Plantar poesia

  • Cida Sepulveda Prefeitura Municipal de Campinas
Palavras-chave: Poesia.

Resumo

Não há liberdade de criação se a gente faz concessões ao ambiente literário. Inclusive, o fazer diferente é uma armadilha para muita gente que tenta romper com a tradição, na presunção de inovar. A inovação é resultado de um processo, às vezes, doloroso, no qual se busca uma linguagem própria. O artista não inventa nem o mundo, nem uma nova linguagem, mas sintetiza seu repertório linguístico e emocional, a partir da experimentação, da recombinação dos elementos culturais, artísticos e vivenciais que o caracterizam ser.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cida Sepulveda, Prefeitura Municipal de Campinas
Poeta e contista. Colaboradora do jornal Rascunho. Professora do ensino público fundamental II na cidade de Campinas, SP. Autora de Sangue de Romã (poemas, Scortecci, 2004),  Fronteiras – Poemas (poemas, Pontes, 2008), Coração Marginal (prosa poética, Bertrand, 2007), Todo amor tem seu dia de punhal (Editora 7 Letras, 2011), e Oficina de gramatica – metalinguagem para principiantes (em co-autoria com Angela B. Kleiman Editora Pontes, 2012).
Publicado
2015-03-06
Como Citar
Sepulveda, C. (2015). Plantar poesia. Remate De Males, 34(2), 659-660. https://doi.org/10.20396/remate.v34i2.8635871
Seção
Depoimentos