Dialética do esclarecimento e tecnologia

a mediação das redes sociais na produção da violência

Autores

Palavras-chave:

Teoria crítica da sociedade, Formação, Racionalidade, Tecnologias digitais, Produção de relações de violência

Resumo

Partindo dos dados elaborados por pesquisadores da Universidade de Warwick (UK), que indicam haver uma relação positiva entre o uso do Facebook e o aumento dos casos de ataques contra refugiados na Alemanha, o artigo tem como objetivo estabelecer um referencial para a compreensão da lógica de funcionamento das redes sociais e o seu papel de mediação na produção e intensificação das relações de violência. Para tal, o trabalho retoma elementos da obra de Theodor Adorno, Max Horkheimer e Herbert Marcuse em uma investigação que se orienta pela hipótese da existência da ação de um esquecimento em curso no modo como se organizam as mediações sociais. No lugar da defesa do que seria uma humanidade justa, são eleitos como fim princípios que se atualizam para manter a barbárie como ordem atuante

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Bergo, Universidade Federal de São Carlos

Doutoranda em Educação pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR).

Luiz Roberto Gomes, Universidade Federal de São Carlos

Professor Associado do Departamento de Educação e Programa de Pós-graduação em Educação pela Universidade Federal de São Carlos.

Referências

Adorno, T. W. (2009). Dialética negativa Zahar.

Adorno, T. W. (2015). Ensaios sobre psicologia social e psicanálise Editora Unesp.

Adorno, T. W. (1993). Minima moralia: Reflexões a partir da vida danificada Ática.

Adorno, T. W. (1995a). O que significa elaborar o passado. In T. W. Adorno. Educação e emancipação (pp. 29-49). Paz e Terra.

Adorno, T. W. (1995b). Palavras e Sinais: Modelos críticos Vozes.

Adorno, T. W. (2010). Teoria da semiformação. In Bruno Pucci, Antonio A. S. Zuin, & Luiz A. Calmon Nabuco Lastória, Teoria Crítica e inconformismo: Novas perspectivas de pesquisa (pp. 7-40). Autores Associados.

Adorno, T. W., & Horkheimer, M. (2006). Dialética do esclarecimento Zahar.

Antunes, D., & Maia, A. (2018). Big data, exploração ubíqua e propaganda dirigida: novas facetas da indústria cultural. Psicologia USP, 29(2), 189-199. http://dx.doi.org/10.1590/0103-656420170156

Benjamin, W. (2012). Magia e técnica, arte e política: Ensaios sobre literatura e história da cultura Brasiliense.

Boyd, D. M., & Ellison, N. B. (2018). Social Network Sites: definition, history and scholarship. Journal of computer-mediated communication, 13, 210-230. Disponível em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/epdf/10.1111/j.1083-6101.2007.00393.x

Kosinski, M., Stillwel, D., & Graepel, T. (2013). Private traits and attributes are predictable from digital records of human behavior. PNAS, 110(15), 5802-5805. Disponível em: http://www.pnas.org/cgi/doi/10.1073/pnas.1218772110

Lambiotte, R., & Kosinski, M. (2014). Tracking the digital footprints of personality. Proceedings of the IEEE, 102(12), 1934-1939. https://doi.org/10.1109/JPROC.014.2359054

Lash, S., & Lury, C. (2007) Global culture industry: The mediation of things Polity.

Lévy, P. (1996). O Que é Virtual? Editora 34.

Marcuse, H. (1979). A ideologia da sociedade industrial Zahar.

Marcuse, H. (1998). Industrialização e capitalismo na obra de Max Weber. In H. Marcuse, Cultura e sociedade (pp. 113-136). Paz e Terra.

Marcuse, H. (1999). Tecnologia, guerra e fascismo Editora Unesp.

Morozov, E. (2018). Big Tech: a ascensão dos dados e a morte da política Ubu, 2018.

Morozov, E. (2019). Capitalism’s New Clothes. The Bafler. Disponível em: https://thebaffler.com/latest/capitalisms-new-clothes-morozov

Müller, K., & Schwarz, C. (2018). Fanning the flames of hate: Social media and hate crime SSRN Electronic Journal http://dx.doi.org/10.2139/ssrn.3082972

Recuero, R. C. (2005). Comunidades virtuais em redes sociais na internet: uma proposta de estudo. E-Compós, 4. https://doi.org/10.30962/ec.57

Sancho, G. R. (2018). Multidões conectadas e movimentos sociais: dos zapatistas e do hacktivismo à tomada das ruas e das redes. In: F. Bruno, B. Cardoso, M. Kanashiro, L. Guilhon, & L. Melgaço, Tecnopolíticas da vigilância: Perspectivas da margem (pp. 355- 375). Boitempo.

Türcke, C. (2010). Sociedade excitada: Filosofia da sensação Editora Unicamp.

Publicado

2022-06-17

Como Citar

BERGO, M. .; GOMES, L. R. . Dialética do esclarecimento e tecnologia: a mediação das redes sociais na produção da violência. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 33, p. e20200067, 2022. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8670513. Acesso em: 28 nov. 2022.