O caráter continuísta do discurso oficial sobre configuração de um sujeito docente para o trabalho com a leitura literária no ensino médio do século XXI

Autores

  • Rodrigo Alves dos Santos Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.20396/remate.v34i2.8635857

Palavras-chave:

Discurso oficial. Trabalho com a leitura literária. Ensino médio. Formação e atuação do professor de português.

Resumo

O presente artigo toma como objeto de investigação os Parâmetros Curriculares Nacionais do Ensino Médio (PCN), os PCN+ e as Orientações Curriculares Nacionais, especificamente no que se referem à componente curricular de Língua Portuguesa. Desenvolve o argumento de que uma leitura analítica desses documentos oficiais permite constatar um caráter de continuidade no discurso que vem configurando o modo de existência docente configurador da formação e da atuação do professor do chamado novo Ensino Médio, no que ele se refere à formação e a atuação do professor de Língua Portuguesa para o trabalho com a leitura literária. Neste artigo, o discurso veiculado nos documentos analisados é considerado como uma prática (FOUCAULT, 1995a, 1996). Isso significa que ele é tomando não como representação das coisas, dos objetos, dos sujeitos de que trata, mas como espaço de produção deles. No que se refere ao trabalho com a leitura literária nos anos finais da chamada nova Educação Básica, o sujeito demandado foi nomeado como um formador de leitores críticos de textos literários, conforme constado nas Orientações Curriculares Nacionais. Assim, o indivíduo que aspira a vir a ser professor de Língua Portuguesa para o trabalho com a leitura literária no novo Ensino Médio deverá, para ocupar a posição demandada no discurso aqui estudado, se tornar uma pessoa mais consciente sobre o público para o qual leciona – os jovens –, mais esclarecida quanto aos objetivos do seu trabalho, menos preconceituosa, mais bem informada, atualizada, usuária de tecnologias, leitora... A análise realizada permite constatar que há um caráter de continuidade no discurso que constrói e prescreve regras para a atuação e formação do professor de português para o trabalho com o texto literário no ensino de nível médio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rodrigo Alves dos Santos, Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais

Possui graduação em Letras Licenciatura - Língua Portuguesa e respectivas literaturas pela Universidade Federal de Viçosa (1997), mestrado em Ciências e Praticas Educativas pela Universidade de Franca (2003) e Doutorado em Educação pela Universidade Federal de Minas Gerais (2009). Tem experiência nas áreas de Letras e Educação, com ênfase em Educação, Linguagem e suas Tecnologias, atuando como professor e pesquisador principalmente nos seguintes temas: formação de leitores e leitura literária, uso das tecnologias de informação e comunicação (TIC) em contextos escolares de nível médio e superior; formação de professores, didática, métodos e técnicas de ensino/aprendizagem no ensino médio e no superior.

Referências

AGUIAR, Vera Teixeira de; BORDINI, Maria da Glória. Literatura: a formação do leitor: alternativas metodológicas. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1988.

AGUIAR E SILVA, Vítor. “Tese sobre o ensino do texto literário na aula de português. In: Diacrítica. Revista do Centro de Estudos Humanísticos. n.13-14. Braga: Universidade do Minho, 1998/1999. p. 23-31.

ALMEIDA, Maria Cristina Alves de. As tecnologias da informação e comunicação, os novos contextos de ensino-aprendizagem e a identidade profissional dos professores. Tese (Doutorado em Educação). - Faculdade de Psicologia e Ciências da Educação, Universidade do Porto, 2006.

BRASIL. Constituição da Republica Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBN): Lei N. 9.394/96. 2. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 1999a.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais: ensino Médio. Brasília: Ministério da Educação, 1999b

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. PCN+ Ensino Médio: Orientações Educacionais Complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Brasília: Ministério da Educação, 2002.

BRASIL. Ministério da Educação. Orientações curriculares para o ensino médio. Linguagens, códigos e suas tecnologias / Secretaria de Educação Básica. – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2006.

BUARQUE, Cristovam. A aventura da universidade. 2. ed. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

CEIA, Carlos. Ser professor de literatura. In.: MELLO, Cristina; SILVA, Antonino; LOURENÇO, Clara Moura; OLIVEIRA, Lúcia; ARAÚJO E SÁ, Maria Helena (Orgs.). Didácticas das línguas e literaturas em Portugal: contextos de emergência, condições de existência e modos de desenvolvimento. Actas do I Encontro Nacional da SPDLL. Coimbra: Pé de Página, 2002. p. 33-39.

