O racismo na infância e a infância do racismo

vida e rastros de uma criança negra

Autores

Palavras-chave:

Criança negra, Escravidão, Antologia de vidas

Resumo

Este artigo, com base em uma metodologia arqueogenealógica, teve como objetivo resgatar e cartografar fragmentos de vida de uma criança negra em um documento judicial alocado no Museu Histórico Simonense no ano de 1861 e, sequencialmente, entender esse documento, seus discursos e posições, decifrando como funcionava a maquinaria jurídica em seu mais expressivo conceito de poder-saber e quais olhares e tratativas o poderio local lançava para administrar vidas e corpos. O trabalho procurou entender também como, naquele contexto oitocentista, “cor” e “raça” influenciavam os deslindes processuais. Concluiu-se, com o trabalho, que em meados do século XIX nascia uma nova ideia de criança. Esse modelo de criança, idealizado naquele momento pela medicina higienista, serviria somente à criança branca, católica, de posses. Ele não ampararia a criança negra. Não se tratava somente de um tipo de racismo já existente, mas, sim, de um tipo novo de racismo que nascia junto com a própria ideia de criança. Era a infância desse tipo de racismo no Brasil. E esse racismo teria consequências nos processos judiciais em que figuravam crianças negras. Ele geraria uma justiça seletiva, com decisões judiciais afetadas pela questão racial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Emerson Benedito Ferreira, Universidade Estadual do Piauí

Doutorando em Educação pela Universidade Federal de São Carlos. Professor Assistente na Universidade Estadual do Piauí - UESPI.

Anete Abramowicz, Universidade de São Paulo

Professora Titular do Departamento de Metodologia da Educação e Educação Comparada na Faculdade de Educação pela Universidade de São Paulo - USP, São Paulo, SP, Brasil.

Referências

Abramowicz, A., Silveira, D. B., Jovino, I. S., & Simião, L. F. (2011, janeiro, junho). Imagens de crianças e infâncias: a criança na iconografia brasileira dos séculos XIX e XX. Perspectiva, 29 (1), 263-293.

Almanak Administrativo, Mercantil e Industrial da Província de S. Paulo para o ano de 1858 (1857). Typ. Imparcial de J. R. de Azevedo Marques, p. 324. Disponível em: https://digital.bbm.usp.br/handle/bbm/2080

Bluteau, R., & Silva, A. M. (1789a). Diccionario da Lingua Portugueza: (Tomo I) Oficina de Simão Thaddeo Ferreira.

Bluteau, R., & Silva, A. M. (1789b). Diccionario da Lingua Portugueza: (Tomo II) Oficina de Simão Thaddeo Ferreira.

Câmara, S. (2010). Sob a guarda da República: a infância menorizada no Rio de Janeiro da década de 1920 Quartet.

Carneiro, M. L. T. (1995). O racismo na História do Brasil Ática.

Carvalho, J. P. (1879). Primeiras linhas do processo orfanológico (Parte I). B. L. Garnier Livreiros.

Chalhoub, S. (2011). Visões da liberdade: uma história das últimas décadas da escravidão na Corte Companhia das Letras.

Constancio, F. S. (1836). Novo Diccionario Critico e Etymologico da Lingua Portugueza Officina Typographica de Casimir.

Costa, E. V. (1982). A abolição Global.

Costa, J. F. (1979). Ordem médica e norma familiar Graal.

Decreto n. 1.331-A, de 17 de fevereiro de 1854 (1854, 17 de fevereiro). Aprova o Regulamento para a reforma do ensino primário e secundário do Município da Corte. Brasil: Diário Oficial. Disponível em: http://legis.senado.leg.br/norma/392201/publicacao/15632575

Durocher, M. J. M. (1871). Ideias por condenar a respeito da emancipação. Typographia do Diário do Rio de Janeiro.

Fausto, B. (1984). Crime e cotidiano. A criminalidade em São Paulo (1880-1924) Brasiliense.

Ferreira, E. B. (2019). Crianças negras e cotidiano jurídico na Ribeirão Preto do final dos Oitocentos. Tese (Doutorado em Educação). - Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

Fonseca, M. V. (2002). Educação e escravidão: um desafio para a análise historiográfica. Revista Brasileira de História da Educação, 2(2), 124-144.

