O fim do cânone e nós com isso

Autores

  • Luis Augusto Fischer Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.20396/remate.v34i2.8635866

Palavras-chave:

Ensino de literatura no Brasil. História dos cursos de letras no Brasil. O fim do cânone.

Resumo

O artigo procura situar o problema de uma falência do cânone literário na história do Brasil, especialmente na história do ensino de literatura e dos cursos de Letras no Brasil: primeiro, oferecendo uma descrição crítica do processo; segundo, detectando o aspecto centrífugo de vários processos ocorridos nos tempos recentes, relativamente ao cânone; terceiro, descrevendo algumas decorrências do que podemos chamar de superespecialização nos estudos literários. Finalmente, evoca os grandes valores implicados na difusão da literatura e procura afirmar certas tarefas dos cursos de Letras, formadores dos futuros professores da escola, considerando-as segundo os problemas do presente, sempre tendo em vista, como horizonte geral, o ensino de literatura no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luis Augusto Fischer, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Luís Augusto Fischer é professor associado de Literatura Brasileira na UFRGS, onde trabalha há mais de 30 anos. Atualmente faz estágio de pós-doutorado na Sorbonne III, Paris. É também escritor, com uma série de publicações. Entre elas está seu Dicionário de porto-alegrês (L&PM), a novela Quatro negros (L&PM) e os ensaios Machado e Borges (Arquipélago), Inteligência com dor - Nelson Rodrigues ensaísta (Arquipélago) e Filosofia mínima (Arquipélago). Tem também um trabalho de edições anotadas de clássicos brasileiros, no qual se destaca o conjunto dos romances de Machado de Assis (L&PM) e Contos gauchescos e Lendas do Sul (L&PM). Sua publicação mais recente é a edição e o prefácio de Os romances de Machado de Assis, pela Glaciar Editora, de Lisboa, Portugal, 2014.

Referências

AGUIAR, Flávio (org.). Antonio Candido – Pensamento e militância. São Paulo: Ed. Fund. Perseu Abramo; Humanitas; FFLCH-USP, 1999.

AZEVEDO, Sílvia Maria; CALIPO, Daniela; DUSILEK, Adriana; (orgs). Machado de Assis – crítica literária e textos diversos. São Paulo: editora da UNESP, 2013.

CALDWELL, Helen Caldwell. Machado de Assis: The brazilian master and his novels. University of California Press, Jan 1, 1970.

CALDWELL, Helen Caldwell. O Otelo brasileiro de Machado de Assis. Tradução de Fabio Fonseca de Mello. Cotia, SP: Ateliê, 2002.

CANDIDO, Antonio. Formação da Literatura Brasileira: momentos decisivos. Belo Horizonte: Itatiaia. 2000.

CÉSAR, Guilhermino (seleção e apresentação). A contribuição europeia: crítica e história literária. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos; São Paulo: Editora da USP, 1978.

DANTAS, Vinícius. Bibliografia de Antonio Candido. São Paulo: Duas Cidades e Editora 34, 2002.

LAFER, Celso (org.). Esboço de figura – Homenagem a Antonio Candido. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1979.

FAORO, Raymundo. Machado de Assis: a pirâmide e o trapézio. São Paulo, Companhia Editora Nacional, 1974.

FISCHER, Luís Augusto; LUFT, Gabriela; FRIZON, Marcelo; LEITE, Guto; LUCENA, Karina; VIANNA, Carla; WELLER, Daniel. A Literatura no Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM). Nonada Letras em Revista. Porto Alegre, ano 15, n. 18, p. 111-126, 2012.

FISCHER, Luís Augusto. “A formação vista desde o sertão”. In Revista Brasileira de Literatura Comparada. n. 18, 2011.

FISCHER, Luís Augusto. “Erico Verissimo, historiador da literatura”, revista SIGNO, Santa Cruz do Sul, v. 30, n. 49, pp. 9-34, juz-dez 2005.

FISCHER, Luís Augusto. “Formação, hoje: uma hipótese analítica, alguns pontos cegos e seu vigor”. In Literatura e sociedade, 2009.

FISCHER, Luís Augusto. “Formação, hoje: uma hipótese analítica, alguns pontos cegos e seu vigor”. In CORDEIRO, Rogério et alii (orgs.). A crítica literária brasileira em perspectiva. Cotia, SP: Ateliê Editorial, 2013.

FISCHER, Luís Augusto. Machado e Borges. Porto Alegre: Arquipélago, 2008.

FONSECA, Maria Augusta et al. (orgs). Revista Literatura e Sociedade. N. 11. São Paulo: Zeppelini Editorial, 2009.

GOTTSCHALL, Johnathan. The storytelling animal ― How stories make us human New York: Harcourt, 2012.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos – Ensaios de antropologia simétrica. Trad. Carlos Irineu da Costa. Rio de Janeiro: Editora 34, 1994.

MLODINOV, Leonard. Subliminar – Como o inconsciente influencia nossas vidas. Tradução de Claudio Carina. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

ROUANET, Sérgio Paulo. “Reinventando as humanidades”. In As razões do Iluminismo. São Paulo: Cia. das Letras, 1987.

SODRÉ, Nelson Werneck. História da literatura brasileira. 4ª edição, Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1964.

MOOG, Vianna Clodomir. Uma interpretação da literatura brasileira. Instituto Estadual do Livro, Governo do Estado do Rio Grande do Sul, 2006.

PETIT, Michèle. A arte de ler, ou Como resistir à adversidade. Tradução de Arthur Bueno e Camila Boldrini. São Paulo: Ed. 34, 2009.

SERNA, Jorge Ruedas de la (org.). História e literatura – Homenagem a Antonio Candido. Campinas, SP: Editora da Unicamp; São Paulo: Fundação Memorial da América Latina e Imprensa Oficial do Estado de S. Paulo, 2003.

SOUZA, Roberto Acízelo de. Introdução à historiografia da literatura brasileira. Rio de Janeiro: Editora da UERJ, 2007.

VERÍSSIMO, Érico. Brazilian literature – an outline. The Macmillan Company, 1945.

ZILBERMAN, Regina; MOREIRA, Maria Eunice. O berço do cânone. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1998.

Downloads

Publicado

2014-11-25

Como Citar

FISCHER, L. A. O fim do cânone e nós com isso. Remate de Males, Campinas, SP, v. 34, n. 2, p. 573–611, 2014. DOI: 10.20396/remate.v34i2.8635866. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8635866. Acesso em: 9 dez. 2022.

Edição

Seção

Cânone e ensino de literatura