A teoria Queer em uma perspectiva brasileira

escritos para tempos de incertezas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rap.v13i1.8654815

Palavras-chave:

Descolonização, Teoria queer, Gênero

Resumo

A ideia de desenvolver este artigo surgiu após muitas reflexões em torno da temática de gênero e da teoria Queer, especialmente após a realização do simpósio Aproximações da Arqueologia Brasileira com a Teoria Queer no IX Encontro de Teoria Arqueológica da América do Sul, ocorrido em Ibarra, Equador, em 2017. Dando continuidade a estes diálogos, proponho apresentar um breve panorama sobre a teoria Queer e os estudos daí derivados, tomando como base as principais referências que vêm contribuindo para a consolidação deste campo de atuação teórica, metodológica e ativista. Apesar de tratar-se de artigo bibliográfico, construirei algumas problematizações acerca de se perceber criticamente a pertinência da teoria Queer no estudo das temáticas subalternizadas e ignoradas pela academia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Arkley Marques Bandeira, Universidade Federal do Maranhão

Doutor em Arqueologia pela Universidade de São Paulo. Professor em Cultura e Sociedade e Curso de Licenciatura em Ciências Humanas pela Universidade Federal do Maranhão.

Referências

BENTO, Berenice. A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual Rio de Janeiro: Garamond, 2006.

______. Queer o quê? Ativismo e estudos transviados. In Dossiê Teoria Queer: o gênero sexual em discussão. Revista Cult, ano 17, n. 193, p . 43–46, 2014.

______. O que pode uma teoria? Estudos transviados e a despatologização das identidades trans. Revista Florestan, v. 1, n. 2, p. 46–66, 2014.

_______. Transviadas: gênero, sexualidade e direitos humanos. Salvador: EDUFBA, 2017.

BERNINI, Lorenzo. Apocalipsis Queer: elementos de teoría antissocial. Madri: Editorial Egales, 2015.

BUTLER, Judith. Against proper objects. Differences: a journal of feminist cultural studies, v. 6, n. 2, p. 1-26, 1994.

________. Meramente cultural. El Rodaballo. Trad. Alicia de Santos. Buenos Aires: Ano v, n. 9, 1998/99.

________. “Cuerpos que Importan” – Sobre os límites materiales y discursivos del “sexo”. Buenos Aires/Barcelona/México: Paidós. 2002.

________. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 8 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

CAMARGO, Fábio Figueiredo; GARCIA, Paulo César. Homocultura e Linguagens. Salvador: EDUNEB, 2016.

CHAUNCEY, George. Gay New York: Gender, Urban Culture, and the Making of the Gay Male World, 1890-1940. Basic Books, 1995.

COLLING, Leandro. Como pode a mídia ajudar na luta pelo respeito à diversidade sexual e de gênero? In PELÚCIO, Larissa et al. (Org.). Olhares plurais para o cotidiano: gênero, sexualidade e mídia. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2012.

______. A igualdade não faz o meu gênero: em defesa das políticas das diferenças para o respeito à diversidade sexual e de gênero no Brasil. Contemporânea, v.3, n. 2, p. 405–427, 2013.

_______. Que os outros sejam o normal: tensões entre movimento LGBT e ativismo queer. Salvador: EDUFBA, 2015.

______. Quatro dicas preliminares para transar a genealogia do queer no Brasil. In: BENTO, Berenice.; FÉLIX-SILVA, A. V. (Org.). Desfazendo gênero: subjetividade, cidadania, transfeminismo. Natal: EDUFRN, p. 223–242, 2015b.

_______. Artivismo: das dissidências sexuais e de gênero. In Dossiê Artivismo das dissidências sexuais e de gênero: a arte enfrente a violência normativa dos nossos dias. Revista Cult, ano 20, n. 226, p. 18–19, 2017.

_______. Impactos e/ou sintonias dos estudos queer no movimento LGBT do Brasil. In GREEN, James N. et al. (Org). História do movimento LGBT no Brasil. São Paulo: Alameda, p. 515-531, 2018.

_______. Mais definições em trânsito: Teoria Queer. [S.D.]. Disponível em: http://www.cult.ufba.br/maisdefinicoes/TEORIAQUEER.pdf. Acesso em: 26. 01. 2019.

COLLING, Leandro; SOUSA, Alexandre Nunes De; SENA, Francisco Soares. Enviadescer para produzir interseccionalidade. In OLIVEIRA, João Manuel de; AMÂNCIO, Lígia. (orgs.) Géneros e Sexualidades: interseções e tangentes. Lisboa: Centro de Investigação e de Intervenção Social (CIS-IUL), p. 196–215, 2017.

