Educação Patrimonial no Campo da Arqueologia: desafios e contribuições

  • Carlúcio Baima Universidade Estadual do Maranhão
  • Fernanda Biondo Universidade Estadual de Campinas
  • Mariana Kimie Nito Universidade Federal de Pernambuco
Palavras-chave: Arqueologia. Educação patrimonial

Resumo

Este artigo abrangerá questões referentes a preservação do patrimônio cultural tendo como foco o papel da Educação Patrimonial nos trabalhos arqueológicos tratados durante o Mini Curso ministrados pelos autores na Segunda Semana de Arqueologia da UNICAMP. Apesar das exigências de Educação Patrimonial em licenciamentos ambientais, com pesquisas cada vez mais crescentes, não há diretrizes ou especificações que orientem estas ações, que podem ser elaboradas de formas variadas. Na atual conjuntura, vemos que a Educação Patrimonial não deve se limitar a atividades pontuais ou promocionais aos empreendimentos, mas, sobretudo, fomentar a construção coletiva do conhecimento e a autonomia dos sujeitos. Assim, neste artigo iremos elaborar uma análise sobre os desafios da Educação Patrimonial nas ações de licenciamento arqueológico, contribuindo para novas práticas educativas encaradas como ações político-sociais. E como tais assuntos foram tratados durante o Mini Curso. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlúcio Baima, Universidade Estadual do Maranhão

Licenciado em História pela Universidade Estadual do Maranhão - UEMA (2013). Atualmente é bolsista do Mestrado Profissional em Preservação do Patrimônio Cultural do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN, lotado no Centro Nacional de Arqueologia (CNA), tendo como objeto de pesquisa a Educação Patrimonial desenvolvida nos projetos de Arqueologia. Tem experiência profissional como monitor e bolsista pela Fundação de Amparo à Pesquisa no Maranhão (FAPEMA), no Centro de Pesquisa de História Natural e Arqueologia do Maranhão e lecionou a disciplina de História na rede particular de ensino.

Fernanda Biondo, Universidade Estadual de Campinas

Bacharel e licenciada em História pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP (2011). Atualmente é bolsista do Mestrado Profissional em Preservação do Patrimônio Cultural do IPHAN, lotada na Superintendência de Pernambuco, cujo tema de pesquisa e atividades práticas na Superintendência é a Educação Patrimonial, onde já desenvolveu diversas ações. Possui experiência profissional como Coordenadora do Departamento de Pesquisas da Associação Pró Memória de Sumaré, onde organizou o I e II Fórum de Patrimônio e Memória de Sumaré (2013, 2014) e a 1a e 2a edições da Revista Pró-Memória (2014 e 2015; ISSN 2359-1013). Membro conselheira do CONDEPHAEA (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Etnológico e Ambiental de Sumaré). Docência para o Ensino Fundamental.

Mariana Kimie Nito, Universidade Federal de Pernambuco

Arquiteta e Urbanista graduada pela Escola da Cidade- AEC-SP (2012). Especialista em Gestão de Restauro e Prática de Obras de Conservação e Restauro do Patrimônio Cultural pelo Centro de Estudos Avançados da Conservação Integrada - CECI, do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Pernambuco - UFPE (2014). Atualmente é bolsista do Mestrado Profissional em Preservação do Patrimônio Cultural (PEP/MP) do IPHAN, lotada na Superintendência de São Paulo, onde desenvolve pesquisa sobre área de entorno dos bens tombados com ênfase na análise da cidade como artefato cultural. Tem experiência na área de planejamento urbano e preservação. Organizou o Seminário Regional de Ensino da Federação Nacional dos Estudantes de Arquitetura e Urbanismo em 2010 que teve como diretriz a educação como ferramenta de transformação social. E participa da Rede Paulista de Educação Patrimonial- REPEP.

Referências

BEZERRA, M. Arqueólogos e Comunidades Locais no Projeto de Educação Patrimonial. In: Najjar, R. (Org.). Arqueologia no Pelourinho. Brasília: IPHAN: Programa Monumenta, 2010, p. 167-184.

Coletânea de Leis sobre preservação do Patrimônio. – Rio de Janeiro: IPHAN, 2006.

FARIA, Ana Beatriz Goulart de. Cadernos Pedagógicos: territórios educativos para a educação integral – a reinvenção pedagógica dos espaços e tempos da escola e da cidade. Ministério da Educação (MEC): agosto, 2010.

FLORÊNCIO, Sônia R. R. Educação Patrimonial: um processo de mediação. In: TOLENTINO, Átila Bezerra (org.). Educação Patrimonial: reflexões e práticas. João Pessoa: Superintendência do Iphan na Paraíba, 2012.

HORTA, M. GRUNBERG, E. MONTEIRO, A. Guia Básico de Educação Patrimonial, Iphan, 1999.

SCIFONI, Simone. Educação e Patrimônio Cultural: reflexões sobre o tema. In: TOLENTINO, Átila Bezerra (org.). Educação Patrimonial: reflexões e práticas. João Pessoa: Superintendência do Iphan na Paraíba, 2012

IPHAN. Educação Patrimonial: histórico, conceitos e processos. Brasília: Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, 2014. Disponível em: http://www.iphan.gov.br/baixaFcdAnexo.do?id=4240 Acesso em: 20 jul. de 2014.

Publicado
2015-10-23
Como Citar
Baima, C., Biondo, F., & Nito, M. K. (2015). Educação Patrimonial no Campo da Arqueologia: desafios e contribuições. Revista Arqueologia Pública, 9(3[13]), 1-11. https://doi.org/10.20396/rap.v9i3.8641274