Um sítio, múltiplas interpretações: o caso do chamado “Stonehenge do Amapá”

  • Mariana Petry Cabral Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá
  • João Darcy de Moura Saldanha Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá
Palavras-chave: Arqueologias híbridas. Interpretação. Vantagem epistemológica. Arqueologia amazônica. Patrimônio arqueológico

Resumo

As pesquisas em um sítio de megalitos no Amapá nos colocaram de frente com a construção de vários discursos sobre os vestígios arqueológicos. A partir da perspectiva interpretativa que perpassa o projeto, a profusão de interpretações surgidas com a visibilidade que o sítio ganhou foi entendida como parte importante no processo de construção do próprio discurso científico. Este artigo discute como a abertura a múltiplas interpretações, oriundas de múltiplos autores/atores, contribui para a construção de discursos menos autoritários, logo também para a prática de arqueologias híbridas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Petry Cabral, Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá
Graduação em Comunicação Social - Jornalismo pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1998), graduação em História - Bacharelado pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2002), mestrado em História (com temática na Arqueologia) pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2005) e Doutorado em Antropologia - Área de Concentração em Arqueologia pela Universidade Federal do Pará (2014). Atualmente tem função gratificada do Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá, como Gerente do Núcleo de Pesquisa Arqueológica, foi Coordenadora do Curso de Especialização em Patrimônio Arqueológico da Amazônia (2010-2012), na Universidade do Estado do Amapá (UEAP). Tem experiência na área de Arqueologia, atuando principalmente nos seguintes temas: arqueologia na foz do Amazonas e discussões sobre teoria e metodologia em arqueologia.
João Darcy de Moura Saldanha, Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá
Graduação em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2002) e mestrado em História pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2005). Atualmente é pesquisador do Núcleo de Pesquisas Arqueológicas do Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá e doutorando no Programa de Pós Graduação em Arqueologia do MAE-USP. Tem experiência na área de Arqueologia, atuando principalmente nos seguintes temas: Teoria e Método em arqueologia, Pré-história da Amazônia e Cerâmica Arqueológica.

Referências

GOELDI, E. 1905. Excavações Archeologicas em 1895. 1ª parte: As Cavernas funerarias atificiaesdos indios hoje extinctos no rio Cunany (Goanany) e sua ceramica. Memórias doMuseu Goeldi.

GÓES DA SILVA, A.W. 2006. Identidade Fortalecida. In: SEBRAE/AP. O legado das civilizações Maracá e Cunani: o Amapá revelando sua identidade. Macapá: SEBRAE/AP.

HODDER, I. 1992 Theory and practice in archaeology. London/ New York: Routledge. IBGE. 2000 Censo Demográfico.

RABELO, B.V. 2005 Relatório Cunani. Macapá: IEPA. 9p.

SANDLIN, J.A. & G.J. BEY III. 2006 Trowels, trenches and transformation: A case study of archaeologists learning a more critical practice of archaeology. Journal of Social Archaeology. (9) 2. p.255-276.

SHANKS, M. & C. TILLEY. 1987 Social theory and archaeology. Cambridge: Polity Press.

SHANKS, M. & C. TILLEY. 1992 Re-Constructing Archaeology - Theory and Practice. London/ New York: Routledge.

THOMAS, J. 1996 Time, Culture and Identity - An interpretive archaeology. London/ New York: Routledge.

TILLEY, C. 1989 Archaeology as socio-political action in the present. In: Wylie, A. & V. Pinsky. Critical traditions in contemporary archaeology: Essays in the Philosophy, History and Socio-Politics of Archaeology. Albuquerque: University of New Mexico Press.

TILLEY, C. 1990. Michel Foucault: Towards an Archaeology of Archaeology. In: Tilley, C. Reading Material Culture: Structuralism, Hermeneutics and Post-Structuralism. Oxford: Basil Blackwell.

VIVEIROS DE CASTRO, E. 2002 O nativo relativo. Mana. (8) 1.

WYLIE, A. 1989 Introduction: socio-political context. In: WYLIE, A. & PINSKY, V.(ed) Critical traditions in contemporary archaeology: Essays in the Philosophy, History and Socio-Politics of Archaeology. Albuquerque: University of New Mexico Press.

Publicado
2015-06-12
Como Citar
Cabral, M. P., & Saldanha, J. D. de M. (2015). Um sítio, múltiplas interpretações: o caso do chamado “Stonehenge do Amapá”. Revista Arqueologia Pública, 3(1[3]), 7-13. https://doi.org/10.20396/rap.v3i1.8635797
Seção
Artigos