Educação Patrimonial para Arqueólogos: Repensando Práticas e Criando Novos Caminhos

Autores

  • Cristiane Eugênia Amarante Universidade Federal de Sergipe

DOI:

https://doi.org/10.20396/rap.v10i3.8640957

Palavras-chave:

Educação patrimonial. Arqueologia pública. Museus de arqueologia. Arqueologia de contrato. Formação de arqueólogos

Resumo

Este artigo é sobre um curso de educação patrimonial oferecido para o público em geral que visava apresentar um histórico da educação patrimonial voltada para a arqueologia no Brasil discutindo suas práticas e contextos. Os inscritos foram todos arqueólogos graduados ou pós-graduados. O público possibilitou a análise de questões sobre a interface entre educação e arqueologia. As discussões geraram novas reflexões sobre a gestão do patrimônio arqueológico no Brasil e a necessidade de conhecimentos de educação por parte dos arqueólogos. Dentro da perspectiva da arqueologia pública, a educação patrimonial é parte intrínseca ao processo de pesquisa. A educação nesse sentido tem a função de oferecer ferramentas às pessoas para que elas avaliem as evidências arqueológicas e tirem suas próprias conclusões. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiane Eugênia Amarante, Universidade Federal de Sergipe

Doutoranda em Arqueologia pela Universidade Federal de Sergipe (UFS). Mestra em Arqueologia pelo Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo MAE-USP (2014) . Pós-graduada em Arqueologia Subaquática pelo Instituto Politécnico de Tomar e Universidade Autônoma de Lisboa (2012), Ciências Humanas pelo Centro de Extensão Universitária (2007) e em Jogos Cooperativos pela UNIMONTE (2003). Possui graduação em Pedagogia (2005) e em História (2001). Atualmente é Gestora de Projetos Educacionais na Zanettini Arqueologia. Cursos de mergulho: Básico (2006), Avançado (2007), Rescue (2012) e Primeiros Socorros (2012). Tem experiência nas áreas de História, Arqueologia e Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: Arqueologia Subaquática, Arqueologia Marítima, Musealização da Arqueologia e Educação Patrimonial.

Referências

ALFONSO, Louise Prado. Arqueologia e turismo: sustentabilidade e inclusão social. Tese de Doutorado em Arqueologia. Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

ALFONSO, Louise Prado e HATTORI, Márcia Lika. Diálogos e vínculos entre diferentes atores: por uma arqueologia mais colaborativa. In: Semana internacional de arqueologia ‘andré penin’ dos alunos de pós graduação do museu de arqueologia e etnologia – USP, 3, 2013, São Paulo. Caderno de Resumos: comunicações. São Paulo: MAE USP, 2013, p. 40.

ALMEIDA, Márcia Bezerra de. O australopiteco corcunda: as crianças e a Arqueologia em um projeto de Arqueologia Pública na escola. Tese de Doutorado em Arqueologia. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2002.

AMARANTE, Cristiane Eugênia. Refletindo sobre musealização: um encontro entre público e arqueologia marítima em Santos. Dissertação de Mestrado em Arqueologia. Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é método Paulo Freire. São Paulo: Brasiliense, 2005.

BRUNO, Maria Cristina Oliveira. O Museu de Pré-História: um museu a serviço da pesquisa científica. Dissertação de Mestrado em História Social. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1984.

BRUNO, Cristina Oliveira. Arqueologia e antropofagia: a musealização dos sítios arqueológicos. In: Revista do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Rio de Janeiro, v. 31, 2005, p. 234-247.

CARNEIRO, Carla Gibertoni. Ações educacionais no contexto da arqueologia preventiva: uma proposta para a Amazônia. In: Tese de Doutorado em Arqueologia – Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

CORDEIRO, Silvio L. A paisagem histórica do Engenho São Jorge dos Erasmos: o vídeo como instrumento educativo na arqueologia do monumento quinhentista. In: Dissertação de Mestrado em Arqueologia. Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

CUNHA, Marcus Vinicius da. Dewey e Piaget no Brasil dos anos trinta. Caderno de Pesquisa, São Paulo, n. 97, p. 5 – 12, mai. 1996.

