Banner Portal
Histórias em diálogo no ensino escolar
PDF

Palavras-chave

Ensino
Dialogicidade
Arqueologia brasileira
Formação de professoras e professores
Currículo escolar

Como Citar

AZEVEDO, L. W. de; SCHEEL-YBERT, R. Histórias em diálogo no ensino escolar: contribuições possíveis da arqueologia brasileira. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 16, n. 2, p. 140–158, 2021. DOI: 10.20396/rap.v16i2.8666169. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8666169. Acesso em: 3 mar. 2024.

Resumo

A arqueologia possui um grande potencial de contribuição ao ensino escolar. Os paradigmas contemporâneos da disciplina dialogam com as teorias e diretrizes correntes da educação, na medida em que ambos buscam explorar e compreender aspectos da diversidade de histórias e identidades estabelecidas nas relações sociais, e que ambos buscam a elaboração de raciocínios através de diversas disciplinas. Neste artigo problematizamos a importância de a arqueologia tornar esse potencial uma responsabilidade, e sugerimos uma trajetória possível voltada à formação de professoras e professores baseada em ações dialógicas e com atenção aos  currículos escolares.

https://doi.org/10.20396/rap.v16i2.8666169
PDF

Referências

ARAUJO, Cinthia Monteiro de. Uma outra história é possível? O saber histórico escolar na perspectiva intercultural. In: PEREIRA, Amilcar Araujo; MONTEIRO, Ana Maria (Org.). Ensino de história e culturas afro-brasileiras e indígenas. 1. ed. Rio de janeiro: Pallas, 2013. p. 356.

BARTOY, Kevin M. Teaching through Rather than about. In: SKEATES, Robin; MCDAVID, Carol; CARMAN, John (Org.). The Oxford Handbook of Public Archaeology. [S. l.]: Oxford University Press, 2012. p. 552–565. E-book.

BRASIL. Lei no 9.394, de 20 de Dezembro de 1996.

BRASIL. Lei no 11.645, de 10 de Março de 2008.

BRASIL. Lei no 13.005, de 25 de Junho de 2014.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Brasilia: Ministério da Educação, 2017. E-book.

CIBEL, Nora Cecilia Lima Boccacio; LOPES, Véra Neusa. Educação no Brasil do século XXI: história e cultura afro-brasileira e indígena contribuindo para a identidade do cidadão. In: FERNANDES, Evandro; CIBEL, Nora Cecilia Lima Boccacio; LOPES, Véra Neusa (Org.). Da África aos indígenas do Brasil: caminhos para o estudo de História e Cultura Afro-brasileira e Indígena. 1. ed. Porto Alegre: UFRGS, 2016. p. 212–239. E-book.

COPELAND, Tim. Presenting archaeology to the public: constructing insights on-site. In: MERRIMAN, Nick (org.). Public Archaeology. 1. ed. London: Routledge Taylor & Francis Group, 2004. p. 132–143. E-book.

FLORÊNCIO, Sônia Rampim. Política de educação patrimonial no IPHAN: diretrizes conceituais e ações estratégicas. Rev. CPC, [S. l.], v. especial, n. 27, p. 55–89, 2019.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 73. ed. Rio de janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2020.

FROST, Karolyn E. Smardz. Archaeology and public education in North America: view from the beginning of the millennium. In: MERRIMAN, Nick (Org.). Public Archaeology. 1. ed. London: Routledge Taylor & Francis Group, 2004. p. 59–84. E-book.

FUNARI, Pedro Paulo A. Public archaeology in Brazil. In: MERRIMAN, Nick (Org.). Public Archaeology. 1. ed. London: Routledge Taylor & Francis Group, 2004. p. 202–210. E-book.

FUNARI, Pedro Paulo; NOELLI, Francisco Silva. Pré-história do Brasil. 4. ed. São Paulo: Contexto, 2020.

FUNARI, Pedro Paulo; PIÑON, Ana. A temática indígena na escola. 1. ed. São Paulo: Contexto, 2020.

GALEANO, Eduardo H. As veias abertas da América Latina. 1. ed. Porto Alegre: L&PM, 2019.

GONZÁLEZ-RUIBAL, Alfredo. Malos nativos. una crítica de las arqueologías indígenas y poscoloniales. Revista de Arqueologia, [S. l.], v. 27, n. 2, p. 47–63, 2014. Disponível em: https://doi.org/10.24885/sab.v27i2.403

GONZÁLEZ-RUIBAL, Alfredo; GONZÁLEZ, Pablo Alonso; CRIADO-BOADO, Felipe. Against reactionary populism: towards a new public archaeology. Antiquity, [S. l.], v. 92, n. 362, p. 507–515, 2018. Disponível em: https://doi.org/10.15184/aqy.2017.227

GOSDEN, Chris. Postcolonial Archaeology: Issues of culture, identity and Knowledge. In: HODDER, Ian (Org.). Archaeological Theory Today. 1. ed. Cambridge: Polity Press, 2001. p. 241–261.

