Banner Portal
Extroversão do patrimônio arqueológico salvaguardado: reserva técnica do laboratório de arqueologia Peter Hilbert
PDF

Palavras-chave

Gestão de Coleções.

Como Citar

PEREIRA, D. Extroversão do patrimônio arqueológico salvaguardado: reserva técnica do laboratório de arqueologia Peter Hilbert. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 11, n. 2[19], p. 66–82, 2017. DOI: 10.20396/rap.v11i2.8650061. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8650061. Acesso em: 30 set. 2023.

Resumo

A limitação dos processos de extroversão das informações e dos bens arqueológicos é uma realidade corrente. Isso mantém as coleções maciçamente armazenadas, enquanto uma pequena parcela participa de exposições e ações educativas. Tendo como objeto de estudo a reserva técnica do Laboratório de Arqueologia Peter Hilbert, vinculada ao Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá, a presente pesquisa analisa mecanismos conceituais e práticos que podem contribuir para a potencialização da reserva técnica desse núcleo de pesquisa em espaço de extroversão das informações e do patrimônio arqueológico. Ao problematizar as possibilidades e os desafios atuais da gestão das coleções arqueológicas salvaguardadas em reservas técnicas, abordo aspectos da cadeia operatória da museologia e da cadeia produtiva da arqueologia, utilizando como arcabouço teórico a relação interdisciplinar entre a arqueologia e a museologia, relativa ao processo de musealização do patrimônio arqueológico. 
https://doi.org/10.20396/rap.v11i2.8650061
PDF

Referências

AMARAL, J. R.. Gestão de acervos em reservas técnicas. Informação ICOM. PT, Série II, n.15, p.2-9, 2012. Disponível em: http://www.icom-ortugal.org/multimedia/info%20II-15_dez11-fev12.pdf. Acesso em: 08 dez. 2016.

ALENCAR, V. Museu: Se faz caminho ao andar. Cadernos Museológicos. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro do Patrimônio Cultural. n° 1-2, p. 55-64. 1989.

BASTOS, R. L; SOARES, F. C; BRUHNS. A arqueologia na ótica institucional: IPHAN, contrato e sociedade. Erechim: Ed Habilis. 200p. 2007.

BRAGA, G. D. Conservação Preventiva: acondicionamento e armazenamento de acervos complexos em Reserva Técnica – o caso do MAE/USP. Dissertação (Mestrado), Programa de Pós-Graduação em Arqueologia, MAE/USP. 2003.

BRUNO, M. C. O. Museus, identidades e patrimônio cultural. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, Suplemento 7, p.145-151, 2008.

CABRAL, M. P. No tempo das pedras moles: arqueologia e simetria na floresta. Tese (Doutorado) - Universidade Federal do Pará, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Programa de Pós-Graduação em Antropologia, Belém, 262p. 2014.

CARLAN, C. U. Arqueologia e Patrimônio: os acervos dos museus e sua importância. Arqueologia Pública, Campinas, n. 5, p. 56-63, 2012.

CARVALHES, R. S. Museu Dom João VI: uma reserva técnica acessível. Monografia (Especialização), Pós-Graduação lato sensu em Acessibilidade Cultural. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro. 75p. 2014.

CLASSEN, C.; HOWES, D. Howes. The Museum as Sensescape: western sensibilities and Indigenous artifacts. In: EDWARDS, E.; GOSDEN, C.; PHILLIPS, R. B. (Eds), Sensible Objects: colonialism, museums and material culture. New York: Berg, p.199-222. 2006.

COSTA, C. A. S. Museologia e Arqueologia - parte 1: a materialidade de uma relação interdisciplinar. Revista Museu, v. 40, p. 6, 2008.

CUMBERLAND, D; FLORAY, S. Museum Handbook: Museum Collection Storage. Washington: National Park Service. Museum Management Program, 48p. 2012.

CURY, M. X. Novas Perspectivas para a comunicação museológica e os desafios da pesquisa de recepção em museus. Actas do I Seminário de Investigação em Museologia dos Países de Língua Portuguesa e Espanhola. p. 269-279. 2008.