Fonseca, M. V. (2011). A educação da criança escrava nos quadros da escravidão do escritor Joaquim Manoel de Macedo. Educ. Real, 36(1), 231-251.

Foucault, M. (1997). Resumo dos cursos do Collège de France (1970-1982) (Andréa Daher, Trad.). Zahar.

Freyre, G. (1936). Sobrados e mocambos: decadência do patriarcado rural e desenvolvimento do urbano Companhia Editora Nacional.

Gama, L. (1880, dezembro 28). Questão Jurídica e Carta ao Dr. Ferreira de Menezes. A Província de São Paulo, VI(1.744), 5.

Garavazo, J. (2006). Riqueza e escravidão no nordeste paulista: Batatais, 1851-1887 (Dissertação de Mestrado em História Econômica). Universidade de São Paulo.

Gianotti, V. (2004). Muralhas da linguagem Mauad.

Lobo, L. F. (2008). Os infames da história: pobres, escravos e deficientes no Brasil Lamparina.

Martins, R. V. (1990). Recenseamento de São Simão: ano de 1835 Editora do Autor.

Mattos, J. A. J. (2004). Família Junqueira: sua história e genealogia (Cinco volumes). Família Junqueira.

Monti, C. (2014). Práticas econômicas à luz de uma cadeia dominial e a posse de escravos em São Simão-SP (1861-1887) Anais eletrônicos do XXII Encontro Estadual de História da ANPUH-SP, Santos. Disponível em: http://www.encontro2014.sp.anpuh.org/resources/anais/29/1406770892_ARQUIVO_PraticaseconomicasaluzdeumacadeiadominialeapossedeescravosemSaoSimao-Texto2014.pdf

Moraes, E. (1916). Extinção do Trafico Typ. Martins de Araújo.

Mott, M. L. B. (1989). Ser mãe: a escrava em face do aborto e do infanticídio. História, 120, 85-96.

Moura, C. (2013). Dicionário da escravidão negra no Brasil Editora da Universidade de São Paulo.

Muller, T. M. P. (2005). Os conceitos de criança e de anormal e as práticas decorrentes de atendimento institucional no Brasil: Uma análise genealógica. Childhood & Philosophy, 1(2), 421-444.

Perdigão Malheiro, A. M. (1866). A escravidão no Brasil: ensaio jurídico-social (Parte I). Typographia Nacional.

Pereira, A. R. (1994). Criança X Menor: a origem de dois mitos da Política Social Brasileira. In D. Rollemberg (Org.), Que história é essa? (pp. 91-110). Relume Dumará.

Priore, M. D. (2016). O cotidiano da criança livre no Brasil entre a Colônia e o Império. In M. D. Priore, História das crianças no Brasil (pp. 84-106). Contexto.

Vieira, F. D. (1873). Grande Diccionario Portuguez ou Thesouro da Lingua Portuguesa. (Segundo Volume) Casa dos Editores Ernesto Chardron e Bartholomeu H. De Moares.

Vieira, F. D. (1874). Grande Diccionario Portuguez ou Thesouro da Lingua Portuguesa. (Quinto Volume). Casa dos Editores Ernesto Chardron e Bartholomeu H. De Moares.

Wiliams, E. (2012). Capitalismo e escravidão (Denise Bottmann, Trad.). Companhia das Letras.

Zamboni, E. (2015). Estudo da rede fundiária da área de Ribeirão Preto – Fazenda do Lageado: um estudo de caso no período de 1874 a 1900. In R. L. Marcondes, T. C. Registro, & A. M. C. Guazzelli (Orgs.), A cidade como fonte de pesquisa Prefeitura do Campus USP.

Publicado

2022-07-06

Como Citar

FERREIRA, E. B.; ABRAMOWICZ, A. . O racismo na infância e a infância do racismo: vida e rastros de uma criança negra . Pro-Posições, Campinas, SP, v. 33, p. e20200084, 2022. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8670523. Acesso em: 2 dez. 2022.