GRUPIONI, Luís Donisete Benzi. Livros didáticos e fontes de informações sobre as sociedades indígenas no Brasil. In: SILVA, Aracy Lopes da; GRUPIONI, Luís Donisete Benzi (Org.). A temática indígena na escola: novos subsídios para professores de 1º e 2º graus. 1. ed. Brasilia: MEC/MARI/UNESCO, 1995. p. 481–526.

HAMILAKIS, Yannis. Decolonial archaeology as social justice. Antiquity Publications, [S. l.], v. 362, p. 518–520, 2018.

LIGHTFOOT, Kent G. Culture Contact Studies: Redefining the Relationship between Prehistoric and Historical Archaeology. American Antiquity, [S. l.], v. 60, n. 2, p. 199–217, 1995.

LIMA, Antônio Carlos de Souza. Um olhar sobre a presença das populações nativas na invenção do Brasil. In: SILVA, Aracy Lopes da; GRUPIONI, Luís Donisete Benzi (Org.). A temática indígena na escola: novos subsídios para professores de 1o e 2o graus. 1. ed. Brasilia: MEC/MARI/UNESCO, 1995. p. 407–424.

LIMA, Tania Andrade. A arqueologia na construção da identidade nacional: uma disciplina no fio da navalha. Canindé, Xingó, v. 10, p. 11–26, 2007.

LIMA, Tania Andrade; SILVA, Regina Coeli Pinheiro da. 1898–1998: A pré-história brasileira em cem anos de livros didáticos. Fronteiras: revista de História, [S. l.], v. 3, n. 6, p. 91–134, 1999.

LOPES, Véra Neusa. Indicadores em história e cultura afro-brasileira e indígena. In: FERNANDES, Evandro; CIBEL, Nora Cecilia Lima Boccacio; LOPES, Véra Neusa (Org.). Da África aos indígenas do Brasil: caminhos para o estudo de História e Cultura Afro-brasileira e Indígena. 1. ed. Porto Alegre: UFRGS, 2016. p. 322–351. E-book.

MAPUNDA, Bertram; LANE, Paul. Archaeology for whose interest – archaeologists or the locals? In: MERRIMAN, Nick (Org.). Public Archaeology. 1. ed. London: Routledge Taylor & Francis Group, 2004. p. 211–223. E-book.

MCGHEE, Fred L. Participatory action reserarch and archaeology. In: SKEATES, Robin; MCDAVID, Carol; CARMAN, John (Org.). The Oxford Handbook of Public Archaeology. [S. l.]: Oxford University Press, 2012. p. 213–229. E-book.

MERRIMAN, Nick. Introduction: diversity and dissonance in public archaeology. In: MERRIMAN, Nick (Org.). Public Archaeology. 1. ed. London: Routledge Taylor & Francis Group, 2004. p. 1–18. E-book.

MESKELL, Lynn. Archaeologies of identity. In: HODDER, Ian (Org.). Archaeological Theory Today. 1. ed. Cambridge: Polity Press, 2001. p. 187–213.

MONTEIRO, Ana Maria. Professores: entre saberes e práticas. Educação & Sociedade, [S. l.], v. 22, n. 74, p. 121–142, 2001. Disponível em: https://doi.org/10.1590/s0101-73302001000100008

MONTEIRO, Ana Maria. Narrativa e narradores no ensino de história. In: MONTEIRO, Ana Maria; GASPARELLO, Arlette Medeiros; MAGALHÃES, Marcelo de Souza (Org.). Ensino De História. Sujeitos, Saberes E Práticas. Rio de janeiro: FAPERJ, Mauad, 2007. p. 119–135.

MONTEIRO, John Manuel. O desafio da hist6ria indigena no Brasil. In: SILVA, Aracy Lopes da; GRUPIONI, Luís Donisete Benzi (Org.). A temática indígena na escola: novos subsídios para professores de 1º e 2º graus. 1. ed. Brasilia: MEC/MARI/UNESCO, 1995. p. 221–236.

NEVES, Eduardo Góes. Os indios antes de Cabral: arqueologia e historia indigena no Brasil. In: SILVA, Aracy Lopes da; GRUPIONI, Luís Donisete Benzi (Org.). A temática indígena na escola: novos subsídios para professores de 1o e 2o graus. 1. ed. Brasilia: MEC/MARI/UNESCO, 1995. p. 171–196.

