Educação Patrimonial: relações ambientais e culturais

Autores

  • Neli Galarce Machado Universidade do Vale do Taquari
  • Natalia Devitte Universidade do Vale do Taquari
  • Jessica Riedi Universidade do Vale do Taquari
  • Patricia Schneider Universidade do Vale do Taquari

DOI:

https://doi.org/10.20396/rap.v11i1.8647933

Palavras-chave:

Ação educativa. Arqueologia. Educação básica. História. Patrimônio.

Resumo

A construção de conceitos como de cidadania, sustentabilidade e preservação cultural e natural ultrapassa o foco da ciência disciplinar e una. Do ponto de vista educacional, somos capazes de instigar propostas visando a construção destes conceitos e da preservação patrimonial e ambiental. O objetivo deste artigo é revisitar analiticamente o projeto institucional “Arqueólogo por um dia”, o qual preocupa-se com o enfoque da história regional a partir do conhecimento arqueológico e tem como público alvo estudantes da Educação Básica. No presente texto, focaliza-se a relação pouco percebida entre teóricos e pesquisadores sobre a temática da educação patrimonial e ambiental. A partir da correlação de conhecimentos acadêmicos e populares, o projeto procura construir a noção de pertencimento ao ambiente natural e cultural e tem atingido resultados satisfatórios até o presente momento.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Neli Galarce Machado, Universidade do Vale do Taquari

Doutora em Arqueologia. Coordenadora e professora do Programa de Pó-graduação em Ambiente e Desenvolvimento da UNIVATES.

Natalia Devitte, Universidade do Vale do Taquari

Graduação em História no Centro Universitário UNIVATES (2015). Foi bolsista de Iniciação Científica do Centro Universitário UNIVATES na área de Arqueologia. Atuou como bolsista de Iniciação à Docência da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior-CAPES, na área de ensino de História. Tem experiência de campo e laboratório em arqueologia acadêmica e empresarial, com ênfase em arqueologia pré-histórica, arqueologia histórica, indústrias líticas e educação patrimonial.

Jessica Riedi, Universidade do Vale do Taquari

Graduanda do curso de Licenciatura em História na Univates. Ex Bolsista de Iniciação Científica, na mesma Instituição, na área de Zooarqueologia e bolsista de Iniciação à Docência da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior-CAPES. Tem experiências na área da Educação Patrimonial com a participação em projetos de extensão: Arqueólogo Por Um Dia e Naturalista Por Um Dia, ambos vinculados ao Museu de Ciências Naturais (MCN - Univates). Atua principalmente nos seguintes temas: ensino de história, arqueologia pré-histórica, história das população ibero-americanas, história geral, educação patrimonial.

Patricia Schneider, Universidade do Vale do Taquari

Mestre em patrimônio cultural. Coordenadora do Centro de Memória da UNIVATES.

Referências

AUGUSTO, T. G. S.; CALDEIRA, A. M. A.; CALUZI, J. J.; NARDI, R. Interdisciplinaridade: concepções de professores da área de ciências da natureza em formação em serviço. Revista Ciência & Educação. V. 10, n. 2, p. 277-189, 2004.

BLOCH, M. Apologia da história ou o ofício do historiador. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

CAMPOS, J. T. de. Paulo Freire e as Novas Tendências da Educação. Revista eCurriculum. V.3, n. 1, p. 1-15, 2007.

CASCO, A. C. Sociedade e Educação Patrimonial. Patrimônio: Revista Eletrônica do Iphan. N. 3, 2006.

CHOAY, F. A alegoria do patrimônio. São Paulo: Estação Liberdade, Ed. UNESP, 2001.

DEAN, W. A ferro e fogo: a história e a devastação da Mata Atlântica brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

DELGADO, A. F.; OLIVEIRA, I. L. B. C. Educação Patrimonial como experiência interdisciplinar: patrimônio e memória na cidade de Goiás. Revista Solta a Voz. V 19, n. 2, 2008.

FABRIS, E. Não restam dúvidas, a escola vive em outro tempo e espaço. In: SCHMIDT, S. (Org.). A educação em tempos de globalização. Rio de Janeiro: DPeA. 2001.

HORTA, M. de L. P.; GRUNBERG, E.; MONTEIRO, A. Q. Guia Básico de Educação Patrimonial. Brasília: Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Museu Imperial, 1999.

JORGE, V. O. Arqueologia, patrimônio e cultura. Lisboa: Instituto Piaget. 2000.

LE GOFF, J.; FERREIRA, I.; LEITAO, B. História e memória. Campinas: UNICAMP. 2003.

LEMOS, C. A. C. O que é patrimônio histórico. São Paulo: Brasiliense, 2006.

MAGOZO, H. M. C. Subjetividade no processo educativo: contribuições da psicologia à educação ambiental. PHILIPPI JR, A.; PELICIONI, M. C. F. (Orgs.). Educação ambiental e sustentabilidade. São Paulo: Manole. 2005.

PACHECO, I. A. Arqueologia e Patrimônio: contribuições para uma educação ambiental/patrimonial em Mato Grosso do Sul. Dissertação (Mestrado em Ensino de Ciências) - Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Mato Grosso do Sul, 2010.

PÁDUA, J. A. As bases teóricas da História Ambiental. In: Estudos Avançados. V. 24 n. 68, 2010, p. 81-101.

Downloads

Publicado

2017-07-13

Como Citar

MACHADO, N. G.; DEVITTE, N.; RIEDI, J.; SCHNEIDER, P. Educação Patrimonial: relações ambientais e culturais. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 11, n. 1[18], p. 87–105, 2017. DOI: 10.20396/rap.v11i1.8647933. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8647933. Acesso em: 5 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)