Trajetórias Tecnológicas como Objeto de Política de Conhecimento para a Amazônia: uma metodologia de delineamento

Autores

  • Francisco de Assis Costa Universidade Federal do Pará

DOI:

https://doi.org/10.20396/rbi.v8i1.8648975

Palavras-chave:

Amazônia. Desenvolvimento regional. Trajetórias tecnológicas. Desenvolvimento rural. Instituições.

Resumo

A relação entre o conhecimento apropriado no processo produtivo e as características atuais e possibilidades futuras de desenvolvimento de base agrária na Amazônia tem merecido uma rica reflexão entre policy makers e advisers em posições relevantes no campo científico e tecnológico. Reconhece-se, cada vez mais, que, para se fazer frente às grandes tensões por que passa a região mediante a crise ecológica por trás do aquecimento global, há a necessidade de subverter a produção de ciência e tecnologia e a atitude do estado, revertendo a abordagem em relação à região, daquela atual, que a considera uma economia de fronteira baseada em produtividade espúria (Fajnzylber, 1988; Egler, 2006), para outra que a trate como uma fronteira do capital natural (Becker, 2004). Disso faria parte a formação de uma matriz de conhecimento com nexos consistentes entre conhecimento tácito das populações tradicionais e conhecimento codificado (Sá, 2006) e a integração entre o universo da produção de mercadorias e o da produção de conhecimento, de modo a garantir a formação de clusters competitivos de produtos e serviços baseados no uso sustentável dos recursos naturais (Vieira, 2006). Utilizando as noções de paradigmas tecnológicas e de desenvolvimento dependente de trajetória (Dosi, 2006; Arthur, 1994), o artigo procura tornar claras as dificuldades de tal reviravolta: uma vez que entre uma sociedade baseada em economia de fronteira e uma sociedade que seja fronteira de capital natural, há o abismo cognitivo criado pela razão industrialista e seus padrões de relação com a natureza, na forma de um paradigma de modernização industrial da agricultura, poderoso de muitos modos; uma vez que, também, entre instituições de acúmulo de conhecimento tácito e as de conhecimento codificado há a incongruência de suas respectivas matrizes, desde a profunda distinção nas percepções de sujeito e objeto até a visão de finalidade e sentido; uma vez que, finalmente, nos clusters e aglomerados locais residem assimetrias profundas, em que os paradigmas e padrões de relação com a natureza e a natureza dos paradigmas organizacionais consolidam práxis e atitudes profundamente distintivas – dos sujeitos da produção material entre si e entre estes e os sujeitos da formação e do controle do conhecimento. Com resultados da aplicação de técnicas de análise fatorial e de componentes principais aplicadas a uma base especial de dados do Censo agropecuário de 1995-1996 regionalizados em nível de microrregião, o artigo delimita seis trajetórias tecnológicas na Amazônia. Nelas as diferenças são especificadas a partir da diversidade estrutural e dos tipos de agentes. Verificam-se, isso posto, a importância social, a coerência com os critérios privados dominantes, as características tecnológicas expressas nas disponibilidades de capital físico e nas relações com os fundamentos naturais disponíveis, além do grau de favorecimento em relação aos mecanismos da política agrária. Expostas as trajetórias e suas posições paradigmáticas, a capacidade respectiva de concorrência e dinâmica demonstrada nos últimos dez anos, o artigo discute opções estratégicas, indicando a necessidade de esforços institucionais objetivos para tornar mais consistentes os fundamentos das trajetórias que poderiam favorecer um desenvolvimento com maior esperança de sustentabilidade (social e ambiental).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Francisco de Assis Costa, Universidade Federal do Pará

Colaborador do Núcleo de Altos Estudos Amazônicos e Programa de Pós-Graduação em Economia da Universidade Federal do Pará

Referências

Arthur, W.B. Increasing returns and path dependence in the economy, Michigan: The University of Michigan Press, 1994.

Backhaus, K.; Erichson, B.; Plinke, W.; Weiber, R. Multivariate Analysemethoden, Berlim: Springer, 2000.

Becker, B. Síntese da produção científica em ciências humanas na Amazônia: 1990-2002, Brasília, CGEE, 2004 (mimeo).

Becker, B. “Geopolítica da Amazônia”, Estudos Avançados, São Paulo: IEA–USP, 19(53), p.71-86, 2005a.

