A visão de matriculados sobre a evasão num curso de licenciatura em física

Autores

Palavras-chave:

Evasão escolar, Curso de licenciatura, Física, Aluno matriculado, Ensino superior

Resumo

Objetivamos compreender quais são, na visão de licenciandos em Física, as causas e as possíveis soluções para a evasão no curso. Para isso, tomamos como base o modelo teórico de Tinto e considerações da literatura sobre as causas e as possíveis estratégias de ação contra a evasão no Ensino Superior. As informações de pesquisa foram coletadas junto a 33 estudantes por meio de um questionário dissertativo. As análises, realizadas por meio da Análise de Conteúdo, indicaram que a maioria dos participantes já havia pensado em evadir, especialmente aqueles que ingressaram sem ou com níveis reduzidos de compromisso com o curso. As dificuldades de aprendizagem e uma maior sensibilidade dos docentes e da instituição em relação a elas foram apontadas, respectivamente, como o principal motivo para a evasão no curso e a melhor maneira de combatê-la.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Coelho da Silva, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo

Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo - IFSP, Itapetininga, SP, Brasil.

Tairine de Carvalho Cabral, Instituto Federal de Educação, Ciencia e Tecnologia

Graduação em andamento em Licenciatura em Fisica pelo Instituto Federal de Educação, Ciencia e Tecnologia.

Referências

Almeida, J. B, & Schimiguel, J. (2011). Avaliação sobre as causas da evasão escolar no ensino superior: estudo de caso no curso de licenciatura em física no Instituto Federal do Maranhão. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, 2(2), 167-178.

Arruda, S. M., & Ueno, M. H. (2003). Sobre o ingresso, desistência e permanência no curso de Física da Universidade Estadual de Londrina: algumas reflexões. Ciência & Educação, 9(2), 159-175.

Arruda, S. M., Carvalho, M. A., Passos, M. M., & Silveira, F. L. (2006). Dados comparativos sobre a evasão em Física, Matemática, Química e Biologia da Universidade Estadual de Londrina: 1996 a 2004. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 23(3), 418-438.

Bardin, L. (2011). Análise de conteúdo Edições 70.

Braga, M. M., Miranda-Pinto, C. O. B., & Cardeal, Z. L. (1997). Perfil socioeconômico dos alunos, repetência e evasão no curso de Química da UFMG. Química Nova, 20(4), 438-444.

Braga, M. M., Peixoto, M. C. L., & Bogutchi, T. F. (2003). A evasão no Ensino Superior brasileiro: o caso da UFMG. Avaliação – Revista da Rede de Avaliação Institucional da Educação Superior, 8(1), 161-189.

Bueno, J. L. O. (1993). A evasão de alunos. Paidéia, (5), 9-16.

Carlomagno, M. C., & Rocha, L. C. (2016). Como criar e classificar categorias para fazer análise de conteúdo: uma questão metodológica. Revista Eletrônica de Ciência Política, 7(1), 173-188.

Cunha, A. M., Tunes, E., & Silva, R. R. (2001). Evasão do curso de Química da Universidade de Brasília: a interpretação do aluno evadido. Química Nova, 24(1), 262-280.

Daitx, A. C., Loguercio, R. Q., & Strack, R. (2016). Evasão e retenção escolar no curso de Licenciatura em Química do Instituto de Química da UFRGS. Investigações em Ensino de Ciências, 21(2), 153-178.

Davok, D. F., & Bernard, R. P. (2016). Avaliação dos índices de evasão nos cursos de graduação da Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC. Avaliação, 21(2), 503-521.

Gregório, J. R., Leite, C. C., Leal, B. C., Nitschke, W. K., Pederzolli, F. R. S., Borba, K. M. N., Fraga, M. V. B., & Silva, C. B. (2017). O Programa de Apoio à Graduação em Química (PAG-Química) e sua contribuição para a democratização e permanência dos estudantes no ensino superior. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 16(3), 540-558.

Kipnis, B. (2000). A pesquisa institucional e a educação superior brasileira: um estudo de caso longitudinal da evasão. Linhas Críticas, 6(11), 109-130.

Kipnis, B., Bareicha, P., Taveira, A. C., Magalhães, C., Assis, M. H., & Oliveira, T. P. (1998). Índices de evasão dos cursos na Universidade de Brasília e suas perspectivas. Caderno Linhas Críticas, 4(5-6), 131-145.

Kussuda, S. R. (2017). Um estudo sobre a evasão em um curso de Licenciatura em Física: Discursos de ex-alunos e professores [Tese de Doutorado, Faculdade de Ciências da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Bauru].

Lima, E., & Machado, L. (2014). A evasão discente nos cursos de licenciatura da Universidade Federal de Minas Gerais. Educação Unisinos, 18(2), 121-129.

Lima Junior, P. (2013). Evasão do Ensino Superior de Física segundo a tradição disposicionalista em Sociologia da Educação [Tese de Doutorado, Instituto de Física da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre].

Lima Junior, P., Ostermann, F., & Rezende, F. (2012). Análise dos condicionantes sociais da evasão e retenção em cursos de graduação em Física à luz da sociologia de Bourdieu. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, 12(1), 37-60.

