A presença de obras freireanas nos cursos de pedagogia do Rio Grande do Sul

um olhar exploratório

Autores

Palavras-chave:

Currículo, Obras freireanas, Paulo Freire, Pedagogia

Resumo

O presente estudo busca investigar e discutir a presença das obras freireanas nos currículos dos cursos de Pedagogia, públicos e presenciais, do Rio Grande do Sul. Esta pesquisa, de caráter quantitativo e de cunho exploratório, identificou um total de 28 obras de autoria de Paulo Freire, distribuídas em 92 disciplinas de cursos de Pedagogia presenciais de 7 instituições públicas. As disciplinas observadas são voltadas, especialmente, a discussões da Educação de Jovens e Adultos e da Educação Popular. Dentre elas, constatou-se que as obras mais utilizadas pelos cursos investigados são a Pedagogia da autonomia e a Pedagogia do oprimido, presentes, principalmente, como indicações básicas em disciplinas obrigatórias. Portanto, considera-se que as obras de autoria de Paulo Freire vêm sendo bastante indicadas pelas disciplinas dos cursos de Pedagogia analisados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diuliana Nadalon Pereira, Universidade Federal de Santa Maria

Doutorado em andamento no Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências: Química da Vida e Saúde pela Universidade Federal de Santa Maria.

Cristiane Muenchen, Universidade Federal de Santa Maria

Professora Associada pela Universidade Federal de Santa Maria - UFSM no Centro de Ciências Naturais e Exatas, Santa Maria, RS, Brasil. 

Referências

Angelo, A.A. (2006). Pedagogia de Paulo Freire nos quatro cantos da educação da infância. In Congresso Internacional de Pedagogia Social Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo.

Brandão, C. R. (1985). O que é método Paulo Freire Brasiliense.

Freitas, A.L.S., & Forster, M.M.S. (2016). Paulo Freire na formação de educadores: contribuições para o desenvolvimento de práticas crítico-reflexivas. Educar em Revista, 61, 55-69.

Freitas, M.F.Q. (2007). Educação de Jovens e Adultos, Educação Popular e processos de conscientização: intersecções na vida cotidiana. Revista Educar, 29, 47-62.

Freire, A.M.A. (1996). A trajetória de Paulo Freire. In M. Gadotti (Org.), Paulo Freire, uma bibliografia (pp. 27-64). Cortez.

Freire, M. (2002). A paixão de conhecer o mundo Paz e Terra.

Freire, P. (1967). Educação como prática de liberdade Paz e Terra.

Freire, P. (1980). Conscientização: teoria e prática da libertação: uma introdução ao pensamento de Paulo Freire Cortez & Moraes.

Freire, P. (1989). A importância do ato de ler: em três artigos que se completam Autores Associados; Cortez.

Freire, P. (1992). Pedagogia da esperança: um reencontro com a Pedagogia do oprimido Paz e Terra.

Freire, P. (1996). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa Paz e Terra.

Freire, P. (2001). Política e Educação Cortez.

Freire, P. (2018). Pedagogia do oprimido Paz e Terra.

Freire, P., & Nogueira, A. (1993). Que fazer: teoria e prática da educação popular Vozes.

Gatti, B. (2010). Formação de professores no Brasil: características e problemas. Educ. Soc., 31 (113), 1355-1379.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa Atlas.

Green, E. (2016). What are the most-cited publications in the social sciences (according to Google Scholar)? Impact of social sciences Blog, London School of Economics.

Libâneo, J.C. (2010). O ensino da didática, das metodologias específicas e dos conteúdos específicos do ensino fundamental nos currículos dos cursos de Pedagogia. Revista Brasileira de Pedagogia, 91(229), 562-583.

Lima, P. G. (2014). Uma leitura sobre Paulo Freire em três eixos articulados: o homem, a educação e uma janela para o mundo. Pro-Posições, 25(3), 63-81.

Macedo, E. (2017). As demandas conservadoras do Movimento Escola sem Partido e a Base Nacional Curricular Comum. Educação e Sociedade, 38(139), 507-524.

Macedo, E., & Carvalho, A. (2017). Um diálogo epistemológico com Freire: palavra, práxis e educação. E-mosaico - Revista multidisciplinar de Ensino, Pesquisa, Extensão e Cultura do Instituto de Aplicação Fernando Rodrigues da Silveira, 6(13), 29 - 37.

Martins Filho, L. J. M. (2019). Anos Iniciais do Ensino Fundamental e Paulo Freire: docentes em diálogo. CAMINE: Caminhos da Educação, 11(1), 80-93.

Paiva, V. P. (1987). Educação Popular e Educação de Adultos Loyola.

Pereira, T.I. (2018). A atualidade do pensamento pedagógico de Paulo Freire Cirkula.

Santana, O.A., & Souza, S.C. (2019). Pedagogia do Oprimido como referência: 50 anos de dados geohistóricos (1968-2017) e o perfil de seu leitor. Revista História da Educação, 23, 1-31.

Saul, A., & Silva, C.G. (2011). Contribuições de Paulo Freire para a Educação Infantil: implicações para as políticas públicas. In 5.º Simpósio Brasileiro e 2.º Congresso Ibero-Americano – Associação Nacional de Política e Administração da Educação -ANPAE, São Paulo.

Secretaria Municipal de Educação (1992). Movimento de reorientação curricular do município de São Paulo DOT-2 & NAEs.

Sousa Junior, M. A., & Carneiro, M.I.L. (2019). Reflexões e legado de Paulo Freire no contexto da ditadura militar do Brasil. In P. R. Padilha, & J. Abreu (Org.), Paulo Freire em tempos de Fake News (pp. 358-364). Instituto Paulo Freire.

Souza, A.L.S., Luz, C.F. S., Oliveira, D.B.G., & Chapani, D.T. (2011). A formação do pedagogo na UESB de Jequié-BA e o Ensino de Ciências nas Séries Iniciais. In Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências – ENPEC, Associação Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, Campinas.

Torres, C. A., O' Cadiz, M. P., & Wong, P. L. (2002). Educação e Democracia - a práxis de Paulo Freire em São Paulo. Cortez.

Publicado

2022-06-17

Como Citar

PEREIRA, D. N. .; MUENCHEN, C. . A presença de obras freireanas nos cursos de pedagogia do Rio Grande do Sul: um olhar exploratório. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 33, p. e20200119, 2022. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8670512. Acesso em: 28 nov. 2022.