CURY, Marília Xavier. Comunicação museológica: uma perspectiva teórica e metodológica de recepção. In: Tese de Doutorado da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

CURY, Marília Xavier. Para saber o que o público pensa sobre arqueologia. In: Revista Arqueologia Pública, São Paulo, n°1, 2006, p. 31-48.

DEWEY, Jonh. A criança e os programas de ensino. Educação, São Paulo, n. 4/5, p. 115 – 131, abr./mai. 1932.

VIDA E EDUCAÇÃO. 7ª ed. São Paulo: Melhoramentos, 1971.

DUARTE, Ana. Educação Patrimonial: guia para professores, educadores e monitores de museu e tempos livres. 2. ed. Lisboa: Texto Editora, 1994.

FERNANDES, Tatiana Costa. Vamos criar um sentimento? Um olhar sobre Arqueologia Pública no Brasil. Dissertação (Mestrado). Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido, 17ª. ed. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1987.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários a prática educativa. São Paulo, Brasil: Paz e Terra (Coleção Leitura), 1997.

FUNARI, P. P. Arqueologia Brasileira: visão geral e reavaliação. P.24-41, 1994.

FUNARI, Pedro Paulo e PELEGRINI, Sandra C. A. Patrimônio Histórico e Cultural. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006.

HERNANDEZ, Fernando; VENTURA, Montserrat. A organização do currículo por projetos de trabalho. Porto Alegre. Artes Médicas, 1998a.

HERNANDEZ, Fernando. Transgressão e mudança na educação. Porto Alegre. ARTMED, 1998b.

HORTA, Maria de Lourdes Parreiras, GRUNBERG, Evelina e MONTEIRO, Adriane Queiroz. Guia básico de educação patrimonial. Brasília: Museu Imperial/IPHAN/MinC, 1999.

LIMA, Leilane Patrícia de. Entre os caminhos da Arqueologia Pública e da Educação: um estudo de caso a partir de uma proposta educativa para as séries iniciais do ensino fundamental em Londrina / PR. Tese de Doutorado em Arqueologia. Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

MERRIMAN. Nick. Public Archaeology. Published by: Taylor & Francis, 2004.

MORAES WICHERS, Camila Azevedo de. Patrimônio Arqueológico Paulista: proposições e provocações museológicas. Tese de Doutorado em Arqueologia. Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

PIAGET, Jean. A construção do real na criança. 2a. ed. Rio de Janeiro, Zahar, 1974.

PIAGET, Jean. A linguagem e o pensamento da criança. 3á ed. Rio de Janeiro, Fundo de Cultura, 1973.

PIAGET, Jean. A formação do símbolo na criança: imitação, jogo e sonho, imagem e representação. Rio de Janeiro, Zahar, 1971.

PIAGET, Jean. O raciocínio na criança. 3ª ed. Rio de Janeiro, Record, 1967.

PIAGET, Jean. O nascimento da inteligência na criança. Rio de Janeiro, Zahar, 1966.

SILVA, Maurício André da. Memórias e histórias no sudoeste amazônico: o Museu Regional de Arqueologia de Rondônia. Dissertação de Mestrado em Arqueologia. Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

TAMANINI. Elizabete. Museu Arqueológico de Sambaqui de Joinville: um olhar necessário. Dissertação de Mestrado em Educação. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1994.

TAUHYL, Ana Paula Moreli. Alfabetização do olhar: aprender pelos objetos e suas representações. Dissertação de Mestrado em Arqueologia. Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

TROYLER, Veerle De (org). Heritage in the classroom: a practical manual for teachers (the complete book). Het Gemeenschapsonderwijs: Internationalisation Departmentent, 2005. Disponível em: http://www.hereduc.net/hereduc/i18nfolder.2005-04-15.8911096798/. Acesso em: 04 dez. 2010.

VYGOTSKY, Lev S. Pensamento e Linguagem. Rio de Janeiro: Martins Fontes, 1998.

VYGOTSKY, Lev S. A formação social da mente. Rio de Janeiro: Martins Fontes, 1996.

Downloads

Publicado

2016-11-13

Como Citar

AMARANTE, C. E. Educação Patrimonial para Arqueólogos: Repensando Práticas e Criando Novos Caminhos. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 10, n. 3[17], p. 22–36, 2016. DOI: 10.20396/rap.v10i3.8640957. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8640957. Acesso em: 27 jan. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)