CHARTIER, R. A ordem dos livros: leitores, autores e bibliotecas entre os séculos XIV e XVIII. Tradução de Mary Del Priore. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1994.

CHARTIER, Roger. Práticas de leitura. São Paulo: Estação Liberdade, 1997.

COSSON, Rildo. Letramento literário: teoria e prática. São Paulo: Contexto, 2007.

COSTA, Leonardo Figueiredo. “Um estudo de caso sobre a mediação cultural”. Disponível em www.cult.ufba.br/enecult2009/19356.pdf. Consulta em 10/10/2009.

CURY, Maria Zilda. A historiografia literária em questão. In: PAULINO, Graça; WALTY, Ivete (Orgs). Teoria da literatura na escola: atualização para professores de I e II graus. Belo Horizonte, MG: Editora Lê, 1994. p. 55-68.

DELORS, Jacques. Educação: um tesouro a descobrir. Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre a educação para o século XXI. 5. ed. Tradução de José Carlos Eufrázio. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: MEC: UNESCO, 2001.

DELORS, Jacques (Org.). A educação para o século XXI: questões e perspectivas. Tradução de Fátima Murad. Porto Alegre: Artmed, 2005.

DEMO, Pedro. Educar pela pesquisa. 6ª ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2003.

DINIZ-PEREIRA, Júlio Emílio. Formação de professores: pesquisa, representações e poder. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

EVANGELISTA, Aracy Martins. “Algumas reflexões sobre a relação literatura/escola”. Disponível em www.anpede.org.br/reunioes/24/T008587950265.doc . Acesso em 02/05/06.

EVANGELISTA, Aracy Alves Martins. Escolarização da literatura entre ensinamento e mediação cultural: formação e atuação de quatro professoras. 2000. 294 f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2000.

FISCHER, Rosa Maria Bueno. Foucault e a análise do discurso em educação. Cadernos de Pesquisa, n.114, novembro de 2001. p. 197-223.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural do Collège de France, pronunciada em 02 de dezembro de 1970. Tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio. 2. ed. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

FOUCAULT, Michel Arqueologia do saber. Tradução de Luiz Felipe Baeta Neves. Rio de Janeiro: Forense universitária, 1995a.

FREITAS, H.C.L. Certificação docente e formação do educador: regulação e desprofissionalização. Educação & Sociedade, Campinas, v. 24, n. 85, p. 1095-1124, dez. 2003.

FREITAS, H.C.L. A (nova) política de formação de professores: a prioridade postergada. Educação & Sociedade, Campinas, vol. 28, n. 100 - Especial, p. 1203-1230, out. 2007

GARCIA, Carlos Marcelo. Formação de professores: para uma mudança educativa. Tradução de Isabel Narciso. Porto: Porto Editora. 1999.

GARCIA, Carlos Marcelo. Formación del profesorado: para el cambio educativo. Barcelona: PPU, 1994

GARCIA, Maria Manuela Alves. Pedagogias críticas e subjetivação: uma perspectiva foucaultiana. Petrópolis, RJ.:Vozes, 2002.

GAUTHIER, C. et.al. Por uma teoria da Pedagogia: pesquisas contemporâneas sobre o saber docente. Tradução de Francisco Pereira. Ijuí: Ed. UNIJUÌ, 1998.

GERALDI, João Wanderlei. (Org.). O texto na sala de aula. São Paulo: Ática, 2003.

GIASSON, Joycelyne. La Lecture: de La théorie à la pratique. Adaptation réalisée par Tessa Escoyez. 2ª.ed. Bruxelles: Gaëtan Morin Editeur; 2004; Montreal: De Boeck, 2003.

GREGOLIN, Maria do Rosário. Foucault e Pechêux na análise do discurso: diálogos e duelos. 3. ed. São Paulo: Editora Claraluz, 2007.

HOUDART, Violaine. L’ouvre intégrale: aperçu historique et enjeux. In.: Le français aujourdhui. Paris, 1997, n. 117. p. 03-13.

LAJOLO, Marisa. Do mundo da leitura para a leitura do mundo. 6ª. ed. São Paulo: Ática, 2002.

LAJOLO, Marisa. Literatura: leitores e leitura. São Paulo: Moderna, 2001.

LEAHY, Cyana. A educação literária e as políticas oficiais. In: PAULINO, Graça; COSSON, Rildo (Orgs.). Leitura literária: a mediação escolar. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, 2004.

LEITE, Ligia Chiappini Moraes. Invasão da catedral: literatura e ensino em debate. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1983.

