A construção de narrativas e os estudos de cultura material

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rap.v17i00.8666338

Palavras-chave:

Estudos de cultura material, Arqueologia, Narrativas arqueológicas, Educação, Literatura

Resumo

A Arqueologia cresce em possibilidades na interface com os Estudos de Cultura Material, particularmente ao se aproximar de tempos mais recentes. O processo de construção de narrativas a partir das coisas é um domínio que pode ser aprofundado, do ponto de vista das linguagens, bem como do seu papel no processo de produção do conhecimento. O estudo tanto da construção de narrativas, quanto a aproximação aos Estudos de Cultura Material se mostram terreno fértil para pesquisadores, bem como campo em experimentações para estudantes de graduação. Nesse artigo desenvolvemos o potencial de exercícios de construção de narrativas a partir de práticas interdisciplinares com estudantes de graduação, especialmente em atenção a relação das coisas com as pessoas e os espaços. É apresentada também uma breve reflexão sobre a aproximação da arqueologia com a literatura. Nesse caso, trazemos para a cena Howard Philips Lovecraft e sua literatura Fantástica de Horror, observando como ela conversa e nos faz pensar sobre os estudos das coisas do passado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camilla Agostini, Universidade Estadual do Rio de Janeiro

Doutora em História pela Universidade Federal Fluminense. Professora adjunto no Departamento de Arqueologia na Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro - RJ. Brasil.

Enrico Baggio, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Graduando em Arqueologia no Departamento de Arqueologia, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro-RJ, Brasil.

Referências

ABREU, Camila. Quilombo de Maria Conga em Magé: memória, identidade e ensino de história. Dissertação de mestrado. Profhistória. Unirio, 2016.

ABREU, Martha e Mattos, Hebe. Passados Presentes, Caixa de DVDs, EDUFF, 2012.

Abreu, Martha & Mattos, Hebe. A História como Performance: Jongos, Quilombos e a Memória do Tráfico Ilegal de Escravizados Africanos (2015). In: DEAN, David. (Ed.) A Companion to Public History. Chichester (UK). John Willeys & son Ltda, 2016.

ABREU, Martha, MATTOS, Hebe & AGOSTINI, Camilla. Robert Slenes entre o passado e o presente: esperanças e recordações sobre diáspora africana e cultura negra no Rio de Janeiro. Em: RIBEIRO, Gladys Sabina et al. Escravidão e Cultura Afrobrasileira. Temas e problemas em torno da obra de Robert Slenes. Campinas, Editora da Unicamp, 2016.

ADOVASIO, James & PAGE, Jake. Os Primeiros Americanos. 1 ed. Rio de Janeiro: Editora Record, 2011.

ALBERIONE dos Reis. “Fazer Arqueologia no Mundo Antigo é Fácil. Os Romanos Eram Especialistas em Construir Ruínas” – E a teoria? Onde está a teoria no ensino de arqueologia?”. Habitus, v. 12, n. 2, p.271-290, jul./dez. 2014. DOI: https://doi.org/10.18224/hab.v12.2.2014.271-290

AGOSTINI, Camilla. A vida social das coisas e o encantamento do mundo na África Central e diáspora. Revista Métis, v. 10 n. 19, p.165-186. 2011.

AGOSTINI, Camilla. Temporalidades e saberes inscritos em ruínas e memórias. Vestígios. v.13, n. 1, p. 25-50 .2019. DOI: https://doi.org/10.31239/vtg.v1i13.14932

AGOSTINI, Camilla. Pedras Asas. Revista Traços. v. 1, n. 1. 2021.

ANTONIO, Jorge Luiz. Ciência, arte e metáfora na poesia de Augusto dos Anjos. 1 ed. São Paulo: Navegar Editora, 2004.

Arjun (Org.) A vida social das coisas. As mercadorias sob uma perspectiva cultural. Niterói: EdUFF, 2008.

BENJAMIN, Walter. O narrador. Considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: BENJAMIN, Walter (Ed.) Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. São Paulo: Brasiliense, 1985 (1993).

BELL, James A. Anarchy and Archaeology. In: PREUCEL, Robert W. Processual and postprocessual archaeologies: Multiples ways of knowing the past. 0 ed. Carbondale (USA): Southern Illinois University, 1991. pp.71-80.

BEZERRA, Marcia. Arqueologia, Turismo e Comunidades Locais: reflexões de uma Turista [arqueóloga] Aprendiz. In: Figueiredo, S.L.; Pereira, E.; Bezerra, M. (orgs.) Turismo e Gestão do Patrimônio Arqueológico. 1 ed. Belém: Iphan, 2012, pp.149-164.

