Banner Portal
A construção de cartografias insurgentes
PDF

Palavras-chave

Trabalhadoras sexuais
Comunidade LGBTQIA
Direito à cidade
Cartografias insurgentes
Arqueologia queer

Como Citar

SOUZA, Newan Acacio Oliveira de; COSTA, Vanessa Avila; ALFONSO, Louise Prado. A construção de cartografias insurgentes: um relato sobre a oficina “Devassos no Paraíso, Bichas e Putas em um País Tropical: Discutindo Arqueologias e Sexualidades” . Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 16, n. 1, p. 185–204, 2021. DOI: 10.20396/rap.v16i1.8659756. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8659756. Acesso em: 18 abr. 2024.

Resumo

Neste artigo, discutiremos a construção da oficina intitulada “Devassos no Paraíso, Bichas e Putas em um País Tropical: Discutindo Arqueologias e Sexualidades”, realizada no evento “Cidades em Transe: Cotidianos em Conexão”, na cidade de Pelotas/RS. A oficina foi elaborada a partir dos aportes teórico-metodológicos da Arqueologia da Paisagem e da Arqueologia Queer e teve como foco a criação de cartografias insurgentes, que contestam as normas da ciência cartográfica e mapeiam os conflitos e as (re)existências na cidade. Estas cartografias foram concebidas enquanto formas de manifestar as vivências cotidianas das trabalhadoras sexuais e da comunidade LGBTQIA+ na paisagem do passado-presente-futuro de Pelotas. Além disso, suscitaram discussões entre as/os/es participantes sobre a luta pelo direito à cidade travadas por estas pessoas e as suas formas de resistir contra a putafobia e a LGBTQIA+fobia.

https://doi.org/10.20396/rap.v16i1.8659756
PDF

Referências

AGIER, Michel. DO DIREITO À CIDADE AO FAZER-CIDADE. O ANTROPÓLOGO, A MARGEM E O CENTRO. Mana, Rio de Janeiro, v. 21, n.3, p. 483-498, 2015.

ALFONSO, Louise Prado.; RIETH, Flávia. Narrativas de Pelotas e Pelotas Antiga: a cidade enquanto Bem Cultural. In: SCHIAVON, Camen Burget (Org.); PELEGRINI, Sandra de Cássia (Org.). Patrimônios Plurais: iniciativas e desafios. 1ed. Rio Grande: Ed. da FURG, p. 131-147, 2016.

COSTA, Vanessa Avila. Arqueologia das margens: pensando paisagens e fronteiras. Tessituras, Pelotas, v.6, n.1, p. 21-28, jan./jun. 2018.

COSTA, Vanessa Avila; SOUZA, Newan; ALFONSO, Louise Prado. Um relato sobre a oficina “Devassos no Paraíso, Bichas e Putas em um País Tropical: Discutindo Arqueologias e Sexualidades” realizada no evento Cidades em Transe. Anais do VI Congresso de Extensão e Cultura da UFPEL. Pelotas: EDUFPEL, 2019.

COSTA, Vanessa Avila. As Manifestações das Paisagens Ocultadas: Arqueologia da Pelotas de Trabalhadoras Sexuais. (Dossiê de Qualificação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Antropologia) - Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2019.

GONTIJO, Fabiano de S.; SCHAAN, Denise Pahl. Sexualidade e Teoria Queer. Revista de Arqueologia, v. 30, n. 2, p. 51-70, dez. 2017.

GONZÁLEZ-RUIBAL, Alfredo. The Past is Tomorrow. Towards an Archaelogy if the Vanishing Present. Norwegian Archaelogical Review,v.39, n.02, p. 110-125, 2006.

GONZÁLEZ-RUIBAL, Alfredo.Hacia outra arqueología: diez propuestas. Complutum, V. 23 (2), pp. 103-116, 2012.

INGOLD, Tim. Jornada ao longe de um caminho de vida: mapas, descobridor-caminho e navegação. Religião e Sociedade, Rio de Janeiro, v. 25, n.1, p. 76-110, 2005.

LEFEBVRE, Henri. O direito à cidade. São Paulo: Centauro, 5ª Ed., 6ª reimp., 2016.

OLSEN, Bjorn; SHANKS, Michel; WEBMOOR, Timothy; WITMORE, Christopher. ARCHAELOGY: the discipline ofthings. Berkeley: University of California Press, 2012.

PEREIRA, Pedro Paulo. Queer nos trópicos. Contemporânea – Revista de Sociologia da UFSCar. São Carlos, v.2m n.2, jul-dez, p 371-394, 2012.

PRADA, Monique.Putafeminista. São Paulo: Editora Veneta, 1. ed. 2018.

SOUSA, Ana Cristina de. Arqueologia da Paisagem e a Potencialidade Interpretativa dos Espaços Sociais. Revista Habitus – Revista do Instituto Goiano de Pré-História e Antropologia, Goiânia, v.3, n.2, p. 291-300, jan. 2005.

SOUZA, N. A. O.; DE OLIVEIRA GOMES, A.; TAVARES, N. DE O. Arqueologia e teoria queer: por uma arqueologia transviada. Revista Arqueologia Pública, v. 13, n. 1[22], p. 280-299, 22 jul. 2019.

THIESEN, Beatriz Valladão. AS PAISAGENS DA CIDADE: arqueologia da área central da Porto Alegre do século XIX. Porto Alegre: Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, p. 341, 1999. (Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em História) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 1999.

THIESEN, Beatriz Valladão. Fábrica, Identidade e Paisagem Urbana: Arqueologia da Bopp irmãos (1906-1924). 264p. (Tese de Doutorado. Programa de Pós-Graduação em História) –Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

TRAMASOLI, Felipe Benites. ARQUEOLOGIA DA CIDADE CINZA: paisagem e discurso na cidade do Rio Grande. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, p. 416, 2015. (Programa de Pós-Graduação em Arqueologia) – Museu Nacional / Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015.

TREVISAN, João Silvério. Devassos no Paraíso – A homossexualidade no Brasil, da colônia à atualidade. Rio de Janeiro: Objetiva, ed. 4, 2018.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Revista Arqueologia Pública

Downloads

Não há dados estatísticos.