Registro arqueológico como instrumento de memória social

Autores

  • Rossano Lopes Bastos Universidade de Coimbra

DOI:

https://doi.org/10.20396/rap.v4i1.8635793

Palavras-chave:

Patrimônio. Arqueologia. Memória

Resumo

O presente artigo procura jogar luzes sobre a temática do patrimônio cultural, em especial, almeja refletir sobre o registro arqueológico como instrumento de memória social. Procura abordar suas novas formas e entendimentos atualizados para os tempos pós-modernos. Assim, o texto parte dos conceitos originários de patrimônio e segue procurando cotejar com sua base legal contida nas legislações ordinárias e infraconstitucionais por um caminho que possibilite uma interpretação mais arrojada e comprometida com os grupos vulneráveis. Por outro lado, explicita a formação de um conjunto de registros arqueológicos históricos até bem pouco tempo desdenhado pela arqueologia brasileira. A matriz transversal utilizada como abordagem traz elementos essenciais ao debate para a arqueologia pública no Brasil, no momento em que a arqueologia preventiva alcança significativa ampliação em todo território nacional. Por fim apregoa com base na Constituição Federal de 1988, que os direitos culturais são direitos humanos fundamentais, uma vez que o patrimônio cultural base essencial destes direitos ungido por todas as formas de expressão, manifestação e saber constitui na sua matriz a força motriz do pertencimento que estabelece nossas identidades e caracteriza os bens culturais com bens de uso público, de todo o povo brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rossano Lopes Bastos, Universidade de Coimbra

Arqueólogo do IPHAN, Livre docente em arqueologia brasileira, professor convidado do MAE/USP, catedrático da Universidade de Coimbra/PT, Instituto Politécnico de TOMAR/PT e Universidade Trás-os-Montes/PT.

Downloads

Publicado

2015-06-10

Como Citar

BASTOS, R. L. Registro arqueológico como instrumento de memória social. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 4, n. 1[4], p. 52–60, 2015. DOI: 10.20396/rap.v4i1.8635793. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8635793. Acesso em: 16 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos