Considerações conceituais e metodológicas sobre projetos de educação patrimonial

Autores

  • Fábio Vergara Cerqueira Universidade Federal de Pelotas
  • Jezuína Kohls Schwanz Universidade Federal de Pelotas
  • Luísa Lacerda Maciel Universidade Federal de Pelotas
  • Mariciana Zorzi Universidade Federal de Pelotas

DOI:

https://doi.org/10.20396/rap.v4i1.8635778

Palavras-chave:

Museus de arqueologia. Estágio em história. Comunidades

Resumo

O presente artigo tem como proposta apresentar algumas considerações teóricas e metodológicas sobre educação patrimonial. Coloca como objetivos maiores sensibilizar para a preservação e fomentar a autoestima. Toma como premissa a escuta da comunidade e como metas o reconhecimento das comunidades no patrimônio e o estímulo à tolerância. Entre as potencialidades, destacamos a capacitação dos agentes sociais para a preservação, a participação das comunidades e o despertar de vocações profissionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio Vergara Cerqueira, Universidade Federal de Pelotas

Historiador, Doutor em Antropologia Social. Departamento de História da Universidade Federal de Pelotas.

Jezuína Kohls Schwanz, Universidade Federal de Pelotas

Pedagoga e Especialista em Memória, Identidade e Cultura Material. Mestre em Memória e Patrimônio, Universidade Federal de Pelotas. Professora Pesquisadora da Universidade Aberta do Brasil/Universidade Federal de Pelotas.

Luísa Lacerda Maciel, Universidade Federal de Pelotas

Licenciada em História e Especialista em Educação. Mestranda em Memória e Patrimônio, Universidade Federal de Pelotas. Tutora da Universidade Aberta do Brasil/Universidade Federal de Pelotas

Mariciana Zorzi, Universidade Federal de Pelotas

Turismóloga, Mestranda em Memória e Patrimônio, Universidade Federal de Pelotas

Downloads

Publicado

2015-06-10

Como Citar

CERQUEIRA, F. V.; SCHWANZ, J. K.; MACIEL, L. L.; ZORZI, M. Considerações conceituais e metodológicas sobre projetos de educação patrimonial. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 4, n. 1[4], p. 20–31, 2015. DOI: 10.20396/rap.v4i1.8635778. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8635778. Acesso em: 26 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos