A posição do Brasil na corrida pelo etanol celulósico: mensuração por indicadores C&T e programas de P&D

Autores

  • Iraci Souza João Universidade de São Paulo
  • Geciane Silveira Porto Universidade de São Paulo
  • Simone Vasconcelos Ribeiro Galina Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/rbi.v11i1.8649028

Palavras-chave:

Etanol celulósico. Redes de inovação. Bioen-Fapesp. Biomass program. CTBE.

Resumo

Embora o Brasil domine a tecnologia de produção de etanol de primeira geração, esse está ameaçado devido à possibilidade de se produzir etanol celulósico em escala comercial competitivamente. Assim, os objetivos da pesquisa foram verificar os resultados de esforços científicos e tecnológicos dos países no desenvolvimento do etanol celulósico, enfocando redes de inovação, e comparar os dois principais programas brasileiros de P&D (Bioen e CTBE) com o dos Estados Unidos (Biomass Program), país referência. Para tal, foram levantados indicadores de C&T nas bases Web of Science e Esp@cenet. Encontraram-se 78 solicitações de patentes e 320 artigos publicados. Nota-se considerável atraso brasileiro, com atuação regional do Estado e baixo envolvimento da iniciativa privada nas redes estudadas (duas empresas no Brasil contra 117 nos Estados Unidos), o que reduz as chances do Brasil em dominar essa nova rota tecnológica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Iraci Souza João, Universidade de São Paulo

Doutoranda em Administração de Organizações - FEARP-USP e professora de Gestão do IFTM.

Geciane Silveira Porto, Universidade de São Paulo

Professora Doutora do Departamento de Administração da FEARP-USP.

Simone Vasconcelos Ribeiro Galina, Universidade de São Paulo

Professora Doutora do Departamento de Administração da FEARP-USP.

Referências

AMATO NETO, J. Redes de cooperação produtiva e clusters regionais: oportunidades para as pequenas e médias empresas. São Paulo: Atlas, 2000.

ANFAVEA. Estatísticas. Disponível em: http://www.anfavea.com.br/tabelas.html. Acesso em: 08 jun. 2010.

BRASIL. Ministério de Minas e Energia (MME). Balanço Energético Nacional (BEN) 2009: ano base 2008 – relatório final. Rio de Janeiro: MME/EPE, 2009.

BRASIL. Ministério de Minas e Energia (MME). Balanço Energético Nacional (BEN) 2010: ano base 2009 – dados preliminares. Rio de Janeiro: MME/EPE, 2010.

BIOMASS PROGRAM. Project FactSheets. U.S. department of energy. Disponível em: http://www1.eere.energy.gov/biomass/factsheets.html. Acesso em: jun. 2010.

BORGATTI S. P.; FOSTER, P. C. The network paradigm in organizational research: a review and typology. Journal of Management, v. 29, p. 991-1013, 2003.

FAPESP. Brazilian research on bioenergy. São Paulo: Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de São Paulo, jun. 2010.

CARAYANNIS et al. Technological learning for entrepreneurial Development. International. Techovation, n. 26, p. 419-443, 2006.

CARDONA, C. A.; QUINTERO; J. A.; PAZ, I. C. Production of bioethanol from sugar-cane bagasse: status and perspectives. Bioresource Technology, n. 101, p. 4754-4766, 2010.

CTBE. Laboratório Nacional de Ciência e Tecnologia do Bioetanol. Disponível em: http://www.bioetanol.org.br/. Acesso em: jul. 2010.

ESPACENET. Advanced Search. Disponível em: http://ep.espacenet.com/advancedSearch?locale=en_EP. Acesso em: 08 jun. 2010.

FREEMAN, C. Network of innovators: a synthesis of research issues. Research Policy, v. 20, n. 5, p. 499-514, 1991.

GUARAU, C. Innovation networks in the biopharmaceutical sector: a study of UK small and medium sized enterprise. International Journal of Entrepreneurship and innovation management, v. 5, 2005.

IMAI, K.; BABA, Y. Systemic innovation and cross-border networks: transcending markets and hierarchies to create a new techno-economic system. OECD, Conference on Science Technology and Economic Growth. Paris, June 1989.

JENSEN, J. R; HALVORSEN, K. E.; SHONNARD, D. R. Ethanol from lignocellulosics. U.S. federal energy and agricultural policy, and the diffusion of innovation. Biomass and Bioenergy, In Press, 2010.

LEITE, R. C. de C.; LEAL, M. R. L. V. O biocombustível no Brasil. Novos Estudos, São Paulo, Cebrap, n. 78, jul. 2007.

LEMOS, C. Inovação na era do conhecimento. In: LASTRES, H. M. M.; ALBAGLI, S. (Orgs.). Informação e globalização na era do conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, 1999, cap. 5, p. 122-144.

MACEDO, I. C. Situação atual e perspectivas do etanol. Revista Estudos Avançados, v. 21, n. 59, 2007.

MACEDO, I. C.; SEABRA, J. E. A.; SILVA, J. E. A. R. Green house gases emissions in the production and use of ethanol from sugarcane in Brazil: the 2005/2006 averages and a prediction for 2020. Biomass and Bioenergy, London, UK, v. 32, n. 7, p. 582-595, 2008.

NEVES, M. F; TROMBIN, V. G.; CONSOLI, M. A. Mapeamento e quantificação do setor sucroenergético – versão preliminar. Ribeirão Preto: Markestrat/Fundace, 2009.

PELLEGRIN, I. de et al. Redes de inovação: construção e gestão da cooperação pró-inovação. R. Adm., São Paulo, v. 42, n. 3, p.313-325, jul./ago./set. 2007.

PORTO, G.S.; A decisão de cooperação universidade – empresa sob a ótica dos líderes de grupos de pesquisa da USP cadastrados no diretório de pesquisa do CNPQ. 2006. 187 p. Tese de Livre Docência - Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto -FEA-RP/USP , Departamento de Administração, Ribeirão Preto, 2006.

PYKA, A.; KUPPERS, G. (Eds.). Innovation networks – theory and practices. Edward Elgar Publishing, 2003.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. 3. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

RYCROFT, R. W.; KASH, D. E. Self-organizing innovation networks: implications for globalization. Technovation, v. 24, p. 187-197, 2004.

SACHS, I. Da civilização do petróleo a uma nova civilização verde. Revista Estudos Avançados, v. 19, n. 55, 2005.

SCHUMPETER, J. A. Teoria do desenvolvimento econômico. 3 ed. São Paulo: Nova Cultural, 1984.

TRETYAK, O. A. Network: a new phenomenon of coordination and management. Russian European Center for Economic Policy. Jul. 2001.

U.S. DEPARTMENT OF ENERGY. Renewable Energy Annual 2008: Report. Washington, DC: U.S. Energy Information Administration (EIA), August 2010, 134 p.

Downloads

Publicado

2012-04-01

Como Citar

JOÃO, I. S.; PORTO, G. S.; GALINA, S. V. R. A posição do Brasil na corrida pelo etanol celulósico: mensuração por indicadores C&T e programas de P&D. Revista Brasileira de Inovação, Campinas, SP, v. 11, n. 1, p. 105–136, 2012. DOI: 10.20396/rbi.v11i1.8649028. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rbi/article/view/8649028. Acesso em: 24 jun. 2022.

Edição

Seção

Artigos