Problemas do ensino da literatura: do perigo ao voo possível

Autores

  • Giselle Larizzatti Agazzi Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/remate.v34i2.8635858

Palavras-chave:

Ensino de literatura. Formação de professores. Função humanizadora da literatura.

Resumo

Os problemas sobre a formação do leitor de textos literários são inúmeros e têm se adensado nos últimos anos. A reflexão proposta sobre esse amplo e complexo panorama da educação literária se dá em torno das polêmicas que acompanharam a publicação dos documentos oficiais - PCN, PCNEM e Orientações Curriculares Nacionais -, expressas em “Literatura”, de Enid Yatsuda Frederico e Haquira Osakabe (2004). A discussão percorre alguns dos questionamentos de Rildo Cosson (2009), Graça Paulino (2002) e Todorov (2009), quando se debruçam sobre as práticas pedagógicas desenvolvidas nas últimas décadas, fazendo reverberar vozes e letras tão antigas como as da professora Lígia Chiappini, ao publicar já em 1983 sua Invasão da catedral: literatura e ensino em debate. A perspectiva assumida é a de que há um progressivo afastamento entre o público e as obras e que ele acontece, ironicamente, por meio das relações entre literatura e ensino. Vê-se nos espaços escolares, acadêmicos a preocupação com a história e as correntes literárias, a biografia dos escritores, as fortunas críticas e, não, com a leitura dos textos literários.  Nesse contexto, a literatura, para falar com Todorov (2009), fica em perigo, porque colocada dentro de um ciclo vicioso: os professores vivenciam cada vez menos o texto literário e, com isso, suas práticas são cada vez menos empenhadas na formação do leitor literário. O empobrecimento na educação literária revela-se como um impasse de difícil superação, tratado aqui como um eixo em torno do qual se desdobram os problemas do ensino da literatura. Trata-se da formação inicial e continuada docente, que pouco avançou no que diz respeito à formação dos professores como leitores literários.  A aposta é a de que professores com experiências literárias vivas transformam gradativamente as práticas pedagógicas assumidas no cotidiano escolar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giselle Larizzatti Agazzi, Universidade de São Paulo

Possui graduação em Letras pela Universidade de São Paulo (1992), mestrado (1998) e doutorado em Literatura Brasileira pela Universidade de São Paulo (2004). Lecionou no ensino fundamental e médio entre 1990 e 2008 e leciona no ensino superior desde 1999. Atualmente, desenvolve um projeto de tradução como doutoranda da área de Língua, Literatura e Cultura Italiana da Universidade de São Paulo (desde 2009). Coordenou e participou do Projeto de Extensão;Formação de Leitores da Rede Pública de Ensino de São Vicente. Atua principalmente nos seguintes temas: ensino e literaturas.

Referências

INSTITUTO PRÓ-LIVRO. 3ª Edição Retratos da Leitura no Brasil. 2011. Disponível em www.prolivro.org.br. Acesso em junho de 2013.

INSTITUTO PAULO MONTENEGRO. Indicador Nacional de Analfabetismo Funcional: um diagnóstico para a inclusão social pela educação. São Paulo: IPM:AE 2005. Disponível em http://www.ipm.org.br/download/inaf05.pdf. Acesso em junho de 2013.

Entrevista com Graça Paulino. http://www.youtube.com/watch?v=_lSQvbhWZCE. Acesso em junho de 2013.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais. Ensino Fundamental Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL, Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares nacionais. Ensino Médio. Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Brasília, MEC; SEMTEC, 2002.

BRASI. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Orientações Curriculares para o Ensino Médio. Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Brasília, MEC, SEMTEC, 2006.

INEP. Prova Brasil. Disponível em http://sistemasprovabrasil2.inep.gov.br/ Acesso em janeiro de 2013.

ABDALA, Benjamin Jr. História Literária e o Ensino das Literaturas de Língua Portuguesa. In: De Vôos e Ilhas. Literatura e Comunitarismos. São Paulo: Auteliê, 2003.

BOSI, Alfredo. Por um historicismo renovado: Reflexo e reflexão em história literária e “Os estudos literários na era dos extremos”. In: Literatura e Resistência. São Paulo, Companhia das Letras, 2002.

CANDIDO, Antônio. A literatura e a formação do homem. In: Revista Ciência e Cultura, v.24, nº 9, 1972.

CANDIDO, Antônio. O direito à literatura. In: Vários Escritos. São Paulo/Rio de Janeiro, Duas Cidades, 2004. pp. 169 a 192.

COSSON, Rildo. Letramento literário: teoria e prática. São Paulo: Contexto, 2009.

FREDERICO, Enid Yatsuda e Osakabe, Haquira. “Literatura”. In Orientações Curriculares do Ensino Médio Brasília: MEC/SEB/DPPEM, 2004. http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/03Literatura.pdf. Acesso em junho de 2013.

FREIRE, Paulo. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Autores Associados: Cortez, 1989.

GERALDI, João Wanderley. O texto na sala de aula. São Paulo, Ática, 2011.

LEAHY-DIOS, Cyana. Educação Literária como Metáfora Social. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

LEITE, L. C. M. Invasão da catedral: literatura e ensino em debate. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1983.

PAULINO, Graça. Letramento literário: por vielas e alamedas. Revista da FACED, n.5, 2001.

SILVA, Ezequiel Theodoro da. O Ato de Ler: Fundamentos Psicológicos para uma Nova Pedagogia da Leitura. São Paulo: Cortez Editora, 2002.

TODOROV, Tzvetan. A literatura em perigo. Rio de Janeiro: Difel, 2009.

Downloads

Publicado

2014-11-25

Como Citar

AGAZZI, G. L. Problemas do ensino da literatura: do perigo ao voo possível. Remate de Males, Campinas, SP, v. 34, n. 2, p. 443–458, 2014. DOI: 10.20396/remate.v34i2.8635858. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8635858. Acesso em: 26 nov. 2022.

Edição

Seção

Documentos oficiais e políticas públicas de ensino