Os jesuítas e os descaminhos de uma missão

Autores

Palavras-chave:

Ação dos jesuítas, Fatores religiosos, Brasil colônia

Resumo

O artigo investiga a ocorrência de uma crise ligada à ação dos jesuítas da Província do Brasil, no final do século XVI e início do XVII. Tal crise se deu entre os membros da Companhia e é exposta, neste manuscrito, nas críticas dirigidas aos superiores e nas denúncias de comportamentos desviantes, feitas pelos próprios padres que atuavam na missão do Brasil. Os descaminhos da missão se aprofundaram na medida em que alguns membros da Companhia feriram os votos religiosos e praticavam violências, sobretudo no trato com os índios nas aldeias. Para verificar esses descaminhos, fez-se uso de uma documentação muito pouco explorada e, em grande parte, inédita para o público brasileiro, pesquisada no Archivum Romanum Societatis Iesu (ARSI), em Roma.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Roberto de Faria, Universidade Federal de Alfenas

Doutorado em Educação: História, Política, Sociedade pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Professor do  Departamento de Ciências Humanas pela Universidade Federal de Alfenas – UNIFAL.

Referências

Anchieta, J. (1933). Cartas, informações, fragmentos históricos e sermões (1554-1594). Biblioteca de Cultura Nacional. Col. Afrânio Peixoto da Academia Brasileira de Letras.

ARSI: Archivum Romanum Societatis Iesu, Brasilia Epistolae, Roma.

ARSI: Archivum Romanum Societatis Iesu, Lusitania Epistolae, Roma.

Baeta Neves, L. F. (1978). O combate dos soldados de Cristo na terra dos papagaios: colonialismo e repressão cultural. Forense-Universitária.

Benjamin, W. (1987). Sobre o conceito de história. In Magia e técnica, arte e política – Obras Escolhidas (vol. 1, pp. 222-232). Brasiliense.

Castelnau-L’Estoile, C. (2006). Operários de uma vinha estéril: os jesuítas e a conversão dos índios no Brasil – 1580-1620 Edusc.

Curto, D. R. (2009). Cultura imperial e projetos coloniais (séculos XV a XVIII) Editora da Unicamp.

Eisenberg, J. (2000). As missões jesuíticas e o pensamento político moderno: encontros culturais, aventuras teóricas Ed. UFMG.

Ginzburg, C. (2002). Relações de força: história, retórica, prova Companhia das Letras.

Hansen, J. A. (2002). Educando príncipes no espelho. In M. C. Freitas, & M. Kuhlmann Jr. (Orgs.), Os intelectuais na história da infância (pp. 61-97). Cortez.

Hansen, J. A. (2005). A escrita da conversão. In L. H. Costigan (Org.), Diálogos da conversão: missionários, índios, negros e judeus no contexto ibero-americano do período barroco (pp. 15-43). Editora da Unicamp.

Leite, S. da S. (1938-1949). História da Companhia de Jesus no Brasil (10 v.). Instituto Nacional do Livro.

Londoño, F. T. (2002). Escrevendo cartas. Jesuítas, escrita e missão no século XVI. Revista Brasileira de História, 22(43), 11-32.

O’Malley, J. W. (2004). Os primeiros jesuítas Edusc.

Pécora, A. (1999). Cartas à Segunda Escolástica. In A. Novaes. A outra margem do ocidente (pp. 373-414). Companhia das Letras.

Pécora, A. (2018). Máquina de Gêneros (2. ed.). Editora da Universidade de São Paulo; Editora da Unicamp.

Perrone-Moisés, B. (1992). Índios livres e índios escravos: os princípios da legislação indigenista do período colonial (séculos XVI a XVIII). In M. C. Cunha (Org.), História dos índios no Brasil Companhia das Letras.

Pompa, C. (2003). Religião como tradução: missionários, tupi e tapuia no Brasil colonial Edusc.

Raminelli, R. (1996). Imagens da colonização: a representação do índio de Caminha a Vieira. Jorge Zahar.

Thomas, G. (1982). Política indigenista dos portugueses no Brasil (1500-1640) Loyola.

Viveiros de Castro, E. (1992). O mármore e a murta: sobre a inconstância da alma selvagem. Revista de Antropologia, 35, 21-74.

Publicado

2022-07-06

Como Citar

FARIA, M. R. de . Os jesuítas e os descaminhos de uma missão. Pro-Posições, Campinas, SP, v. 33, p. e20200124, 2022. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/proposic/article/view/8670524. Acesso em: 2 dez. 2022.