BEZERRA, Marcia. Teto e Afeto: Sobre as pessoas, as coisas e a arqueologia na Amazônia. Belém: GKNoronha, 2017.

BONETTI, Alinne & SORAYA, Fleischer (Org.). Entre saias justas e jogos de cintura. Florianópolis: EDUNISC, 2007.

BRAGA Jr., Amaro Xavier. Quadrinhos Independentes: usando imagens para contar muito mais que história. História, Imagem e Narrativas. n. 14, p. 1-23 2012.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues & STRECK, Danilo Romeu. Pesquisa Participante. O saber da partilha. São Paulo: Ideias e Letras, 2006.

BRUNO, Maria Cristina Oliveira; NEVES, Katina Regina Felipini (Org.). Museus como agentes de mudança social e desenvolvimento: propostas e reflexões museológicas. São Cristóvão: Museu de Arqueologia de Xingó, 2008.

CABRAL, Mariana Petry. E se todos fossemos arqueólogos? Experiências na Terra Indígena Wajãpi. Anuário Antropológico Brasília: UnB, v. 39, n. 2), 2014a. DOI: https://doi.org/10.4000/aa.1269

CABRAL, Mariana Petry. De cacos, pedras moles e outras marcas: percursos de uma arqueologia não-qualificada. Revista de Antropologia (Online), v. 6, n. 2, 2014b. DOI: https://doi.org/10.18542/amazonica.v6i2.1871

CASTAÑEDA, Quetzil E. The past as transcultural space: using ethnographic installation in the study of archaeology. Public Archaeology: archaeological ethnographies, vol. 8, n. 2-3, p. 262-282, 2009. DOI: https://doi.org/10.1179/175355309X457277

CASTAÑEDA, Quetzil E. In search of adventure: Simmel and similar travels among ruins. Anthropological Quaterly, v. 90, n. 4, p.931-971, 2017. DOI: https://doi.org/10.1353/anq.2017.0057

CHAGAS, Mário. Diabruras do Saci: museu, memória, educação e patrimônio. Musas. Revista Brasileira de Museus e Museologia, n. 1, p. 136-146, 2004.

CHALHOUB, Sidney. Machado de Assis Historiador. 1 ed. São Paulo: Companhia de Letras, 2003.

CHALHOUB, Sidney. Apresentação. Revista de História Social, n.22-23, p. 7-15, 2012.

CHIAVERINI, Tomás. E se a gente fosse índio?. Entrevistados: NEVES, Eduardo Góes; KRENAK, Ailton; MATOS, Marcos de Almeida. Rádio Escafandro, ep. 29, junho de 2020. Disponível em: https://open.spotify.com/episode/1f1IH7ZyWwMDFFj9gQ6qrA?si=qYnW6KfpSvCZI_lacONWAA

CONDÉ, Maryse. Eu, Tituba Feiticeira Negra. 1 ed. São Paulo: Rocco, 1997.

CORNWELL, Bernard. O Último Reino. 1 ed. São Paulo: Editora Record, 2006.

COSTA, Fernando Moraes da. Se pouco se diz sobre o som, quem fala sobre o silêncio nos filmes?. Revista Gragoata. v. 9, n.16, p. 105-115, 2004. DOI: https://doi.org/10.22409/gragoata.v9i16.33341

COSTA, Marina da Silva. Da pedra ao pó: granito, megalitismo e cerâmica no Amapá Pré-Colonial (salpicado de ficção contemporânea das Minas Gerais). Dissertação (Mestrado em Arqueologia) – Universidade Federal de Minas Gerais, Minas Gerais, 2021.

DE CERTEAU, Michel. A escrita da história. 3 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2011.

FEYERABEND Paul. A ciência em uma sociedade livre. 1ed. São Paulo: Editora Unesp, 2011.

GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas e sinais: morfologia e História. 1 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

GINZBURG, Carlo. O fio e os rastros: verdadeiro, falso, fictício. 1 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

GONÇALVES, José Reginaldo Santos; GUIMARÃES, Roberta Sampaio; BITAR, Nina Pinheiro (orgs.). A alma das coisas: patrimônios, matrialidades e ressonância. 1 ed. Rio de Janeiro: MauadX/Faperj, 2013.

