Coisas, e a morte que existe nelas. Murilo Mendes e o trabalho do poeta

Autores

  • Eduardo Sterzi Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/remate.v32i1.8636210

Palavras-chave:

Murilo Mendes. Poesia. Trabalho. Mercadoria. Sublime.

Resumo

É constante na obra de Murilo Mendes a crítica à ideia de trabalho. Se, por um lado, tal crítica coincide com aquela de Marx à alienação do trabalhador em seu produto, por outro Murilo, de maneira criticamente irônica, acaba por conceber o trabalho do poeta como uma espécie de mímese explicitadora – ao mesmo tempo que transfiguradora – deste processo de alienação e reificação. Do mesmo modo, o poeta compartilha da crítica marxista da mercadoria, sem, no entanto, abrir mão da energia implícita na lógica vertiginosa desta, tampouco da força plástica inerente a suas fantasmagorias. Com essa poética da ambivalência, de quem não crê em simples recusa ou abstenção frente à negatividade do real, Murilo parece buscar não fugir à história e à sua verdade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Sterzi, Universidade Estadual de Campinas

Prof. Dr. do Depto de Teoria Literária do IEL

Referências

ANDRADE, Carlos Drummond de. Reunião. Rio de Janeiro: José Olympio, 1969.

AUERBACH, Erich. “Na mansão de la Mole”. In Mimesis. A representação da realidade na literatura ocidental. Trad. Suzi Frankl Sperber. São Paulo: Perspectiva, 1971, pp. 395-430.

BENJAMIN, Walter. “Brinquedo e brincadeira. Observações sobre uma obra monumental”. In Magia e técnica, arte e política. Trad. Sergio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1987, pp. 249-253.

BENJAMIN, Walter. “Parque central”. In Charles Baudelaire. Um lírico no auge do capitalismo. Trad. José Carlos Martins Barbosa e Hemerson Alves Baptista. São Paulo: Brasiliense, 1989.

CALASSO, Roberto. “Esconderijos”. In Os 49 degraus. Trad. Nilson Moulin. São Paulo: Companhia das Letras, 1997.

CALASSO, Roberto. Candido, Antonio. “O mundo desfeito e refeito”. In Recortes. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

CALASSO, Roberto. “Pastor pianista/pianista pastor”. In Na sala de aula. Caderno de análise literária. São Paulo: Ática, 1985.

CURTIUS, Ernst Robert. “O mundo às avessas”. In Literatura europeia e Idade Média latina. São Paulo: Hucitec: Edusp, 1996.

EAGLETON, Terry. A ideologia da estética. Trad. Mário Sá Rego Costa. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1993.

FREITAS JÚNIOR, Otávio de. “Murilo Mendes”. In Ensaios de crítica de poesia. recife: Norte, 1941.

FREUD, Sigmund. “Além do princípio de prazer”. In Além do princípio de prazer. Psicologia de grupo e outros trabalhos. Trad. Christiano Monteiro Oiticica. Rio de Janeiro: Imago, 1988.

LINS, Alvaro. “Murilo Mendes: o positivo e o negativo na originalidade”. In Os mortos de sobrecasaca. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1963.

LONGINO, Do sublime. Trad. Filomena Hirata. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

MARX, Karl. Manuscritos: economía y filosofía. Trad. Francisco Rubio Llorente. Madrid: alianza, 1995.

MARX, Karl. e ENGELS, Friedrich. Sobre literatura e arte. Trad. Albano Lima. Lisboa: estampa, 1974.

MENDES, Murilo. Poesia completa e prosa. Org. Luciana Stegagno Picchio. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994.

MENDES, Murilo. Recordações de Ismael Nery. São Paulo: Edusp; Giordano, 1996.

MERQUIOR, José Guilherme. “Murilo Mendes ou a poética do visionário”. In Razão do poema. Rio de Janeiro: Topbooks, 1996.

NEEDELL, Jeffrey D. Belle époque tropical. Sociedade e cultura de elite no Rio de Janeiro na virada do século. Trad. Celso Nogueira. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

PASCAL, Blaise. Pensamentos. Trad. Sérgio Milliet. São Paulo: Abril Cultural, 1984.

PEREIRA, Lúcia Miguel. “Jorge de Lima e Murilo Mendes: harmonia e diferenças”. In A leitora e seus personagens. Rio de Janeiro: Graphia, 1992.

RÓNAI, Paulo. Balzac e A comédia humana. Porto Alegre: Globo, 1957.

SARTRE, Jean-Paul. “Aminadab o de lo fantástico considerado como un lenguaje”. In Escritos sobre literatura. Trad. Luis Echávarri, v. 1. Madrid: Alianza; Buenos Aires: losada, 1985.

SPITZER, Leo. “La enumeración caótica en la poesía moderna”. In Lingüística e historia literaria. Madrid: Gredos, 1974.

STERZI, Eduardo. “Murilo carioca. Espaço, metamorfose, catástrofe, poesia”. In Letterature d’America, 112 (2006).

Downloads

Publicado

2012-09-27

Como Citar

STERZI, E. Coisas, e a morte que existe nelas. Murilo Mendes e o trabalho do poeta. Remate de Males, Campinas, SP, v. 32, n. 1, p. 35–51, 2012. DOI: 10.20396/remate.v32i1.8636210. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8636210. Acesso em: 22 jan. 2022.