O que é reprodução mecânica

Autores

  • Robert Hullot-Kentor Long Island University

DOI:

https://doi.org/10.20396/remate.v29i1.8636285

Palavras-chave:

Teoria Literária. Crítica literária. Tecnologia das Letras.

Resumo

Em "A obra de arte na era da reprodutibilidade técnica", Walter Benjamin elabora uma teoria da reprodução em massa que é considerada como sendo amplamente explicativa, a despeito de detalhes contraditórios que nela se acumulam insistentemente. Com essa constatação, o autor desenvolve uma crítica ao ensaio de Benjamin, partindo desses detalhes insistentes e encontrando o conceito de reprodução mecânica como seu ponto de convergência. Levando em conta o fato de que tais inconsistências são notadas apenas muito raramente, o autor conclui que o próprio ensaio é aurático, o que contradiz a ideia de Benjamin sobre a relação entre a reprodução mecânica e o esvanecimento da aura. A investigação dessa relação leva à conclusão de que uma aura de autenticidade tal como aquela concebida por Benjamin não é capaz de dar conta do fato de que a reprodução é algo inerente à obra de arte, o que é ilustrado, por exemplo, pelo fato de que os livros necessitam de ser reproduzidos para que possam ser lidos. A aura, então, é algo que ultrapassa a materialidade da obra, e sua força não é necessariamente ausente em uma cópia. Surpreendentemente, essa refutação do argumento de Benjamin se encontra em um livro do próprio autor, a Origem do drama trágico alemão, o que expande o foco do texto para a relação entre o conceito de reprodução mecânica e a obra de Benjamin. Por meio da única leitura formal da reprodução técnica em todo o ensaio, o conceito é entendido como sendo a produção de uma imagem que não é um reflexo do eu, e as contradições entre o ensaio em questão e o conjunto da obra de Benjamin são então concebidas como o resultado da reprodução mecânica: "A obra de arte na era da reprodutibilidade técnica" reproduz mecanicamente os insights anteriores de Benjamin, mas em uma forma vazia de auto-reconhecimento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Robert Hullot-Kentor, Long Island University

Professor do Departamento de Inglês da Long Island University. Um dos principais estudiosos de T. W. Adorno nos EUA.

Referências

ADORNO, Theodor W. e HORKHEIMER, Max. “Odysseus or Myth and Enlightenment” (trad. Robert Hullot-Kentor), retirado de Dialectic of Enlightenment. In: New German Critique 56, 1992, p.109-142.

ADORNO, Theodor W. Aesthetic Theory (ed. Rolf Tiedemann e Gretel Adorno, trad. Robert Hullot-Kentor). Minnesota: University of Minnesota Press, 1997.

BENJAMIN, Walter. “The Work of Art in the Age of Mechanical Reproductions” (trad. Harry Zohn). In: Illuminations. Boston: Schocken, 1976.

BENJAMIN, Walter. “A obra de arte na época da sua reprodução técnica” (trad. José Lino Grünnewald). In: Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1975, vol.16, p.10-34.

BENJAMIN, Walter. The Origin of the German Tragic Drama (trad. John Osborne). Londres: NLB, 1977.

BENJAMIN, Walter. Origem do drama trágico alemão (trad. João Barrento). Lisboa: Assírio e Alvim, 2004.

HAHL-KOCH, Jelena (ed.). Arnold Schoenberg and Wassily Kandinsky: Letters, Pictures, Documents (trad. John C. Crawford). Londres: Thames and Hudson, 1984.

SCHOLEM, Gershom e ADORNO, Theodor W. (eds.). The Correspondence of Walter Benjamin (trad. Manfred R. Jacobson e Evelyn M. Jacobson). Chicago: University of Chicago Press, 1994.

Downloads

Publicado

2010-07-07

Como Citar

HULLOT-KENTOR, R. O que é reprodução mecânica. Remate de Males, Campinas, SP, v. 29, n. 1, p. 9–23, 2010. DOI: 10.20396/remate.v29i1.8636285. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8636285. Acesso em: 7 dez. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)