. B. (2016). Práticas Integradas em Saúde I: uma experiência inovadora de integração intercurricular e interdisciplinar. Interface - Comunic., saúde, educ., 20(57), 449-461. doi: 10.1590/1807-57622015.0123

Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2018). Faculdade de Odontologia. Comissão de Graduação do Curso de Odontologia. Plano de Ensino Disciplina Práticas Integradas em Saúde I. UFRGS.

Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2020). Pró-Reitoria de Graduação. Coordenadoria de Saúde UFRGS.

Vasconcelos, A. C. F., Stedefeldt, E., & Frutuoso, M. F. P. (2016). Uma experiência de integração ensino-serviço e a mudança de práticas profissionais: Com a palavra, os profissionais de saúde. Interface - Comunic., saúde, educ., 20(56), 147-158. doi: 10.1590/1807-57622015.0395

Vendruscolo, C., Ferraz, F., Prado, M. L., Kleba, M. E., & Reibnitz, K. S. (2016). Integração ensino-serviço e sua interface no contexto da reorientação da formação na saúde. Interface - Comunic., saúde, educ., 20(59), 1015-1025. doi: 10.1590/1807-57622015.0768

Yin, R. (2010). Estudo de caso: Planejamento e métodos (4a. ed.). Bookman.

Zarpelon, L. F. B., Terencio, M. L., & Batista, N. A. (2018). Integração ensino-serviço no contexto das escolas médicas brasileiras: revisão integrativa. Ciência & Saúde Coletiva, 23(12), 4241-4248. doi: 10.1590/1413-812320182312.32132016

Publicado

2022-05-06

Como Citar

SOUZA, R. S. de; ELY, L. I. .; TOASSI, R. F. C. . Educação interprofissional em saúde: aprendizados de uma experiência inovadora de integração entre pessoas, currículos e profissões. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 33, p. e20200011, 2022. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8669271. Acesso em: 28 nov. 2022.