Gestão de acervo arqueológico herdado: Rio do Meio, um estudo de caso

Autores

  • Letícia da Silva Gondim Universidade Federal de Santa Catarina http://orcid.org/0000-0002-8397-1982
  • Luciane Zanenga Scherer Museu Nacional
  • Simon-Pierre Nöel Robert Gilson Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.20396/rap.v11i2.8650055

Palavras-chave:

Arqueologia. Acervo herdado. Conservação. Museologia.

Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar uma reflexão sobre gestão de acervo herdado, relacionado ao sítio arqueológico Rio do Meio, escavado entre os anos de 1996 e 1998 e que desde então encontra-se armazenado nas reservas técnicas e em outros espaços pertencentes ao Museu de Arqueologia e Etnologia Professor Oswaldo Rodrigues Cabral, da Universidade Federal de Santa Catarina (MArquE/UFSC). 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Letícia da Silva Gondim, Universidade Federal de Santa Catarina

Formada em História pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) atualmente cursa a graduação de Museologia na mesma Universidade. Atua como bolsista no laboratório de conservação do Museu de Arqueologia e Etnologia - MArquE/UFSC, além de ser voluntária no Laboratório de Estudos Interdisciplinares em Arqueologia (LEIA/UFSC) e no Ateliê de Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis (Atecor), localizado na Fundação Catarinense de Cultura (FCC).

Luciane Zanenga Scherer, Museu Nacional

Arqueóloga do MArquE; especialização em Paleopatologia, História e Evolução das Doenças Humanas (Fiocruz/RJ); mestrado em Arqueologia (Museu Nacional/RJ); doutoranda em Arqueologia (Museu Nacional (RJ). 

Simon-Pierre Nöel Robert Gilson, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutorando em Arqueologia no Museu Nacional-UFRJ (PPGArq), colaborador LEIA (UFSC).

Referências

ARRIAZA, Bernardo; CASSMAN, Vicki. ¿Se esta produciendo um “arqueocidio”? Revista Chungará, nº 20, julio 1988. Universidad de Tarapacá – Chile.

FOSSARI, Teresa Domitila. A População Pré-colonial Jê na Paisagem da Ilha de Santa Catarina. Tese (Doutorado em Geografia). 2004. Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2004.

FOSSARI, Teresa Domitila. O Salvamento do Sítio Rio do Meio: Projeto Gerenciamento dos Sítios Arqueológicos do Empreendimento Jurerê Internacional. Florianópolis, julho de 1998.

FRONER, Yacy-Ara. A conservação preventiva e patrimônio arqueológico e etnográfico: ética, conceitos e critérios. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia. São Paulo, 1995.

LESSA, A. Reflexões preliminares sobre paleoepidemiologia da violência em grupos ceramistas litorâneos:(I) Sítio Praia da Tapera–SC. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, n. 15–16, p. 199–207, 2005.

LESSA, A.; SCHERER, L. Z. O outro lado do paraíso: novos dados e reflexões sobre violência entre pescadores-coletores pré-coloniais. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, n. 18, p. 89–100, 2008.

LORÊDO, Wanda Martins. Manual de Conservação em Arqueologia de Campo. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro do Patrimônio Cultural. Departamento de Proteção, 1994.

MORAIS, J.L. Salvamento arqueológico na área de influência da PCH Moji-Guaçu. Rev. do Museu de Arqueologia e Etnologia, S. Paulo, 1995.

SCHEEL-YBERT, R. Proposta de amostragem padronizada para macro-vestígios bioarqueológicos: antracologia, arqueobotânica, zooarqueologia. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, n. 15–16, p. 139–163, 2006 2005.

SCHERER, Luciane Zanenga. Acervos e Museus: Diálogos entre Arqueologia e Museologia. Revista Eletrônica Ventilando Acervos, v.4, n.1, dez. 2016, Florianópolis: MVM.

Downloads

Publicado

2017-11-30

Como Citar

GONDIM, L. da S.; SCHERER, L. Z.; GILSON, S.-P. N. R. Gestão de acervo arqueológico herdado: Rio do Meio, um estudo de caso. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 11, n. 2[19], p. 83–97, 2017. DOI: 10.20396/rap.v11i2.8650055. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8650055. Acesso em: 28 jan. 2023.