CULT. Literatura Gay: bandeira política ou gênero literário. Revista Cult, ano 6, n. 66, 2003.

______. Crítica à hegemonia heterossexual. In Dossiê Teoria Queer: o gênero sexual em discussão. Revista Cult, ano 17, n. 193, 2014.

______. Ditadura Heteronormativa. Revista Cult, v. 18, n. 202, 2015.

______. Dossiê Artivismo das dissidências sexuais e de gênero: a arte enfrente a violência normativa dos nossos dias. Revista Cult, v. 20, n. 226, 2017.

______. Os 40 anos do movimento LGBT no Brasil. Revista Cult, v. 21, n. 235, 2018.

ENG, David L.; HALBERSTAM, Judith; MUÑOZ, José Esteban. What’s queer about queer studies now? Duke University Press, 2005.

FERNANDES, Estevão Rafael. “Ativismo Homossexual Indígena: uma análise comparativa entre Brasil e América do Norte”. Dados, v. 58, p. 257-294, 2015.

________. Quando existir é resistir: two-spirit como crítica colonial. Revista de estudos e pesquisas sobre as Américas, v. 11, n. 11, p. 100 – 122, 2017.

________. Ser índio e ser gay: tecendo uma tese sobre homossexualidade indígena no Brasil. Etnográfica: Revista do Centro em Rede de Investigação em Antropologia, v. 21, n. 3, p. 639–647, 2017.

________. Gay Indians in Brazil: Untold Stories of the Colonization of Indigenous Sexualities. USA: Springer, 2017.

FOLHA DE SÃO PAULO. Após protesto, mostra com temática LGBT em Porto Alegre é cancelada. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/2017/09/1917269-apos-protesto-mostra-com-tematica-lgbt-em-porto-alegre-e-cancelada.shtml. Acesso em: 27. 01. 2019.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: a vontade de saber. São Paulo: Graal, 2005.

________. Microfísica do Poder. São Paulo: Graal, 2006.

________. A arqueologia do saber. 7. ed., Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

GREEN, James N. et al. (Org.) História do Movimento LGBT no Brasil. São Paulo: Alameda, 2018.

GREEN, James N.; QUINALHA, Renan (Ed.). Ditadura e homossexualidades: repressão, resistência e a busca da verdade. São Carlos: EdUFScar, 2018.

GOMES FILHO, Antoniel dos Santos. Estudos Transviados: algumas reflexões. Revista Interfaces: saúde, humanas e tecnologia, v. 3, n. 11, p. 21-25, 2016.

GONTIJO, Fabiano de S.; SCHAAN, Denise P. Sexualidade e teoria Queer: apontamentos para a arqueologia e para a antropologia brasileiras. Revista de Arqueologia Brasileira – Número especial Crítica Feminista e Arqueologia, v. 30, n. 2, p. 51–70, 2017.

GUIMARÃES, Rafael; BRAGA, Cleber. Vidobras dissidentes na música pop brasileira. In Dossiê Artivismo das dissidências sexuais e de gênero: a arte enfrente a violência normativa dos nossos dias. Revista Cult, ano 20, n. 226, p. 29–31, 2017.

HISTÓRIA. Dossiê Homossexualidades: da perseguição à luta por igualdade. Revista da Biblioteca Nacional, ano 10, n. 119, 2015.

KLEMBARA, Nathan. Queer archaeology: present and future. Disponível em: http://mapabing.org/author/nklembara/. Acesso em: 26. 01. 2019.

LOURO, Guacira Lopes. O Corpo Educado: pedagogias da sexualidade. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

_________. Teoria Queer: uma política pós-identitária para a educação. Revista Estudos Feministas. v. 9, n. 2, Florianópolis, 2001.

_________. Um Corpo Estranho: ensaios sobre sexualdiade e teoria queer. Belo Horizonte, Autêntica, 2004.

LUGARINHO, Mário César. Como traduzir a teoria queer para a língua portuguesa. Revista Gênero, v. 1, n. 2, 2001.

MACHADO, Maria das Dores Campos; PICCOLO, Fernanda Delvalhas (Org.). Religiões e homossexualidades. Rio de Janeiro: FGV editora, 2010.

MISKOLCI, Richard. A Teoria Queer e a Sociologia: o desafio de uma analítica da normalização. Sociologias, Porto Alegre, ano 11, n. 21, p. 150-182, jan./jun. 2009.