MAGNANI; Maria do Rosário Mortatti. Leitura, literatura e escola. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

MARTINS, Aracy; CORRÊA, Hércules. O jogo dos saberes literários (Apresentação) In.: PAIVA, Aparecida; MARTINS, Aracy; PAULINO, Graça; CORRÊA, Hércules; VERSIANI, Zélia. Literatura: saberes em movimentos. Belo Horizonte: Ceale, Autêntica, 2007.

MELLO, Cristina. O ensino da literatura e a problemática dos gêneros literários. Coimbra: Almedina, 1998.

MELLO, Cristina. Leitura e memória literária. In.: MELLO, Cristina (Coord.). I Jornadas científico-pedagógicas de português. Coimbra: Almedina, 1999. p.219-228

NÓVOA, António. et. al. Os professores e sua formação. Tradução de Graça Cunha, Cândida Hespanha, Conceição Afonso e José António de Sousa Tavares. Lisboa: Dom Quixote, 1992.

NÓVOA, António. Profissão professor. 2. ed. Tradução de Irene Lima Mendes, Regina Correia e Luísa Santos Gil. Porto: Porto Editora, 1999.

NÓVOA, António et.al. Vidas de professores. 2.ed. Tradução de Maria dos Anjos Caseiro e Manuel Figueiredo Ferreira. Porto: Porto Editora, 2000.

PARAÍSO, Marlucy Alves. Currículo e mídia educativa brasileira: poder, saber e subjetivação. Chapecó: Argos. 2007.

PAULINO, Graça. Letramento Literário: cânones estéticos e cânones escolares. Caxambu-MG: ANPED. Texto encomendado: GT 10 - Alfabetização Leitura e Escrita. Texto eletrônico, 1999. 17 p.

PAULINO, Graça; COSSON, Rildo (Orgs.). Leitura literária: a mediação escolar. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, 2004.

ROSIER, Jean-Marie. Désacraliser la littérature. In.: Chiers Pédagogiques. n.313. Paris: avril, 1993, p. 48-49.

PAULINO, Graça; WALTY, Ivete; FONSECA, Maria Nazareth; CURY, Maria Zilda. Tipos de textos, modos de leitura. Belo Horizonte: Formato Editorial, 2001.

RANGEL, E. “O. Letramento literário e livro didático de língua portuguesa: ‘os amores difíceis’. In.: PAIVA, Aparecida; MARTINS, Aracy Alves; PAULINO, Graça; VERSIANI, Maria Zélia (Org.). Literatura e Letramento: espaços, suportes e interfaces. Belo Horizonte: Autêntica/Ceale/FAE/UFMG, 2003.

SARGENTINI, Vanice; BARBOSA, Pedro Navarro (orgs). Foucault e os domínios da linguagem: discurso, poder, subjetividade. São Carlos: Claraluz, 2004.

SILVA, Ezequiel Teodoro da. Leitura & realidade brasileira. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1983.

SOARES, Magda. A escolarização da literatura infantil e juvenil. In.: MARTINS, Aracy; BRANDÃO, Heliana Maria Brina; MACHADO, Maria Zélia Versiani (Orgs). Escolarização da leitura literária. Belo Horizonte: Autêntica, 1999. p. 17-48.

WALTY, Ivete Lara Camargos. Leitura literária em tempos de crise. In.: http://www.ich.pucminas.br/posletras/A%20leitura%20literaria%20em%20tempos%20de%20crise.pdf . Acesso em: 18 mar. 2009a.

WILLIGEN, John Van. Applied Anthropology: An Introduction. South Hadley: Bergin and Garvey Publishers. 1993.

ZILBERMAN. Regina. A leitura e o ensino da literatura. São Paulo: Contexto, 1988.

ZILBERMAN, Regina (Org.). A leitura na Escola . In: Leitura em Crise na Escola: as alternativas do professor. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1986.

ZINANI, Cecil Jeanine Albert; SANTOS, Salete Rosa Pezzi dos. Parâmetros Curriculares Nacionais e ensino de literatura. In.: PAULINO, Graça; COSSON, Rildo (Orgs.). Leitura literária: a mediação escolar. Belo Horizonte: Faculdade de Letras da UFMG, 2004, p. 63-74.

Downloads

Publicado

2014-11-25

Como Citar

SANTOS, R. A. dos. O caráter continuísta do discurso oficial sobre configuração de um sujeito docente para o trabalho com a leitura literária no ensino médio do século XXI. Remate de Males, Campinas, SP, v. 34, n. 2, p. 421–441, 2014. DOI: 10.20396/remate.v34i2.8635857. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8635857. Acesso em: 26 nov. 2022.

Edição

Seção

Documentos oficiais e políticas públicas de ensino