Amizade e educação infantil

Autores

Palavras-chave:

Amizade, Interseccionalidade, Crianças, Pré-escola

Resumo

O artigo tem como objetivo contribuir com os estudos da Educação Infantil, explorando as amizades entre as crianças, marcadas por raça, gênero, classe e idade, num Centro Municipal de Educação Infantil que atende crianças com 5 anos. Trata-se de uma etnografia realizada na cidade de São Paulo, ao longo de sete meses, fazendo uso do registro em caderno de campo. Com base nas análises, pode-se destacar que as relações entre as crianças e a percepção que elas têm sobre suas identidades étnico-raciais e de gênero se constituem no contato com as diferenças. Na convivência cotidiana, as crianças constroem sentidos com a realidade, transformam os sentidos propostos a cada momento em que brincam juntas praticando a amizade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Artur Oriel Pereira, Universidade de São Paulo

Doutorado em andamento em Ciências Humanas pela Universidade de São Paulo.

Referências

Akotirene, C. (2019). Interseccionalidade Pólen, 2019.

Almeida, E. C. S. (2016). “Se você estiver aqui, você é nossa amiga, senão não é”: as interações entre um grupo de crianças no ambiente da Educação Infantil. Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Minas Gerais.

Alves, J. (2014). From necropolis to blackpolis: necropolitical governance and black spatial praxis in São Paulo. Antipode, 46(2), 323-339.

Arroyo, M. (2018). Descolonizar o paradigma colonizador da infância. In Santos, S. E. et al., Pedagogias descolonizadoras e infâncias: por uma educação emancipatória desde o nascimento (pp. 57-68). Edufal.

Beaud, S., & Weber, F. (2007). Observar. In S. Besud & F. Weber, Guia para a pesquisa de campo: produzir e analisar dados etnográficos (J. A. Sergio, Trad., & C. N. Henrique, Trad., & Rev., pp. 95-117). Vozes.

Borba, A. M. (2005). Culturas da infância nos espaços e tempos do brincar: um estudo com crianças de 4-6 anos em Instituição Pública de Educação Infantil Tese de doutorado, Faculdade de Educação, Universidade Federal Fluminense.

Camaioni, L. (1997). Il bambino e gli amici. In L. Camaioni, L’infanzia (pp. 69-76). Società Editrice Il Mulino.

Carneiro, S. (2003). Mulheres em movimento. Estudos Avançados, 17(49), 117-132.

Carneiro, S. (2011). Racismo, sexismo e desigualdade no Brasil Selo Negro Edições.

Charlon, M. L. P. (2010, julho/dezembro). Os cadernos de campo de Roger Bastide. História: Questões & Debates, 53, 85-119. Disponível em: http://revistas.ufpr.br/historia/article/viewFile/24118/16149

Collins, P. H. (2000). Black feminist thought: Knowledge, consciousness, and the politics of empowerment Routledge.

Corsaro, W. A. (2011). Sociologia da Infância (Lia G. R. R., Trad., pp. 31-220). Artmed.

Crenshaw, K. (2002). Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Dossiê III Conferência Mundial Contra o Racismo. Revista Estudos Feministas, 10(1), 1.º sem, 171–188. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ref/v10n1/11636.pdf

Davis, A. (2016). Mulheres, raça e classe (Heci R. C. Trad.). Boitempo.

Delgado, A. C. C., Würdig, R. C., & Cava, P. P. (2017, abril/junho). Interatividade nas culturas da infância: aproximações, amizade e conflitos entre bebês. Revista Educação em Questão, 55(44), 144-168.

Fanon, F. (2008). Pele negra, máscaras brancas EDUFBA.

Fernandes, F. (2004). As “trocinhas” do Bom Retiro: contribuição ao estudo folclórico e sociológico da cultura e dos grupos infantis. In F. Fernandes, Folclore e mudança social na cidade de São Paulo (pp. 195-315). Martins Fontes.

Ferreira, M. M. M. (2004). Do “avesso” do brincar ou... as relações entre pares, as rotinas da cultura infantil e a construção da(s) ordem(ens) social(is) instituinte(s) das crianças no jardim-de-infância. In M. J. Sarmento, & A. B. Cerisara, Crianças e miúdos: perspectivas sociopedagógicas da infância e educação (pp. 55-104). Edições ASA.

Gomes, F. R. B. (2012). A amizade entre crianças na escola Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Gomes, N. L. (2017). O movimento negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação Vozes.

Grootaers, J. (2001). De l' exploitation des archives de terrain? une textualisation en chaîne. Gradhiva – Revue d'Anthropologie et d'Histoire des Arts, 30-31.

hooks, B. (1992). Black looks: Race and representation South End Press.

hooks, B. (2000). Vivendo de amor. In J. Werneck, M. Mendonça, & E. C. White, O livro da saúde das mulheres negras Nossos passos vêm de longe (pp. 188-198). Pallas: Criola.

Ingold, T. (2011). Antropologia não é etnografia. (F. F. C. Caio, Rev., & C. D. Rodrigo, Trad.) In: T. Ingold, Being alive (pp.229-243). Routledge.