_________. Teoria Queer: um aprendizado pelas diferenças. Belo Horizonte: Autêntica, 2012.

_________. Crítica à hegemonia heterossexual. In Dossiê Teoria Queer: o gênero sexual em discussão. Revista Cult, ano 17, n. 193, p. 32–35, 2014.

MISSE, Michel. O estigma do passivo sexual: um símbolo de estigma no discurso cotidiano. Rio de Janeiro: Achiamé, 1979.

NARDI, Henrique Caetano; SILVEIRA; Raquel da Silva; MACHADO; Paula Sandrine (Org.). Diversidade sexual, relações de gênero e políticas públicas. Porto Alegre: Sulina, 2017.

NETO, Miguel Rodrigues de Sousa; Gomes, Aguinaldo (Org.). História e Teoria Queer. Salvador: Devires, 2018.

OLIVEIRA, João Manuel de. Trânsitos de Género: leituras queer/trans* da potência do rizoma género. In OLIVEIRA, João Manuel de; AMÂNCIO, Lígia. (orgs.) Géneros e Sexualidades: interseções e tangentes. Lisboa: Centro de Investigação e de Intervenção Social (CIS-IUL), p. 115–138, 2017.

PEDROSA, Adriano; MESQUITA, André (orgs.). Histórias da sexualidade: antologia. São Paulo: MASP, 2017.

PELÚCIO, Larissa. Subalterno quem, cara pálida? Apontamentos às margens sobre pós-colonialismos, feminismos e estudos queer. Contemporânea, v. 2, n. 2 p. 395-418, 2012.

_________. Traduções e torções ou o que se quer dizer quando dizemos queer no Brasil?. Revista Periódicus, v. 1, n. 1, 2014.

PEREIRA, Pedro Paulo Gomes. A teoria queer e a reinvenção do corpo. Cadernos Pagu, 27, p. 469 – 477, 2006.

PERLONGHER, Nestor Osvaldo. O negócio do michê: prostituição viril em São Paulo. São Paulo: Brasiliense, 1987.

PINTO, Renato. Duas Rainhas, um Príncipe e um Eunuco: gênero, sexualidade e as ideologias do masculino e do feminino nos estudos sobre a Bretanha Romana. Tese de Doutorado. Campinas: Universidade Estadual de Campinas – Unicamp, 2011.

__________. Representações homoeróticas masculinas na cultura material romana e as exposições dos museus: o caso da Warren Cup. MÉTIS: história & cultura, v. 10, n. 20, p. 111-132, 2011.

________. Museus e diversidade sexual: reflexões sobre mostras LGBT e queer. Revista de Arqueologia Pública, n. 5, p. 44 – 55, 2012.

PRECIADO, Beatriz. Manifesto contrassexual: práticas subversivas de identidade sexual. Tradução Maria Paula Gurgel Ribeiro. São Paulo: n-1 edições, 2014.

__________. Multidões queer: notas para uma política dos “anormais”. Revista Estudos Feministas, v. 19, n. 1, p. 11 – 20, 2011.

REA, Caterina Alessandra; AMANCIO, Izzie Madalena Santos. Descolonizar a sexualidade: Teoria queer of Colour e trânsitos para o Sul. Cadernos Pagu, n. 53, 2018.

SANTOS, Jocélio Teles dos. Ensaios sobre raça, gênero e sexualidades no Brasil – séculos XVIII – XX. Salvador: EDUFBA, 2013.

SEDGWICK, Eve Kosofsky. Tendencies. Londres: Routledge, 1994.

SILVA, José Fábio Barbosa. Aspectos sociológicos do homossexualismo em São Paulo. Sociologia, São Paulo, v. 21, n. 4, p. 350-360, 1959.

SILVA, Bruno de Oliveira et al. Teoria Queer/ Estudos Transviados: uma revisão teórica. Revista Saberes, v. 1, n. 6, p. 52–64, 2018.

SPARGO, Tamsin. Foucault and Queer Theory. New York: Totem Books, 1999.

TILLEY, Christopher. Archaeology as socio-political action in the present In WHITLEY, David S. (Ed.) Reader in Archaeology post-processual e cognitive approaches. New York e London: Routledge, p. 305-330, 1998,

TREVISAN, João Silvério. Devassos no Paraíso: a homossexualidade no Brasil - da Colônia à Atualidade. 4. ed. Rio de Janeiro: Record, 2000.

Downloads

Publicado

2019-07-22

Como Citar

BANDEIRA, A. M. A teoria Queer em uma perspectiva brasileira: escritos para tempos de incertezas. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 13, n. 1[22], p. 34–53, 2019. DOI: 10.20396/rap.v13i1.8654815. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8654815. Acesso em: 9 ago. 2022.