DELAVENAY, A. H. De almacén acentro de conservación de colecciones. Revista del Comité Español del ICOM. ALMACENES DE MUSEOS: Espacios Internos Propuestas para su organización, ICOM España, v.3, p.8-15, 2012.

DELAVENAYS, A. H.; GRUSS, C. R. Una visión del panorama internacional. Revista del Comité Español del ICOM, n.4. Colecciones en Depósito: Experiencias en reservas nacionales e internacinales. p.36- 42, s/d.

GARCÍA, P. M.C. Espacios para el tratamiento y conservación de las coleciones. Revista del Comité Español del ICOM. ALMACENES DE MUSEOS: Espacios Internos Propuestas para su organización, ICOM España, n.3, p.24-31, 2012.

HIDALGO, E. Aplicación del plan de emergencias para coleciones en el almacén. Revista del Comité Español del ICOM. ALMACENES DE MUSEOS: Espacios Internos Propuestas para su organización, ICOM España, n. 3, p.46-53, 2012.

LIMA, T. A.; RABELLO, A. M. C. Coleções arqueológicas em perigo. O caso do Museu Nacional da Quinta da Boa Vista. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional / Patrimônio Arqueológico: o desafio da preservação, n. 33. P.245-273, 2007.

LOUREIRO, M. L. N. M. Preservação in situ X ex situ: reflexões sobre um falso dilema. In: Seminario Iberoamericano de Investigación em Museologia, 3. Madrid, p.1-10. 2011.

MERRIMAN, N. Involving the public in museum archaeology. In: Public Archaeology. Londres. Routledge, p. 85- 108. 2004.

MIRABILE, A. A Reserva Técnica também é um museu. Boletim Eletrônico da ABRACOR, n.1, p.4-9, 2010.

MUSEÁLIA. Reserva Técnica Viva: Como alguns museus estão mudando a relação entre suas reservas técnicas e o público. Museália, revista de cultura e museus, Instituto Brasileiro de Museus, n.1, Ano 1, 2010.

PEREIRA, D. Perspectivas da Curadoria Arqueológica: O caso do Laboratório de Arqueologia Peter Hilbert. Monografia de Especialização em Patrimônio Arqueológico da Amazônia. Macapá: Universidade do Estado do Amapá. 84p. 2012.

RÉMY, L. Les reserves: stockage passif ou pôle de valorisation du patrimoine? La Lettre de l’OCIM, n.65, p. 27-35, 1999.

ROMÃO, A. A reserva visitável do Laboratorio Chimico (MCUL): Uma realidade em evolução. Asensio, Semedo, Souza, Asenjo & Castro (Eds.) Series Iberoamericanas de Museología, v. 5, p. 93-101, 2012.

SALADINO, A. Arqueologia Patrimonializada e desenvolvimento social: perspectivas no Brasil e Portugal. Revista Eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Museologia e Patrimônio, – PPG-PMUS Unirio | MAST - v.2, n.2, p.38-45, 2009. Disponível em: http://revistamuseologiaepatrimonio.mast.br/index.php/ppgpmus/article/viewFile/58/72 Acesso em: 10 de abril 2017.

TAPOL, B. D. La gestión de las colecciones en las áreas de reserva: missión, uso, agrupación de los fondos, mantenimient. Revista del Comité Español del ICOM. ALMACENES DE MUSEOS: Espacios Internos Propuestas para su organización, ICOM España, v.3, p.32-28, 2012.

THISTLE, P. Visible storage for the small museum. In: KNELL, S. (ed.) Care of collections. London: Routledge, p. 207-217. 1997.

VARINE-BOHAN, Hugues de. Museus e Desenvolvimento Social: um balanço crítico. In: BRUNO, Maria Cristina Oliveira; NEVES, Kátia Regina Felipini (coord). Museus como agentes de mudança social e desenvolvimento: propostas e reflexões museológicas. São Cristovão: Museu de Arqueologia de Xingó. p.11-20. 2008.

WICHERS, C. A. M. Patrimônio Arqueológico Paulista: proposições e provocações museológicas. Tese (Doutorado), Programa de Pós-Graduação em Arqueologia, Universidade de São Paulo. 349p. 2011.

Revista Arqueologia Pública utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.