Alguns descompassos no ensino de literatura: documentos e práticas oficiais

Autores

  • Mayra Pinto Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/remate.v34i2.8635859

Palavras-chave:

Ensino de literatura. Documentos oficiais.

Resumo

Quando os Parâmetros Curriculares Nacionais para o ensino básico foram divulgados (1998, 2000 e 2002), a orientação metodológica no ensino de Língua Portuguesa (LP) teve uma guinada importante não só para o estudo do texto de um modo geral, mas também para o ensino de literatura. Os textos literários passaram a conviver com textos de outras esferas em um mesmo grau de importância. Sob a perspectiva do ensino de literatura, há uma série de problemas cuja origem pode estar em um emprego inadequado dessa orientação metodológica. Atualmente, no campo do ensino de literatura, há uma vertente crítica (FISCHER et al., 2012; BELINTANE, 2011; ZILBERMAN, 2009; PAULINO e COSSON, 2009; RANGEL, 2005) que constata um ensino ou ainda tradicional, por não privilegiar o texto literário, ou pendente para o desaparecimento completo devido a certas práticas institucionais – avaliações oficiais e livros didáticos onde  a formação de um leitor literário vem sendo cada vez menos exigida e trabalhada. Há documentos oficiais que procuram dialogar com essa vertente - as Orientações Curriculares do Ensino Médio (2004 e 2006), o Guia de Livros Didáticos: PNLD 2013 (2012) e o documento Por uma política de formação de leitores (2006) são alguns exemplos. No entanto, esse diálogo parece ainda não ter ecoado em certas práticas institucionais. No momento atual, observa-se, em relação ao ensino de literatura, uma espécie de descompasso entre o que orientam alguns documentos oficiais e certos critérios de avaliação de determinadas instâncias oficiais. Neste artigo, busca-se compreender quais seriam os processos educacionais, sociais e culturais que sustentaram e sustentam essa desconformidade. Além disso, busca-se justificar o ensino de literatura de uma perspectiva psicanalítica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mayra Pinto, Universidade de São Paulo

Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo (2010). Atualmente desenvolve pesquisa de pós-doutorado (USP) e é professora efetiva do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia de São Paulo. Participa como membro-estudante do GP / CNPq / USP Grupo de Estudos do Discurso da USP -GEDUSP (www. gedusp.org). É autora de coleções didáticas de Português para os anos finais do Ensino Fundamental e de Noel Rosa: o humor na canção.

Referências

BAKHTIN, Mikhail. Marxismo e filosofia da linguagem. Tradução de Michel Lahud e Yara Frateschi Vieira com a colaboração de Lúcia Teixeira Wisnik e Carlos Henrique D. Chagas Cruz. 4. ed. São Paulo: Hucitec, 1988.

BELINTANE, Claudemir. A oralidade faz escrita na(s) infâncias(s): pesquisas e reflexões sobre a relação oralidade – escrita nos anos iniciais de escolarização. Tese (Livre Docência) – Faculdade de Educação/USP, 2011.

BENJAMIN, Walter. O narrador. Considerações sobre a Obra de Nikolai Leskov. Tradução de Sergio Paulo Rouanet. In: Magia e técnica, arte e política. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1986, pp. 197-221.

BERENBLUM, Andréa; PAIVA, Jane. Por uma política de formação de leitores. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2006.

BIRMAN, Joel. Fantasiando sobre a sublime ação. In: Bartucci, G. Psicanálise, arte e estéticas da subjetivação. Rio de Janeiro: Imago, 2002, pp. 89-130.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Terceiro e Quarto Ciclo do Ensino Fundamental – Brasília. MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Médio. Brasília: MEC/Semtec, 2000.

BRASIL. PCN+ ensino médio: orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais.Volume Linguagens, códigos e suas tecnologias. Brasília: MEC/SEMTEC, 2002.

BRASIL. Orientações curriculares do ensino médio. Linguagens, códigos e suas tecnologias / Secretaria de Educação Básica. – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2006.

BRASIL. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica. Guia de livros didáticos: PNLD 2013: letramento e alfabetização e língua portuguesa. – Brasília: 2012. 256 p.

