Arqueologia e ação política

resultados da instalação vestígios de uma ausência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rap.v14i1.8658992

Palavras-chave:

Ditaduras, Repressão, Arqueologia da supermodernidade, Materialidade, Memória

Resumo

A partir das ideias do arqueólogo González Ruibal sobre a necessidade de criar formas alternativas de traduzir os restos do passado e as de Randall Mcguire sobre arqueologia e ação política, procuramos discutir o fazer arqueológico enquanto ação política e demonstrar que a materialidade tem o poder de nos despertar para os acontecimentos do passado. Para isso, usamos como exemplo a Instalação Vestígios de uma ausência: Uma arqueologia da Repressão, pensada em 2014 pelos alunos da disciplina Arqueologia do Capitalismo III, da Universidade Federal do Rio Grande – FURG. A Instalação teve como objetivo principal divulgar repressão durante a Ditadura Militar brasileira através dos objetos e sem o uso de palavras. Através da leitura dos escritos deixados pelo público que visitou a Instalação, procuramos demonstrar a eficácia dessa forma alternativa de divulgar o conhecimento do passado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Costa de Moraes Fernandes, Universidade Federal do Rio Grande

Bacharel em Arqueologia com ênfase em Arqueologia do Capitalismo pela Universidade Federal do Rio Grande.

Luciana Paiva Coronel, Universidade Federal do Rio Grande

Doutora em Literatura Brasileira pela Universidade de São Paulo. Pós-doutorado junto à Università degli Studi di Genova. Professora da área de Literatura Brasileira e do Programa de História da Literatura da Universidade Federal do Rio Grande.

Beatriz Valladão Thiesen, Universidade Federal do Rio Grande

Doutora em História, com ênfase em Arqueologia, pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande. Professora associada em Arqueologia pela Universidade Federal do Rio Grande. Coordenadora do Liber Studium - Laboratório de Arqueologia do Capitalismo e a Reserva Técnica Arqueológica.

Referências

AUGÉ, Marc. Introdução a uma antropologia da sobremodernidade. Tradução de Miguel Serras Pereira. 90 Graus editora, Lisboa, 2005.

CAMPBELL, Fiona; ULIN, Jonna. BorderLine Archaeology: a practice of contemporary archaeology – exploring aspects of creative narratives and performative cultural production. Tese de PhD, Universidade de Göteborg, 2004.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Lembrar escrever esquecer. São Paulo: Ed. 34, 2006.

GINZBURG, Jaime. Linguagem e trauma na escrita do testemunho. Conexão Letras, Porto Alegre, v. 3, n. 3, p. 61-66, 2008.

HAMILAKIS, Yannis. Arqueología y sensorialidad. Hacia uma ontología de afectos e flujos. Revista Latino-Americana de Arqueologia Histórica, v. 9, n. 1, p. 34-53, 2015.

MCGUIRE, Randall H. Archaeology as political action. University of California Press, Ltd. London, England, 2008.

PELLINI, José R. Arqueologia com Sentidos. Uma Introdução à Arqueologia Sensorial. Revista de arqueologia Pública, Campinas, SP., v. 9, n. 4, p. 1-12, 2015.

PILLA, Maria. Volto semana que vem. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

PISCHEL, Gina. História Universal da arte. São Paulo: Melhoramentos, 1966.

POLLAK, Michael. Memória, Esquecimento, Silêncio. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

RUIBAL, Alfredo G. Time to destroy. An archaeology of supermodernity. Current Anthropology, n. 49(2), p. 247-279, 2008.

THIESEN, et al. Vestígios de uma Ausência: Uma Arqueologia da Repressão, Revista de Arqueologia Pública, n. 10, p. 1-20, 2014.

Downloads

Publicado

2020-06-22

Como Citar

FERNANDES, M. C. de M.; CORONEL, L. . P.; THIESEN, B. V. Arqueologia e ação política: resultados da instalação vestígios de uma ausência. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 14, n. 1, p. 57–74, 2020. DOI: 10.20396/rap.v14i1.8658992. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8658992. Acesso em: 2 dez. 2021.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)