Becker, B. “Dinâmica urbana na Amazônia”, in Diniz, C.C.; Lemos, M.B., Economia e território, Belo Horizonte: EUFMG, p.401-428, 2005b.

Becker, B. “Síntese da produção científica em ciências humanas na Amazônia: 1990-2002”, in Becker, B.; Alves, D.; Costa, W., Dimensões humanas da biosfera-atmosfera na Amazônia, São Paulo: EDUSP, p.13-38, 2007.

Boyer, R. “Formalizing growth regimes”, in Dosi, G.; Freeman, C.; Nelson, R.; Silverberg, G.; Soete, L. (eds.), Technical change and economic theory, Londres, Nova York: Printer Publisher, p.608-635, 1988.

Bühl, A.; Zöfel, P. SPSS für Windows, Version 6.1: Praxisorientierter Einführung in die moderne Datenanalyse, Bonn: Addison, Wesley, Longman, 1996.

Castro, A.C. “Construindo pontes: inovações, organizações e estratégias como abordagens complementares”, Revista Brasileira de Inovação, v.3, n.2, jul.-dez., 2004.

CGEE–MCT/Embrapa/CONSEPA. Pesquisa sobre o papel das instituições estaduais de pesquisa agropecuária integrantes do Sistema Nacional de Pesquisa Agropecuária (Termo de Referência), Brasília, maio, 2006.

Costa, F. de A. Ecologismo e questão agrária na Amazônia, Belém: NAEA, Editora da UFPa, 1992.

Costa, F. de A. “O investimento camponês: considerações teóricas”, Revista de Economia Política, v.15, n.1, p.83-100, 1995.

Costa, F. de A. “O uso dos recursos naturais na Amazônia: anotações para uma agenda das ciências da sociedade”, in Moura, H.A. de (org.), A pesquisa social na Amazônia: avanços, lacunas e prioridades, Recife: FUNDAJ, Massangana, p.152-162, 1996.

Costa, F. de A. Ciência, tecnologia e sociedade na Amazônia, Belém: CEJUP, 1998.

Costa, F. de A. “Políticas públicas e dinâmica agrária na Amazônia: dos incentivos fiscais ao FNO”, in Tura, L.; Costa, F.A., Campesinato e Estado na Amazônia, Brasília: Brasília Jurídica, FASE, 2000a.

Costa, F. de A. Formação agropecuária da Amazônia: os desafios do desenvolvimento sustentável, Belém: NAEA, 2000b.

Costa, F. de A. “As ciências, o uso dos recursos naturais na Amazônia e a noção de desenvolvimento sustentável: por uma interdisciplinaridade ampla”, in Vieira, I; Silva, J.M.C.; Oren, D.C.; D’Incao, M.A., Diversidade biológica e natural da Amazônia, Belém: MPEG, 2001.

Costa, F. de A. “Questão agrária e macropolíticas para a Amazônia”, Estudos Avançados, São Paulo: IEA–USP, 19(53), 2005.

Costa, F. de A. A pesquisa agropecuária na Amazônia e os fundamentos do desenvolvimento rural, Belém: NAEA, 2006a (relatório de consultoria para o Centro de Gestão e Estudos Estratégicos – CGEE, Brasília).

Costa, F. de A. “Arranjos e sistemas produtivos e inovativos locais – As possibilidades do conceito na constituição de um sistema de planejamento para a Amazônia”, Revista Brasileira de Inovações, v.5, n.1, p.77-98, jan.-jun., 2006b.

Costa, F. de A. “Capoeiras, inovações e tecnologias rurais concorrentes na Amazônia”, in Costa, F. de A.; Hurtienne, T.P.; Kahwage, C., Inovação e difusão tecnológica para sustentabilidade da agricultura familiar na Amazônia, Belém: NAEA, p.21-60, 2006c.

Costa, F. de A. “Questão agrária na Amazônia e os sesafios estratégicos de um novo desenvolvimento”, in Becker, B.; Alves, D.; Costa, W., Dimensões humanas da biosfera-atmosfera na Amazônia, São Paulo: EDUSP, 2007a.

Costa, F. de A. “A relação dos preços na agricultura dos Estados Unidos: uma observação baseada em eficiência reprodutiva”, Economia,v.8, n.1 p.139-159, jan.-abr., 2007b.

Costa, F. de A. “A dinâmica peculiar dos investimentos agrícolas nos Estados Unidos (1948- 1994): uma explicação baseada em eficiência reprodutiva”, Economia, v.8, n.2, p.289-320, maio-ago., 2007c.