CRIOLO. Entrevista disponível em http://www1.folha.uol.com.br/ilustrada/1150334-emicida-e-criolo-gravam-primeiro-dvd.shtml. Acesso em 24.10.2012.

DELEUZE, Gilles. O Abecedário de Gilles Deleuze. Transcrição integral do vídeo, 1988. Disponível em: http://www.ufrgs.br/corpoarteclinica/obra/abc.prn.pdf. Acesso em 19 de outubro de 2012.

FERREIRA, Maíra Soares. A rima na escola, o verso na história. São Paulo: Boitempo Editorial, 2012.

FISCHER, Luís Augusto; LUFT, Gabriela; FRIZON, Marcelo; LEITE, Guto; LUCENA, Karina; VIANNA, Carla; WELLER, Daniel. A Literatura no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). Nonada Letras em Revista. Porto Alegre, ano 15, n. 18, p. 111-126, 2012. Disponível em http://seer.uniritter.edu.br/index.php/nonada/article/viewFile/531/315. Acesso em 11 de julho de 2013.

FREUD, Sigmund. Escritores criativos e devaneios. In: Edição Eletrônica de Freud. Texto integral da Edição Standart Brasileira das Obras Psicológicas Completas de Sigmund Freud. Vol. IX. Tradução de Maria Aparecida Moraes Rego. Rio de Janeiro: Imago, 1988.

OSAKABE, Haquira; FREDERICO, Enid Yatsuda. Literatura. Orientações curriculares do ensino médio. Brasília: MEC/ SEB/ DPPEM, 2004.

OSAKABE, Haquira; FREDERICO, Enid Yatsuda. Poesia e indiferença. In: Leituras literárias: discursos transitivos. Aparecida Paiva, Aracy Martins, Graça Paulino, Zélia Versiani (orgs.) Belo Horizonte: Ceale; Autêntica, 2005. P. 37-54.

PAULINO, Graça; COSSON, Rildo. Letramento literário: para viver a literatura dentro e fora da escola. In: RÖSING, Tânia M.K; ZILBERNAM, Regina (orgs.). Escola e leitura: velha crise, novas alternativas. São Paulo: Global, 2009. 61-79.

PETIT, Michèle. A arte de ler ou como resistir à adversidade. Tradução de Arthur Bueno e Camila Boldrini. 2 ed. São Paulo: Editora 34, 2012.

RANGEL , Egon de Oliveira. Literatura e livro didático no ensino médio: caminhos e ciladas na formação do leitor. In: Leituras literárias: discursos transitivos. Aparecida Paiva, Aracy Martins, Graça Paulino, Zélia Versiani (orgs.) Belo Horizonte: Ceale; Autêntica, 2005. P. 143-162.

ROJO, Roxane. O texto como unidade e o gênero como objeto de ensino de Língua Portuguesa. In: L. C. Tavaglia (Org.) Encontro na linguagem – Estudos lingüísticos e literários. Uberlândia, MG: EDUFU, 2006, pp. 51-80.

VOLOCHÍNOV, Valentin N. A construção da enunciação e outros ensaios. Organização, tradução e notas de João Wanderley Geraldi. São Carlos, Pedro & João Editores, 2013.

ZILBERMAN, Regina. Que literatura para a escola? Que escola para a literatura? Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade de Passo Fundo – v. 5 – n. 1 – 9-20 – jan./jun. 2009.

ZILBERMAN, Regina. A escola e a leitura da literatura. In: RÖSING, Tânia M.K; ZILBERNAM, Regina (orgs.). Escola e leitura: velha crise, novas alternativas. São Paulo: Global, 2009a. P. 17-39.

Downloads

Publicado

2014-11-25

Como Citar

PINTO, M. Alguns descompassos no ensino de literatura: documentos e práticas oficiais. Remate de Males, Campinas, SP, v. 34, n. 2, p. 459–476, 2014. DOI: 10.20396/remate.v34i2.8635859. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8635859. Acesso em: 26 nov. 2022.

Edição

Seção

Documentos oficiais e políticas públicas de ensino