Banner Portal
A construção cultural nos estudos de gênero no Brasil
PDF (English)

Palavras-chave

Estudos de gênero
Patrimônio material
Patrimônio imaterial
Mulheres ceramistas
Vale do Jequitinhonha

Como Citar

HORA, J. F.; DIOGO, L. B. A construção cultural nos estudos de gênero no Brasil: patrimônio e ceramistas do vale do Jequitinhonha. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 16, n. 1, p. 71–94, 2021. DOI: 10.20396/rap.v16i1.8663581. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8663581. Acesso em: 24 fev. 2024.

Resumo

Este artigo tem como objetivo trazer à tona as discussões sobre os estudos de gênero e sua construção cultural no Brasil, conjuntamente com estudos patrimoniais. Escolhemos problematizar as mulheres artesãs do Vale do Jequitinhonha, pois este estudo de caso traz elementos importantes sobre a construção das identidades locais femininas e masculinas de um ponto de vista fluido ligado às questões sociais, às questões culturais, questões de herança histórica, questões espaciais e de ofício. As mulheres ceramistas da região provocam a discussão de caráter plástico das identidades nada marcadas. A troca de papeis sociais e de gênero são constantes, apesar da tão cristalizada “comunidade pater familias”, consolidada no sexo como determinante de funções bem marcadas e setorizadas. No caso das mulheres artesãs ceramistas da região do Jequitinhonha há uma quebra de paradigmas, de fronteiras e de barreiras assimétricas de função de ofício e construção de gênero, oscilando entre o tradicionalismo paternalista de funções fixas e o fluido e dinâmico sistema social das demandas cotidianas econômicas.

https://doi.org/10.20396/rap.v16i1.8663581
PDF (English)

Referências

ALMEIDA, Miguel Vale. Senhores de si: uma interpretação antropológica da masculinidade. Lisboa: Fim de Século, 1995.

BARBOSA, Vera Lucia, and Maria Inácia D'Ávila. Mulheres e artesanato: Um ‘ofício feminino’no povoado do Bichinho/Prados-MG. Revista Ártemis 17.1, 2014.

BARBOSA, Ana Mae. Arte-educação no Brasil: realidade hoje e expectativas futuras. Estudos Avançados, v. 3, n. 7, São Paulo, set-dez 1989.

BAUMAN, Z. O Mal-Estar da Pós-Modernidade. Rio de Janeiro: Ed. Zahar, 1998.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Lisboa: Difel, 1989.

BOURDIEU, Pierre. Razões práticas: sobre a teoria da ação. Papirus Editora, 1996.

BOURDIEU, Pierre. La domination masculine. Actes de la Recherche, n. 84, setembro de 1990, p. 8-9.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero. Feminismo e subversão da identidade. Trad. Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2003.

CANCLINI, Nestor Garcia. Culturas híbridas: como entrar e sair da modernidade. São Paulo: Edusp (1997).

CAULFIELD, Sueann. The History of gender in the historiography of Latin America. Hispanic American Historical Review 81.3-4 (2001): 449-490.

DA SILVA, Glaydson José. Gênero em questão-apontamentos para uma discussão teórica. Mneme-Revista de Humanidades 5.10, 2001.

DE ARRUDA CAMPOS, Alzira Lobo, et. al. Mulheres criminosas na abordagem interdisciplinar. Pesquisa em Debate, edição 9, v. 5, n. 2, Jul/dez 2008.

DALGLISH, Geralda. Tradição e Identidade Cultural na Cerâmica Popular do Vale do Jequitinhonha. XXIII Encontro da ANPAP – Ecossistemas Artísticos. Belo Horizonte, set. 2014, p.13.

DURKHEIM, Émilie. As regras do método sociológico. São Paulo: Editora Nacional, 1985.

FLORESTAN, Fernandes. A integração do negro na sociedade de classes: ensaio de interpretação sociológica. Vol. 1. São Paulo: Editora Globo, 2008.

FREYRE, Gilberto. Casa-grande & senzala. 48ª edição. São Paulo: Global, 2003.

FOUCAULT, M. História da sexualidade: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Editora Graal, 1997.

FOUCAULT, Michel et al. Microfísica do poder, v. 14, p. 1-14, 1979.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 7a ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2002

HIRATA, Helena. Flexibilidade, trabalho e gênero. Organização, trabalho e gênero. São Paulo: SENAC (2007): 89-108.

LAMAS, Berenice Sica Psicologia: Ciência e Profissão, Mulher artista: cidadã do universo? Psicol. cienc. prof. vol.15 no.1-3 Brasília-1995.

LEVIN, Gail. Lee Krasner: Uma Biografia. Nova Iorque: Harper Collins, 2011.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Trad. Bernardo Leitão, 7ª. Edição. Campinas: Editora da Unicamp, 2013.

LIPOVESTSKY, Gilles. A terceira mulher : permanência e revolução do feminino. Tradução de Maria Lúcia Machado. São Paulo: Cia das Letras, 2000.

MATTOS, Sônia Missagia. Artefatos de gênero na arte do barro. Editora da Universidade Federal do Espŕitu Santo, 2001.

OSTOS, Natascha Stefania Carvalho De. A questão feminina: a importância estratégica das mulheres para a regulação da populaçãoo brasileira (1930-1945). Cadernos Pagu 39, 2012, p. 313-343.

QUIRINO, Tarcízio Rêgo; et al. Mapeamento do Artesanato Mineiro. Fundação João Pinheiro. Belo Horizonte: 1979, p. 45.

SEGALL, Lasar. Enciclopedia Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. San Pablo: Itaú Cultural, 2020.

SOCOLOW, Susan Migden. The women of colonial Latin America. Cambridge University Press, 2015.

STRATHERN, Marilyn. “Some Implications of Hagen Gender Imagery”. In: ORTNER,

Sherry B., e WHITEHEAD, Harriet (Orgs.). Sexual Meanings. The Cultural Construction of Gender and Sexuality. New York: Cambridge University Press, 1992.

WALBY, Sylvia. Theorizing patriarchy. Basil Blackwell, 1990.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Revista Arqueologia Pública

Downloads

Não há dados estatísticos.