Segundo Camões, a pedagogia de Vênus e Cupido pelo amor no mundo

Autores

  • Luis Maffei Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.20396/remate.v34i2.8635862

Palavras-chave:

Os Lusíada. Vênus. Pedagogia. Amor. Revolução.

Resumo

Este ensaio se propõe refletir acerca do papel desempenhado por Vênus e Cupido n’Os Lusíadas no que tange a uma pedagogia amorosa. A partir do estatuto mitológico de que desfrutam, a deusa do amor e seu filho, no Canto IX do poema, propõem uma radical mudança no mundo, reposicionando o amor, fundamental traço do humano na mundivisão camoniana, no topo de uma escala de valores justa e educativa. O trabalho pensado por Vênus, não obstante guardar desconcertos intrínsecos, visa a concertar  a desorientação no mundo, causada, entre outros aspectos, pela valorização do dinheiro e do mercantilismo. Como é utópica a ficcional a tarefa de Vênus, ela se situa dentro do poema, criando uma associação entre amor e experiência poética.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luis Maffei, Universidade Federal Fluminense

Professor de Literatura Portuguesa da Universidade Federal Fluminense. Possui graduação em Letras pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (1999), mestrado (2003) e doutorado (2007) em Literatura Portuguesa pela mesma instituição - neste último, apresentou a tese Do Mundo de Herberto Helder. É também poeta, tendo publicado, em 2006, A, em 2008, Telefunken, em 2010, 38 Círculos, em 2011, Pulsatilla e em 2013, Signos de Camões. Em 2012, estreou como contista com o livro Contos da colina 11 Ídolos do Vasco e sua imensa torcida bem feliz, escrito em parceria com Nei Lopes e Mauricio Murad. Coorganizou, com Mayara R. Guimarães, o livro de contos Extratextos 1 – Clarice Lispector, Personagens Reescritos,  no qual também participa como contista. Como ensaísta, tem textos publicados em diversas revistas, como Metarmofoses, Ipotesi e Via Atlântica,  e as portuguesas Colóquio/Letras, Relâmpago, Telhados de Vidro e Cadernos de Literatura Comparada. Coordena, para a editora Oficina Raquel, a série Portugal, dedicada à novíssima poesia portuguesa. Escreveu, com Pedro Eiras, A Vida Repercutida – Uma Leitura da Poesia de GastãoCruz (Lisboa, Esfera do Caos, 2012). Organizou, em parceria com Ida Alves, o livro Poetas que Interessam Mais – Leituras da Poesia Portuguesa Pós-Pessoana (Azougue); com Lilian Jacoto, Soldado aos Laços das Constelações – Herberto Helder (Lumme); e com Jorge Fernandes da Silveira, Poesia 61 Hoje (Oficina Raquel). Pelo conjunto da obra, recebeu o prêmio Icatu de Artes - Literatura, 2013. É Sócio Benfeitor do Real Gabinete Português de Leitura do Rio de Janeiro.

Referências

BELO, Ruy. Poesia e educação. In: Na senda da poesia. Organização de Maria Jorge Vilar de Figueiredo. Lisboa: Assírio & Alvim, 2002.

BRUNEL, Pierre (Org.). Dicionário de mitos literários. 3. ed. Tradução de Carlos Sussekind, Jorge Laclette, Mª Thereza Rezende Costa e Vera Whately. Brasília: Editora UNB/ Rio de Janeiro: José Olympio, 2000.

CAMÕES, Luís de. Os Lusíadas. Edição organizada por Emanuel Paulo Ramos. Porto: Porto Editora, 1978.

CAMÕES, Luís de. Rimas. Edição de Álvaro J. da Costa Pimpão. Coimbra: Almedina, 2005.

GUSMÃO, Manuel. Aprender a poesia com Ruy Belo. In: Tatuagem & palimpsesto – da poesia em alguns poetas e poemas. Lisboa: Assírio & Alvim, 2010.

HELDER, Herberto. Ofício cantante – poesia completa. Lisboa: Assírio & Alvim, 2009.

MARQUETTI, Flávia R. Afrodite. In: RIBEIRO JR., Wilson Alves (Org.). Hinos homéricos – tradução, notas e estudo. São Paulo: Editora UNESP, 2010.

MOURA, Vasco Graça. A mitologia n’ “Os Lusíadas”. Vénus e Marte e a sua tradução humana. In: Luís de Camões: alguns desafios. Lisboa: Vega, 1980.

OLIVEIRA, Maria de Lourdes Abreu de. Versão camoniana da trajetória de um amor além da vida e da morte. In: Eros e Tanatos no universo textual de Camões, Antero e Redol. São Paulo: Annablume, 2000.

SARAIVA, António José. Luís de Camões. 2. ed. Lisboa: Europa-América, 1972.

SILVEIRA, Jorge Fernandes da. Sem as pe(r)nas do povo, o real e a análise – Camões entre dois pontos: o Crítico (Saraiva) e o Poético (Cesário). In: O Tejo é um rio controverso. Rio de Janeiro: 7Letras, 2008.

Downloads

Publicado

2014-11-25

Como Citar

MAFFEI, L. Segundo Camões, a pedagogia de Vênus e Cupido pelo amor no mundo. Remate de Males, Campinas, SP, v. 34, n. 2, p. 513–530, 2014. DOI: 10.20396/remate.v34i2.8635862. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8635862. Acesso em: 9 dez. 2022.

Edição

Seção

Ensino e literatura portuguesa