Dossiê: “O último Baudelaire”: 200 anos de nascimento do poeta

2021-06-21

Dossiê: “O último Baudelaire”: 200 anos de nascimento do poeta.

Como definir o “último Baudelaire”? O último período da vida de Baudelaire começaria com os Paraísos Artificiais? Ou com a estada do poeta na Bélgica, na primavera de 1864?

Os últimos anos da vida de Baudelaire coincidem com a afirmação de um Baudelaire polemista, que já se mostrava em seus primeiros artigos de crítica literária. Projéteis, Meu coração desnudado, La Belgique déshabillée (Pobre Bélgica) e outros textos mais breves, como o projeto de carta para Jules Janin, estão atravessados por um sopro vingativo: Baudelaire reage vigorosamente nesses textos contra o que considera como aberrações filosóficas e estéticas. Desenvolve uma eloquência incisiva, provocante e hiperbólica.

Esse período é, além disso, fecundo em experimentações formais: novos projetos são elaborados, desenhando o retrato de um Baudelaire filósofo, moralista e aforista – particularmente, o projeto de um volume de poemas em prosa, do qual permaneceu O spleen de Paris e um projeto autobiográfico, dos quais Projéteis, Meu coração desnudado e algumas páginas de La Belgique déshabillée são remanescentes.

O “último Baudelaire” convida ainda a uma reflexão a respeito do inacabamento das obras literárias. No prefácio de sua edição de Fusées et Mon coeur mis à nu, André Guyaux aproxima esses textos, marcados pela “descontinuidade”, das Iluminações de Rimbaud. Poderíamos falar de uma “poética do fragmento” baudelairiano? De uma estética baudelairiana do inacabamento?

Na ocasião do bicentenário de Baudelaire, propomos analisar essas questões, assim como outras, que cercam o “último Baudelaire”. O dossiê também espera receber trabalhos que se debrucem sobre a recepção literária e crítica, como a tradução desse corpus. Qual o impacto da publicação dos Pequenos poemas em prosa num sistema literário? Como a prosa baudelairiana foi e vem sendo lida e traduzida? O que a história da recepção do “último Baudelaire” pode nos ensinar sobre a nossa própria história literária? Qual a contribuição da produção acadêmica para a compreensão dessa fase final da vida e da obra do poeta?

Org. : Andrea Schellino (Università Roma Tre), Aurélia Cervoni (Sorbonne Université), Eduardo Veras (UFTM), Gilles J. Abes (UFSC).

Data final de submissão: 15 de novembro de 2021