Kishimoto, T. M. (2011). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação Cortez.

Lopes, C. R. (2017). Lendas urbanas na internet: entre a ordem do discurso e o acontecimento enunciativo Tese de doutorado, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Departamento de Letras Modernas, Programa de Pós-graduação em Estudos Linguísticos e Literários em Inglês, Universidade de São Paulo.

Lorde, A. (1982). Zami, a new spelling of my name Crossing.

Lorde, A. (1988). A burst of light: Essays Firebrand Books.

Martins, J. S. (1993). A aparição do demônio na fábrica, no meio da produção. Tempo Social, 5(1-2), 1-29.

Müller, F. (2008). Socialização na escola: transições, aprendizagem e amizade na visão das crianças. Educ. Rev, 32, 123-141.

Munanga, K., & Gomes, N. L. (2006). O negro no Brasil de hoje Global.

Nogueira, O. ([1954] 1985). Preconceito racial de marca e preconceito racial de origem: sugestão de um quadro de referência para a interpretação do material sobre relações raciais no Brasil”. In O. Nogueira, Tanto preto, quanto branco: estudo de relações raciais T. A. Queiroz.

Nunes, M. D. F. (2016). Cadê as crianças negras que estão aqui? O racismo (não) comeu. Latitude (UFAL), 10, 383-424.

Nunes, M. D. F. (2017). Mandigas da infância: as culturas das crianças pequenas na escola municipal Malê Debalê, em Salvador (BA) Tese de doutorado, Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo.

Omnyo-za Brasil (n.d.). Resenha de Verão de Ubume, de Natsuhiko Kyogoku. Disponível em: https://onmyouzabrazil.jimdo.com/contos-1/ubume/

Peirano, M. (2008). Etnografia, ou a teoria vivida. Ponto Urbe, 2, 1-12. Disponível em: http://journals.openedition.org/pontourbe/1890

Petruccelli, J. L. (2000). A cor denominada: um estudo do suplemento da Pesquisa Mensal de Emprego de julho de 1998 IBGE.

Petruccelli, J. L. (2007). A cor denominada: estudos sobre a classificação étnico-racial DP&A / LPP-UERJ.

Prado, P. D. (2006). Contrariando a idade: condição infantil e relações etárias entre crianças pequenas da Educação Infantil Tese de doutorado, Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas.

Quinteiro, J. (2002, julho/dezembro). Sobre a emergência de uma sociologia da Infância: contribuições para o debate. Perspectiva, 20, 137-162.

Rocha, E. J., & Rosemberg, F. (2007). Autodeclaração de cor e/ou raça entre escolares paulistanos(as). Cadernos de Pesquisa, 37(132), 759-799.

Rosemberg, F. (1996). Educação infantil, classe, raça e gênero. Cadernos de Pesquisa, 96, 3-86.

Santiago, F. (2014). Meu cabelo é assim... igualzinho o da bruxa, todo armado! Hierarquização e racialização das crianças pequenininhas negras na educação infantil Dissertação de mestrado, Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas.

Santiago, F. (2019). Eu quero ser o Sol! (Re)interpretações das intersecções entre as relações raciais e de gênero nas culturas infantis entre as crianças de 0-3 anos em creche Tese de doutorado, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Estadual de Campinas.

Santos, S. E., Anjos, C. I., & Faria, A. L. G. (2017, abril). A criança das pesquisas, a criança nas pesquisas... A criança faz pesquisa? Práxis Educacional, 13(25), 158-175. Disponível em: http://periodicos2.uesb.br/index.php/praxis/article/view/958

Santos, S. E., & Santiago, F. (2016). (Des)construindo metodologias com crianças pequenininhas: incitações sociológicas Sul-Sul. In F. I. Ferreira et al., III Seminário Luso-Brasileiro de Educação de Infância: “Investigação, formação docente e culturas da infância” (pp. 736-745). White Books. Disponível em: http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/52368

Silva, P. B. G. (1995). Africanidades brasileiras: como valorizar raízes e afro nas propostas pedagógicas. Revista do Professor, 11(44), 29-30.

Silva, P. B. G. (1998, julho). Chegou a hora de darmos à luz a nós mesmas: Situando-nos enquanto mulheres e negras. Cad. CEDES, 19(45), 7-23.

Teixeira, M. C. S., & Porto, M. R. S. (1998, dezembro). Violência, insegurança e imaginário do medo. Cad. CEDES, 19(47), 51-66. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0101-32621998000400005&script=sci_abstract&tlng=pt.

Wacquant, L. (2002). O sabor da ação. In L. Wacquant, Corpo e alma: notas etnográficas de um aprendiz de boxe (R. Angela, Trad., pp. 11-19). Relume Dumará.

Zaluar, A. (1985). O antropólogo e os pobres: introdução metodológica e afetiva. In: A. Zaluar, A máquina e a revolta: as organizações populares e o significado da pobreza (pp. 10-32). Brasiliense.

Publicado

2022-06-15

Como Citar

PEREIRA, A. O. . Amizade e educação infantil . Pro-Posições, Campinas, SP, v. 33, p. e20200075, 2022. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8670498. Acesso em: 2 dez. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)