Lima Junior, P., Silveira, F. L., & Ostermann, F. (2012). Análise de sobrevivência aplicada ao estudo do fluxo escolar nos cursos de graduação em Física: um exemplo de uma universidade brasileira. Revista Brasileira de Ensino Física, 34(1), 1-10.

Machado, S. P., Melo Filho, J. M., & Pinto, A. C. (2005). A evasão nos cursos de graduação de Química - uma experiência de sucesso feita no Instituto de Química da Universidade Federal do Rio de Janeiro para diminuir a evasão. Química Nova, 28(supl.), 41-43.

Massi, L., & Villani, A. (2015). Um caso de contratendência: baixa evasão na licenciatura em química explicada pelas disposições e integrações. Educação e Pesquisa, 41(4), 975-992.

Mazzetto, S. E., & Carneiro, C. C. B. S. (2002). Licenciatura em Química da UFC: perfil socioeconômico, evasão e desempenho dos alunos. Química Nova, 25(6B), 1204-1210.

Mercuri, E., & Polydoro, S. A. J. (2003). O compromisso com o curso no processo de permanência/evasão no Ensino Superior: algumas contribuições. In E. Mercuri, & S. A. J. Polydoro (Orgs.), Estudante Universitário: Características e experiências de formação (pp. 219-236). Cabral Editora e Livraria Universitária.

Micha, D. N., Barcellos, M. E., Silva, G. S. F., Souza, E. G., Silva, M. C., Silva, E. T., & Gonçalves, D. N. (2018). O novo currículo do Curso de Licenciatura em Física do CEFET/RJ, Campus Petrópolis. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 35(2), 478-517.

Moraes, R. (1999). Análise de conteúdo. Revista Educação, 22(37), 7-32.

Oliveira, A. R. L. (2016). A Contribuição do PIBID/Física na Formação Profissional dos Estudantes de Licenciatura em Física da UFAM [Dissertação de Mestrado, Instituto de Ciências Exatas da Universidade Federal do Amazonas, Manaus].

Pereira Junior, E. (2012). Compromisso com o graduar-se, com a instituição e com o curso: Estrutura fatorial e relação com a evasão [Dissertação de Mestrado, Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas, Campinas].

Ramos, I. J. (2013). Panorama das Licenciaturas de Ciência e Matemática no Brasil: Fragilidades, Ofertas e Tecnologias [Tese de Doutorado, Universidade Cruzeiro do Sul, São Paulo]

Ribeiro, E. (2015). Evasão e permanência num curso de Licenciatura em Física: O ponto de vista dos licenciandos [Dissertação de Mestrado, Setor de Educação da Universidade Federal do Paraná, Curitiba].

Ribeiro, M. A. (2005). O Projeto Profissional Familiar como Determinante da Evasão Universitária – Um Estudo Preliminar. Revista Brasileira de Orientação Profissional, 6(2), 55-70.

Santana, O. C. (2016). Evasão nas Licenciaturas das Universidades Federais: entre a apetência e a competência. Educação, 41(2), 311-327.

Santos, G. M. O. (2018). Um olhar sobre a política de formação de professores de Física no Brasil [Dissertação de Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática, Universidade Federal de Sergipe, São Cristóvão, SE].

Santos, P. K., & Giraffa, L. M. M. (2016). Permanência na graduação a distância na perspectiva dos estudantes: um estudo a partir da experiência do projeto Alfa Guia In Sexta Conferencia Latinoamericana sobre el Abandono en la Educación Superior (VI CLABES), Quito, Equador.

Silva, F. C. P. (2018). As condições de ofertas dos cursos de Licenciatura em Física: O caso do Instituto Federal de Goiás [Dissertação de Mestrado, Pontifícia Universidade Católica de Goiás, Goiânia].

Silva Filho, R. L. L., Motejunas, P. R., Hipólito, O., & Lobo, M. B. C. M. (2007). A evasão no ensino superior brasileiro. Caderno de Pesquisa, 37(132), 641-659.

Simões, B. S. (2018). Relações com o saber no curso de Licenciatura em Física da UFSC: Passado e presente da evasão e permanência [Tese de Doutorado, Centro de Ciências da Educação da Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis].

Souza, R. M., & Gomes Junior, S. R. (2015). Programa de Educação Tutorial: avanços na formação em Física no Rio Grande do Norte. Revista Brasileira de Ensino Física, 37(1), 1501-1505.

Tinto, V. (2019). Vincent Tinto – School of Education Syracuse University. http://soe.syr.edu/about/member.aspx?fac=64

Tinto, V. (1987). Leaving College: Rethinking the Causes and Cures of Student Attrition University of Chicago Press.

Tontini, G., & Walter, S. A. (2014). Pode-se identificar a propensão e reduzir a evasão de alunos? Ações estratégicas e resultados táticos para instituições de ensino superior. Avaliação, 19(1), 89-110.

Publicado

2022-06-15

Como Citar

SILVA, A. C. da .; CABRAL, T. de C. A visão de matriculados sobre a evasão num curso de licenciatura em física. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 33, p. e20200046, 2022. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8670491. Acesso em: 2 dez. 2022.