GONZALEZ-RUIBAL Alfredo. Hacía Otra Arqueología: diez propuestas. Complumtum, v.23, n. 2, p. 103-116 2012. DOI: https://doi.org/10.5209/rev_CMPL.2012.v23.n2.40878

Gonzalez-Ruibal, Alfredo. Malos nativos. Una crítica de las arqueologías indígenas y poscoloniales. Revista de Arqueologia, v. 27, n. 2, p. 47-63, 2014. DOI: https://doi.org/10.24885/sab.v27i2.403

HAMILAKIS, Yannis e THEOU, Efthimis. Enacted multitemporality: the archaeological site as a shared, performative space. In: GONZALEZ-RUIBAL, Alfredo. Reclaiming Archaeology. Beyond the tropes of modernity. Routledge, 2013, pp.181-194.

HARLAN, Mark E. Black and White Literature, Grey Scholars. Journal of the World Archaeological Congress, vol. 6, n. 2, p. 270-288, 2010 DOI: https://doi.org/10.1007/s11759-010-9143-7

HAVISER, Jay B. Slaveryland: A new genre of African heritage abuse. Public Archaeology, vol. 4, n. 1, p. 27-34, 2005. DOI: https://doi.org/10.1179/pua.2005.4.1.27

HOLTORF, Cornelius. Notes on the life history of a pot sherd. In: BUCHLI, Victor (Org.). Material Culture. Critical concepts in social sciences. London and New York: Routledge, 2004, pp.49-71. DOI: https://doi.org/10.1177/1359183502007001305

HOUELLEBECQ, Michel. H.P. Lovecraft: contra el mundo, contra la vida. Madrid, Espanha. Siruela, 2006.

JAPIASSÚ, H. Interdisciplinaridade e patologia do saber. 1 ed. Rio de Janeiro: Imago, 1976.

JACQ, Christian. Ramsés: O filho da Luz. 32 ed. São Paulo: Bertrand, 1998.

JOYCE, Rosemary. Introducing the first voice. In: JOYCE, Rosemary. The languages of Archaeology. Oxford: Blackwell, 2002, pp.4-17.

JOHNSON, Matthew. Teoría arqueológica: Una introducción. 1 ed. Barcelona. Ariel, S.A., 2000.

JUSKA, Darlene. The writing of ethnography: Magical Realism and Michael Taussig. JCRT. vol.5 (1) 2003.

KOPYTOFF, Igor. A biografia cultural das coisas: a mercantilização como processo. In: APPADURAI, Arjun (Org.). A vida social das coisas. As mercadorias sob uma perspectiva cultural. Niterói: EdUFF, 2008, pp.89-121.

KRENAK, Ailton. O amanhã não está à venda. 1 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2020a.

KRENAK, Ailton. A vida não é útil. 1 ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2020b.

LARROSSA, Jorge. Pedagogia profana: danças, piruetas e mascaradas. 6 ed. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2017.

LEITE, Caroline Alciones de O.; OLIVEIRA, Luiz Sérgio. Arte, educação e poder: discursos ocultos nas narrativas de museus brasileiros de arte. Ouvirouver, v.1, n. 2, p. 462-467, 2015. DOI: https://doi.org/10.14393/OUV17-v11n2a2015-12

LIMA, Henrique Espada. A micro-história italiana: escalas, indícios e singularidades. 1 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

LOPES, Reinaldo José. 1499: O Brasil Antes de Cabral. 1 ed. Rio de Janeiro: Editora HarperCollins, 2017.

LOVECRAFT, Howard Philips. O Chamado de Cthulhu. (1928) In: DOLHNIKOF, L. (Org.). Os Melhores Contos de H.P. Lovecraft. 1 ed. São Paulo: Editora Hedra, 2013.

LOVECRAFT, Howard Philips. Dagon. (1917). In: DOLHNIKOF, L. (Org.). Os Melhores Contos de H.P. Lovecraft. 1 ed. São Paulo: Editora Hedra, 2013.

LOVECRAFT, Howard Philips. O Caso de Charles Dexter Ward. (1927). In: DOLHNIKOF, L. (Org.). Os Melhores Contos de H.P. Lovecraft. 1 ed. São Paulo: Editora Hedra, 2013.

LOVECRAFT, Howard Philips. Os Ratos nas Paredes (1923). In: DOLHNIKOF, L. (Org.). Os Melhores Contos de H.P. Lovecraft. 1 ed. São Paulo: Editora Hedra, 2013.

LOVECRAFT, Howard Philips. O Modelo de Pickman (1926). In: DOLHNIKOF, L. (Org.). Os Melhores Contos de H.P. Lovecraft. 1 ed. São Paulo: Editora Hedra, 2013.

