Territorialidade queer

território e corpo no centro de Goiânia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rap.v16i1.8663903

Palavras-chave:

Queer, Territorialidade, Território, Cine astor, Goiânia

Resumo

A cidade contemporânea é objeto constante de estudos e reflexões interdisciplinares no ambiente acadêmico e informal no que diz respeito ao fenômeno da decadência dos centros urbanos. Goiânia viu ascender esse processo de forma rápida e devastadora, por se tratar de uma cidade planejada e nova em relação à outras capitais, seu centro entrou em decadência rapidamente, principalmente no período noturno. Os pontos de resistência alavancam um resquício de movimento na região através dos "usos clandestinos", nos quais destacam-se locais em que é identificável uma possível lógica de gênero em suas ocupações. O foco das seções seguintes se concentram na formulação teórica do termo-título: Territorialidade Queer, relatando seus aspectos fundamentais para a compreensão do que hoje apresenta características de uma ocupação territorial no centro de Goiânia, com breve análise de um destes territórios: o Cine Astor, através de um olhar sensível à questão de gênero, ressaltando a atuação do urbanismo na produção e controle dos corpos abjetos

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Áureo Rosa da Silva, Universidade de Brasília

Brasileiro, nascido em Goiânia, Goiás. Artista visual, interventor urbano arquiteto/urbanista, mestrando em Teoria e História da Cidade e do Urbanismo pela Universidade de Brasília, com atuação principal na cidade de Goiânia, em busca produzir uma arte regionalista por meio de releituras, mantendo o diálogo com o mundo da arquitetura e cultura urbana, com experimentações técnicas de serigrafia e audiovisual.

Referências

BUTLER, J. Gender Trouble: feminism and the subversion of identity. London: Routledge, 1990.

BRAZ, C. A. À meia-luz: uma etnografia imprópria em clubes de sexo masculinos. Goiânia: Editora UFG, 2012.

CORRÊA, R. L. Trajetórias Geográficas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

FERNANDES, A. Decifra-me ou te Devoro: Urbanismo Corporativo, Cidade-Fragmento e Dilemas da Prática do Urbanismo no Brasil no prelo. In: S. GONZALES, A. PAVIANI, J. FRANCISCO. (Org.). PLANEJAMENTO & URBANISMO na atualidade brasileira. Objeto, teoria e prática. 1 ed. São Paulo, Rio de Janeiro: Livre Expressão, v. 1, p. 83-108, 2013.

FERREIRA, D. Território, Territorialidade e seus Múltiplos Enfoques na Ciência Geográfica. CAMPO-TERRITÓRIO: revista de geografia agrária, v. 9, n. 17, p. 111-135, 2014.

HAESBAERT, R. Definindo território para entender a desterritorialização. In: O mito da desterritorialização: do “fim dos territórios” à multiterritorialidade. Rio de Janeiro, Bertrand Brasil, 2004.

HAESBAERT, R; LIMONAD, E. O território em tempos de globalização. Etc: Espaço, Tempo e Crítica, Niterói, UFF, v. 1, n. 2, p. 39-52, ago de 2007.

KOFES, S. Categorias analítica e empírica: gênero e mulher: disjunções, conjunções e mediações. Cadernos Pagu. Campinas, SP, n. 1, p. 19–30, 2005. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/1678. Acesso em: 10 jan. 2021.

MANSO, C. Goiânia, uma concepção urbana, moderna e contemporânea, um certo olhar. Goiânia, Ed. do autor, 2001.

NÓBREGA, P. R. C. Reflexões acerca dos conceitos de território, territorialidades e redes para o ensino de geografia. Revista de Ensino de Geografia, Uberlândia, v. 4, n. 7, jul./dez de 2013.

PAULA, F. M. de A. ; CORRÊA, E. A. L. ; PINTO, J. V. C. O papel do Setor Campinas na formação da centralidade polinucleada de Goiânia. Porto Nacional, 2005.

PEREIRA, P. P. G.. A teoria queer e a Reinvenção do corpo. Cadernos Pagu. Campinas, n. 27, p. 469-477, dezembro de 2006. Disponível em <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-83332006000200020&lng=en&nrm=iso>. acesso em 08 de julho de 2020. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-83332006000200020.

PILE, S. ; KEITH, M. Geographies of resistance. Nova York: Routledge, 1997.

PRECIADO, B. Manifesto contrassexual. São Paulo: n-1 edições, 2015.

RAFFESTIN, C. Por uma geografia do poder. Tradução de Maria França. São Paulo: Ática, 1993.

SAQUET M. A. Abordagens e concepções de território. 2ª ed. São Paulo: Exp. Popular, 2010.

SOUZA, M. L. O território: sobre espaço e poder, autonomia e desenvolvimento. In CASTRO, I. et al. (org.) Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1995.

SPARGO, T. Foucault e a teoria : seguido de Ágape e êxtase: orientações pós-seculares. Tradução Heci Regina Candiani. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017.

VAZ, M. D. A. C. Transformação do centro de Goiânia: renovação ou reestruturação? Dissertação (Mestrado). Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2003.

Downloads

Publicado

2021-06-28

Como Citar

ROSA DA SILVA, Áureo. Territorialidade queer: território e corpo no centro de Goiânia. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 16, n. 1, p. 166–184, 2021. DOI: 10.20396/rap.v16i1.8663903. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8663903. Acesso em: 27 nov. 2021.