A construção cultural nos estudos de gênero no Brasil

patrimônio e ceramistas do vale do Jequitinhonha

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rap.v16i1.8663581

Palavras-chave:

Estudos de gênero, Patrimônio material, Patrimônio imaterial, Mulheres ceramistas, Vale do Jequitinhonha

Resumo

Este artigo tem como objetivo trazer à tona as discussões sobre os estudos de gênero e sua construção cultural no Brasil, conjuntamente com estudos patrimoniais. Escolhemos problematizar as mulheres artesãs do Vale do Jequitinhonha, pois este estudo de caso traz elementos importantes sobre a construção das identidades locais femininas e masculinas de um ponto de vista fluido ligado às questões sociais, às questões culturais, questões de herança histórica, questões espaciais e de ofício. As mulheres ceramistas da região provocam a discussão de caráter plástico das identidades nada marcadas. A troca de papeis sociais e de gênero são constantes, apesar da tão cristalizada “comunidade pater familias”, consolidada no sexo como determinante de funções bem marcadas e setorizadas. No caso das mulheres artesãs ceramistas da região do Jequitinhonha há uma quebra de paradigmas, de fronteiras e de barreiras assimétricas de função de ofício e construção de gênero, oscilando entre o tradicionalismo paternalista de funções fixas e o fluido e dinâmico sistema social das demandas cotidianas econômicas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Figueira Hora, Universidade de São Paulo

Pós-doutoranda em Arqueologia com ênfase em acervos museológicos e patrimônio cultural pelo Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE-USP). Professora do Mestrado Interdisciplinar em Ciências Humanas da Universidade de Santo Amaro (UNISA). É pesquisadora associada do Labeca (Laboratório de Estudos sobre Cidade Antiga - LABECA- MAE-USP) e Pesquisadora e uma das líderes do Grupo de Pesquisa Ciência, Saúde, Gênero e Sentimento (Linha 3 - Gênero, Mobilidade e Fronteira: Interdisciplinaridade e Construções Identitárias da Universidade Santo Amaro - CISGES/UNISA/CNPq.

Ligia Baruque Diogo, Universidade de Santo Amaro

Mestranda do Programa de Pós Graduação strictu sensu Mestrado Interdisciplinar em Ciências Humanas da Universidade de Santo Amaro (UNISA).

Referências

ALMEIDA, Miguel Vale. Senhores de si: uma interpretação antropológica da masculinidade. Lisboa: Fim de Século, 1995. DOI: https://doi.org/10.4000/books.etnograficapress.459

BARBOSA, Vera Lucia, and Maria Inácia D'Ávila. Mulheres e artesanato: Um ‘ofício feminino’no povoado do Bichinho/Prados-MG. Revista Ártemis 17.1, 2014. DOI: https://doi.org/10.15668/1807-8214/artemis.v17n1p141-152

BARBOSA, Ana Mae. Arte-educação no Brasil: realidade hoje e expectativas futuras. Estudos Avançados, v. 3, n. 7, São Paulo, set-dez 1989. DOI: https://doi.org/10.1590/S0103-40141989000300010

BAUMAN, Z. O Mal-Estar da Pós-Modernidade. Rio de Janeiro: Ed. Zahar, 1998.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Lisboa: Difel, 1989.

BOURDIEU, Pierre. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Papirus Editora, 1996.

BOURDIEU, Pierre. La domination masculine. Actes de la Recherche, n. 84, setembro de 1990, p. 8-9. DOI: https://doi.org/10.3917/arss.p1990.84n1.0002

BUTLER, Judith. Problemas de gênero. Feminismo e subversão da identidade. Trad. Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2003.

CANCLINI, Nestor Garcia. Culturas híbridas: como entrar e sair da modernidade. São Paulo: Edusp (1997).

CAULFIELD, Sueann. The History of gender in the historiography of Latin America. Hispanic American Historical Review 81.3-4 (2001): 449-490. DOI: https://doi.org/10.1215/00182168-81-3-4-449

DA SILVA, Glaydson José. Gênero em questão-apontamentos para uma discussão teórica. Mneme-Revista de Humanidades 5.10, 2001.

DE ARRUDA CAMPOS, Alzira Lobo, et. al. Mulheres criminosas na abordagem interdisciplinar. Pesquisa em Debate, edição 9, v. 5, n. 2, Jul/dez 2008.

DALGLISH, Geralda. Tradição e Identidade Cultural na Cerâmica Popular do Vale do Jequitinhonha. XXIII Encontro da ANPAP – Ecossistemas Artísticos. Belo Horizonte, set. 2014, p.13.

DURKHEIM, Émilie. As regras do método sociológico. São Paulo: Editora Nacional, 1985.

FLORESTAN, Fernandes. A integração do negro na sociedade de classes: ensaio de interpretação sociológica. Vol. 1. São Paulo: Editora Globo, 2008.

FREYRE, Gilberto. Casa-grande & senzala. 48ª edição. São Paulo: Global, 2003.

FOUCAULT, M. História da sexualidade: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Editora Graal, 1997.

FOUCAULT, Michel et al. Microfísica do poder, v. 14, p. 1-14, 1979.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 7a ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2002

HIRATA, Helena. Flexibilidade, trabalho e gênero. Organização, trabalho e gênero. São Paulo: SENAC (2007): 89-108.

LAMAS, Berenice Sica Psicologia: Ciência e Profissão, Mulher artista: cidadã do universo? Psicol. cienc. prof. vol.15 no.1-3 Brasília-1995. DOI: https://doi.org/10.1590/S1414-98931995000100004

LEVIN, Gail. Lee Krasner: Uma Biografia. Nova Iorque: Harper Collins, 2011.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Trad. Bernardo Leitão, 7ª. Edição. Campinas: Editora da Unicamp, 2013.

LIPOVESTSKY, Gilles. A terceira mulher : permanência e revolução do feminino. Tradução de Maria Lúcia Machado. São Paulo: Cia das Letras, 2000.

MATTOS, Sônia Missagia. Artefatos de gênero na arte do barro. Editora da Universidade Federal do Espŕitu Santo, 2001. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2001000100004

OSTOS, Natascha Stefania Carvalho De. A questão feminina: a importância estratégica das mulheres para a regulação da populaçãoo brasileira (1930-1945). Cadernos Pagu 39, 2012, p. 313-343. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-83332012000200011

QUIRINO, Tarcízio Rêgo; et al. Mapeamento do Artesanato Mineiro. Fundação João Pinheiro. Belo Horizonte: 1979, p. 45.

SEGALL, Lasar. Enciclopedia Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. San Pablo: Itaú Cultural, 2020.

SOCOLOW, Susan Migden. The women of colonial Latin America. Cambridge University Press, 2015. DOI: https://doi.org/10.1017/CBO9781139031189

STRATHERN, Marilyn. “Some Implications of Hagen Gender Imagery”. In: ORTNER,

Sherry B., e WHITEHEAD, Harriet (Orgs.). Sexual Meanings. The Cultural Construction of Gender and Sexuality. New York: Cambridge University Press, 1992.

WALBY, Sylvia. Theorizing patriarchy. Basil Blackwell, 1990.

Downloads

Publicado

2021-06-28

Como Citar

HORA, J. F.; DIOGO, L. B. A construção cultural nos estudos de gênero no Brasil: patrimônio e ceramistas do vale do Jequitinhonha. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 16, n. 1, p. 71–94, 2021. DOI: 10.20396/rap.v16i1.8663581. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8663581. Acesso em: 14 ago. 2022.