MAGESTE, Leandro Elias Canaan; MACEDO, Géssika Souza; PAES, Evanilza Lopes de Castro; dos SANTOS, Carlos Eduardo Ferreira. As arqueologias de São Braz do Piauí: apontamentos iniciais sobre as narrativas e usos dos bens arqueológicos no presente. Cadernos do Lepaarq, v. 17, n. 34, p. 164-182 2020. DOI: https://doi.org/10.15210/lepaarq.v17i34.19412

MILLER, Daniel. Trecos, troços e coisas: estudos antropológicos sobre a cultura material. 1 ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

MILLION, Tara. 2005. Developing an Aboriginal archaeology: receiving gifts from the White Buffalo Calf Woman. In: SMITH, CLAIRE & WOBST, Martin, H. Indigenous Archaeologies: decolonizing theory and practice. Abingdon/ New York: Routledge. pp: 39-51.

MORAES, Ana Cristina de; CASTRO, Francisco Mirtiel Frankson Moura. Por uma estetização da escrita acadêmica: poemas, cartas e diários envoltos em intenções pedagógicas. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 23, 2018. pp. 1-15. DOI: https://doi.org/10.1590/s1413-24782018230091

MORAES, Irislane Pereira de. Do tempo dos Pretos d´antes aos povos do Aproaga: patrimônio arqueológico e territorialidade quilombola no Vale do Rio Capim (PA). Dissertação (Mestrado em Antropologia), Universidade do Paraná, Paraná, 2012.

MORALES, Martha Helena Loeblein Becker. Fragmentos de História: passados possíveis no discurso da arqueologia histórica. Tese. (Doutorado em História), Universidade Federal do Paraná, Paraná, 2014.

O’DONNEL, Júlia e Pereira; de MIRANDA, Leonardo A. Cultura em movimento: Natalie Davis entre a antropologia e a história social. História Unisinos, v, 20, n. 2, p. 131-142, 2016. DOI: https://doi.org/10.4013/htu.2016.202.02

PAIVA, Eduardo França. Celebrando a alforria: amuletos e práticas culturais entre as mulheres negras e mestiças do Brasil. In: István Jancsó, Iris Kantor (Org.). Festa: cultura e sociabilidade na América Portuguesa. 1 ed. São Paulo: Fapesp, 2001.

PELLINI, José R. Os Sacerdotes da Verdade: ética e o conceito de registro arqueológico. Habitus, v.12, n.2, p.291-306, 2014. DOI: https://doi.org/10.18224/hab.v12.2.2014.291-306

PELLINI, José Roberto. Arqueologia com sentidos: uma introdução à Arqueologia Sensorial. Revista de Arqueologia Pública, 2015, p.1-12. DOI: https://doi.org/10.20396/rap.v9i4.8643516

PELLINI, José Roberto; ZARANKIN, Andrés; SALERNO, Melissa. Introduction. Abre tu sentidos. In: PELLINI, José Roberto; ZARANKIN, Andrés; SALERNO, Melissa (Eds.). Sentidos Indiciplinados. Arqueología, Sensorialidades e Narrativas Alternativas. Madrid: J.A.S. Arqueologia, 2017, pp.1-12.

PEREIRA, Daiane. O “Roubo das Urnas”: A Relação do Patrimônio Arqueológico Salvaguardado e os Coletivos Humanos. Habitus v.17, n. 1, p. 39-52 2019. DOI: https://doi.org/10.18224/hab.v17i1.7112

PETROLA, José. Sertão hoje: o que é literatura regional?. Blog Bar do Petrola. Publicado em 16 de fevereiro, 2021.

PEREIRA, Leonardo A. de Miranda. O avesso do mito: escravidão e relações de dependência em O Guarani. Literatura e Sociedade, v.24, n. 29, p.182-203, 2019. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2237-1184.v0i29p182-203

POLONI, Rita Juliana Soares; INFANTINI, Leandro; FERREIRA, Lucio Menezes; ALVES, Aluisio Gomes; MUNARETTO, Sara Teixeira. Uma perspectiva arqueológica sobre patrimônio negativo, destruição e ressignificação patrimonial. In: KNACK, Eduardo Roberto Jordão; GARCIA, Francielle; de FRAGA, Hilda Jaqueline; SANTOS, Maria Weber (org). História Cultural, Memórias e Resistências. Porto Alegre: Editora Fi, 2020, p. 199-216.

PRAETZELLIS, Adrian. Introduction: why every archaeologist should tell stories once in a while. Historical Archaeology, v. 32, n. 1, p. 1-3, 1998. DOI: https://doi.org/10.1007/BF03373607

PRATT, Mary Louise. Os olhos do império: relatos de viagem e transculturação. 1.ed. São Paulo: EDUSC, 1999.

