Apontamentos para leitura de poemas em sala de aula

Autores

  • Éverton Barbosa Correia Universidade Federal da Paraíba

DOI:

https://doi.org/10.20396/remate.v34i2.8635864

Palavras-chave:

Ensino de literatura. Poesia brasileira. Murilo Mendes.

Resumo

Embora o texto poético traga consigo a emotividade inerente á expressão subjetiva, seria oportuno observar esta modalidade discursiva através de sua porção de racionalidade com o propósito de explicitar o que a poesia pode nos oferecer como objeto de linguagem. Uma vez que o estudo da poesia se limita com diversas disciplinas afins, interessa discriminar como sua tradução no poema pode dispor de algo de específico, haja vista que a lírica se constitui como sendo, por excelência, o reino da subjetividade e da ambiguidade. A partir daí, ao invés de desenvolver uma reflexão ancorada nalgum princípio poético, acompanharemos o modo como três leitores de poesia se voltaram para o estudo da poesia de Murilo Mendes, a saber, José Guilherme Merquior (A razão do poema), Antonio Candido (Na sala de aula) e Murilo Marcondes de Moura (Leitura de poesia). Com isso, o que se espera é apresentar um painel que demonstre como a poesia tem sido lida no Brasil e como podemos aproveitar sua leitura em sala de aula, para além de sua condição instrumental, mas passando por ela. Ao final, intenta-se apresentar os entraves que tem dificultado a apreciação da poesia e esboçar alguma perspectiva de enfrentamento à sua leitura, sem receios, sem banalizações e sem lhe descaracterizar enquanto objeto específico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Éverton Barbosa Correia, Universidade Federal da Paraíba

Doutor em Teoria Literária e Literatura Comparada pela Universidade de São Paulo, onde desenvolveu a tese “A poética do engenho: a obra de João Cabral sob a perspectiva canavieira”. Depois desenvolveu pesquisa em nível de pós-doutorado com apoio da FAPESP sob a supervisão de Marcos Siscar, na ocasião em que abordou a obra de Manuel Bandeira e de Joaquim Cardozo como interlocutores de João Cabral. Atualmente é professor do Departamento de Letras da UFPB/Mamanguape, onde investiga a obra de Joaquim Cardozo.

Referências

CANDIDO, Antonio. Na sala de aula. 8ª edição. São Paulo: Ática, 2000.

MENDES, Murilo. Poesia completa e prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994.

MERQUIOR, José Guilherme. Razão do poema. 2ª edição Rio de Janeiro: Topbooks, 1996.

MOURA, Murilo Mancondes de. “Os jasmins da palavra jamais”. in: BOSI, Alfredo (org.). Leitura de poesia. São Paulo: Ática, 1996. pp. 101-123.

Downloads

Publicado

2014-11-25

Como Citar

CORREIA, Éverton B. Apontamentos para leitura de poemas em sala de aula. Remate de Males, Campinas, SP, v. 34, n. 2, p. 549–564, 2014. DOI: 10.20396/remate.v34i2.8635864. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8635864. Acesso em: 26 nov. 2022.

Edição

Seção

Ensino e literatura portuguesa