NEWBERRY, Teresa; TRUJILLO, Octaviana V. Decolonizing Education Through Transdisciplinary. In: SMITH, Linda Tuhiwai; TUCK, Eve; YANG, K. Wayne (Org.). Indigenous and decolonizind studies in education: mapping the long view. 1. ed. New York: Routledge Taylor & Francis Group, 2019. p. 204–214. E-book.

NOELLI, Francisco Silva; FERREIRA, Lúcio Menezes. A persistência da teoria da degeneração indígena e do colonialismo nos fundamentos da arqueologia brasileira. Historia, Ciencias, Saude - Manguinhos, [S. l.], v. 14, n. 4, p. 1239–1264, 2007. Disponível em: https://doi.org/10.1590/s0104-59702007000400008

OLIVEIRA, João Pacheco de. Muita terra para pouco índio? Uma introdução (crítica) ao indige- nismo e à atualização do preconceito. In: SILVA, Aracy Lopes da; GRUPIONI, Luís Donisete Benzi (Org.). A temática indígena na escola: novos subsídios para professores de 1º e 2º graus. 1. ed. Brasilia: MEC/MARI/UNESCO, 1995. p. 61–86.

OLIVEIRA, João Pacheco de. O nascimento do Brasil e outros ensaios: “pacificação”, regime tutelar e formação de alteridades. 1. ed. Rio de janeiro: Contra-Capa Livraria, 2016. E-book.

PERRENOUD, Philippe. 10 novas competências para ensinar. Porto Alegre: Artmed Editora, 2000.

RIBEIRO, Berta G. A contribuição dos povos indigenas a cultura brasileira. In: SILVA, Aracy Lopes da; GRUPIONI, Luís Donisete Benzi (Org.). A temática indígena na escola: novos subsídios para professores de 1º e 2º graus. 1. ed. Brasilia: MEC/MARI/UNESCO, 1995. p. 197–220.

SHANKS, Michael; TILLEY, Christopher. Social Theory and Archaeology. Albuquerque: University of New Mexico Press, 1988.

SILVA, Fabíola Andréa. El pasado en el presente de los Asurini do Xingu: Narrativas arqueológicas y narrativas indígenas. In: RIVOLTA M.C et al. (Org.). Multivocalidad y Activaciones Patrimoniales en Arqueología: Perspectivas desde Sudamérica. 1. ed. Buenos Aires: Universidad Naciolnal del Centro de la Província de Buenos Aires, Fundación de História Natural, 2014.

SOUZA, José Otávio Catafesto de. Indígenas no Rio Grande do Sul: breve relato de grupos humanos autóctones no sul do Brasil. In: FERNANDES, Evandro; CIBEL, Nora Cecília LIma Boccacio; LOPES, Véra Neusa (Org.). Da África aos indígenas do Brasil: caminhos para o estudo de História e Cultura Afro-brasileira e Indígena. 1. ed. Porto Alegre: UFRGS, 2016. p. 43–63. E-book.

TETTAMANZY, Ana Lúcia Liberato; FERREIRA, Buno. Das casas tomadas aos dragões: como a polenta da Serra Gaúcha se “descobre” indígena. In: FERNANDES, Evandro; CIBEL, Nora Cecilia Lima Boccacio; LOPES, Véra Neusa (Org.). Da África aos indígenas do Brasil: caminhos para o estudo de História e Cultura Afro-brasileira e Indígena. 1. ed. Porto Alegre: UFRGS, 2016. p. 163–183. E-book.

TOLENTINO, Átila Bezerra. O que não é educação patrimonial: cinco falácias sobre seu conceito e sua prática. In: TOLENTINO, Átila Bezerra; BRAGA, Emanuel Oliveira (Org.). Educação patrimonial: políticas, relações de poder e ações afirmativas. João Pessoa: IPHAN-PB, Casa do Patrimônio da Paraíba, 2016. p. 39–48. E-book.

TRIGGER, Bruce G. História do pensamento arqueológico. 1. ed. São Paulo: Odysseus Editora, 2004.

VASCONCELLOS, Camilo de Mello; ALONSO, Ana; LUSTOSA, Paulo Rodrigues. A abordagem do período pré-colonial brasileiro nos livros didáticos do ensino fundamental. Revista do Museu de Arqueologia e Etnologia, [S. l.], n. 10, p. 231–238, 2000.

VYGOTSKY, Lev Semyonovich. A formação social da mente. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1994.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Revista Arqueologia Pública

Downloads

Não há dados estatísticos.