Dosi, G. “Technological paradigms and technological trajectories”, Revista Brasileira de Inovações, v.5, n.1, p.17-32, jan.-jun., 2006.

Egler, P. Organização e formas cooperativas da ciência e tecnologia na Amazônia, Brasília, CGEE, 2006 (mimeo.).

Fajnzylber, F. “Competitividad internacional en la América Latina”, Revista de la CEPAL, n.36, dez., 1988.

Goodman, D.; Sorj, B.; Wilkinson, J. Da lavoura às biotecnologias, Rio de Janeiro: Campus, 1988.

Hair, J.F.; Anderson, R.E.; Tatham, R.L.; Black, W.C. Multivariate data analysis, Nova Jersey: Prentice Hall, 1998.

Hayami, Y.; Ruttan, V.W. Agricultural development: an international perspective, Baltimore, Londres: Johns Hopkins University Press, 1980.

IBGE. Produção agrícola municipal – Brasil e estado do Pará, diversos anos.

Keynes, J.M. Teoria geral do emprego do juro e do dinheiro, Rio de Janeiro: Fundo de Cultura, 1970.

Martins, P.S. “Dinâmica evolutiva em roças de caboclos amazônicos”, Estudos Avançados, São Paulo: IEA–USP, 19(53), 2005.

Morel, R.L.M. Ciência e Estado: a política científica no Brasil, São Paulo: T.A. Queiroz, 1979.

Nelson, R.R.; Winter, S.G. An evolutionary theory of economic change, Cambridge, Londres: Harvard University Press, 1982.

Possas, M.L. “Racionalidade e regularidades: rumo a uma integração micro-macroeconômica”, Economia e Sociedade, n.2, ago., 1993.

Possas, M.L. “Demanda efetiva, investimento e dinâmica: atualidade de Kalecki para a teoria macroeconômica”, Revista de Economia Contemporânea, v.3, n.2, jul.-dez., 1999.

Possas, M.L.; Koblitz, A.; Licha, A.L.; Oreiro, J.L.; Dweck, E. “Um modelo evolucionário setorial”, Textos para Discussão, Porto Alegre, Programa de Pós-Graduação em Economia, n.1, 2001.

Prado, E. “Conceitos de ação racional e os limites do enfoque econômico”, Revista de Economia Política, v.13, n.1, jan.-mar., 2003.

Romeiro, A.R. Meio ambiente e dinâmica de inovação na agricultura, São Paulo: FAPESP, ANNABLUME, 1998.

Sá, T.D.A. “Subsídios a uma agenda de pesquisa agropecuária e florestal para a Amazônia”, paper apresentado no Fórum Regional para Fortalecimento da Pesquisa Agropecuária na Região Amazônica, Belém, 8/11/2006, Brasília, Embrapa, 2006.

Sales Filho, S.L.M.; Silveira, J.M.F.J. “A teoria da inovação induzida e os modelos ‘demand pull’: uma crítica com base no enfoque neo-shumpeteriano”, Anais do XXVIII Congresso Brasileiro de Economia e Sociologia Rural da SOBER, Florionópolis, 22-27 jul., 1990.

Simon, H. Reason in human affairs, Stanford: Stanford University Press, 1983.

Veiga, J.E. O desenvolvimento agrícola: uma visão histórica, São Paulo: EDUSP, HUCITEC, 1991.

Veiga, J.E. Metamorfoses da política agrícola dos Estados Unidos, São Paulo: FAPESP, ANABLUME, 1994.

Vieira, I. “Aproveitamento da biodiversidade com ênfase para oportunidades de uso a partir do conhecimento autóctone”, paper apresentado no Fórum Regional para Fortalecimento da Pesquisa Agropecuária na Região Amazônica, Belém, 8/11/2006.

Williamson, Oliver. The economic institutions of capitalism, Nova York: Free Press, 1985.

Downloads

Publicado

2009-10-30

Como Citar

COSTA, F. de A. Trajetórias Tecnológicas como Objeto de Política de Conhecimento para a Amazônia: uma metodologia de delineamento. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, SP, v. 8, n. 1, p. 35–86, 2009. DOI: 10.20396/rbi.v8i1.8648975. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/view/8648975. Acesso em: 28 set. 2021.

Edição

Seção

Artigos