RATHJE, William L. In praise of archaeology: Le Projet du Garbage. In: FERGUNSON, Leland (Ed.).

Historical Archaeology and the importance of material things. Charleston: SHA, 1977.

REVEL, Jacques. Microanálise e construção do social. In: REVEL, Jacques (org.) Jogos de escalas. A experiência da microanálise. 1 ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1996, p. 15-38.

RIBEIRO, Loredana. Maria, Párvoa exposta, Domingos, padre imaculado. Ensaio de Arqueologia Micro Histórica. Vestígios, v. 6 n. 2, p. 131-180, 2012. DOI: https://doi.org/10.31239/vtg.v6i2.10632

ROCA, Andrea. Los objetos de los otros em coleciones del passado: un análisis de los usos del tempo em um museo etnográfico. Arqueologia Sul-Americana, v. 4, n. 2, 2008, pp.

ROJAS, Carlos Antonio Aguirre. Indícios, leituras indiciárias, estratégia indiciária e saberes populares. Uma hipótese sobre os limites da racionalidade burguesa moderna. In: Micro-história italiana – modo de uso. Londrina: Eduel, 2012.

SENATORE, Maria Ximena & ZARANKIN, Andrés. Against the Domain of Master Narratives: Archaeology and Antarctic History. In: GNECCO, Cristóbal. & LANGEBAEK, Carl (Eds.). Against Typological Tyranny in Archaeology: a South American Perspective. Springer, 2013, p. 121-132. DOI: https://doi.org/10.1007/978-1-4614-8724-1_7

SCHAAN, Denise Pahl & ALVES, Daiana Travassos (Orgs.). Um porto, muitas histórias: arqueologia em Santarém. 1 ed. Belém: Gráfica Supercores, 2015..

SLENES, Robert W. Lares negros, olhares brancos: histórias da família escrava no século XIX. Revista Brasileira de História, v. 8, n. 16, p. 189-203, mar./ago. 1988.

SLENES, Robert W. Bávaros e Bakongo na ‘habitação de negros’: Johann Moritz Rugendas e a invenção do povo brasileiro. Trabalho em elaboração, mimeografado, versão 1995.

SOUZA, Josiane Nazaré Peçanha. Nossos passos vêm de longe: o ensino de história para a construção de uma educação antirracista e decolonial na educação infantil. Dissertação de Mestrado. Profhistória – UERJ, 2018.

SYMANSKI, Luís Cláudio Pereira & GOMES, Flávio dos Santos. Rebelião, ferreiros e cultura material: transcrições escondidas e a materialidade das resistências nas fazendas de café do Vale do Paraíba. In: SANTOS, Vanicléia Silva; SYMANSKI, Luís Cláudio Pereira; HOLL, Augustin (Org.). Arqueologia e história da cultura material na África e na diáspora africana. 1. ed. Curitiba: Brazil Publishing, 2019.

THOMPSON, Edward Palmer. Costumes e Cultura. In: THOMPSON, Edward Palmer. Costumes em Comum. 1 ed. São Paulo: Companhia. das letras, 1998.

ZARANKIN, Andrés. “A persistência da memória”... histórias não lineares de arqueólogos e foqueiros na Antártica. Revista de Arqueologia, v. 27, n. 2, p. 35-46 2014. DOI: https://doi.org/10.24885/sab.v27i2.402

ZARANKIN, Andrés. e SENATORE, Maria Ximena. Contos, “peixe grande” e arqueologia: repensando o caso da Antartida. In: MORALES, W; MOI, F. (Orgs.). Tempos Ancestrais. São Paulo: AnnaBlume, 2013, p. 281-301

MILLER, Daniel. Como conduzir uma etnografia durante o isolamento. Youtube. Disponível: https://youtu.be/WC24b3nzp98

WHITE, Hayden. An Old Question Raised Again: Is Historiography Art or Science? (Response to Iggers). Rethinking History, v. 4, n. 3, p. 391-406, 2000. DOI: https://doi.org/10.1080/136425200456958a

Downloads

Publicado

2022-01-31

Como Citar

AGOSTINI, C.; BAGGIO, E. . A construção de narrativas e os estudos de cultura material. Revista Arqueologia Pública, Campinas, SP, v. 17, n. 00, p. e022006, 2022. DOI: 10.20396/rap.v17i00.8666338. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rap/article/view/8666338. Acesso em: 30 jun. 2022.