Arcádia melodiosa no Brasil

Autores

  • Pedro Marques Universidade Federal de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/remate.v37i1.8648221

Palavras-chave:

Lírica. Poesia colonial brasileira. Análise de poesia.

Resumo

A lírica árcade modera as convenções clássicas. A máquina poético-retórica forjada a partir do século XVI, no XVIII, refunde-se numa estilização didática. Poeta e público pactuam a mediania culta, de alusões mitológicas e intertextuais, a figuras semânticas e construtivas, passando por ritmos e formas. Partilha-se a dicção afável ao espírito educado, nem erudito nem néscio. A lição horaciana do mesclar graça e utilidade dirige as composições, valoriza a ilustração deleitos

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Marques, Universidade Federal de São Paulo

Professor de Literatura Brasileira da EFLCH-UNIFESP. Bacharel e Licenciado em Letras pelo IEL-UNICAMP (2000). Mestre (2003) e Doutor (2007) em Teoria e História Literária pelo IEL-UNICAMP. Pós-doutor (2016) multidisciplinar em Culturas e Identidades Brasileiras pelo IEB-USP. Ações e publicações voltadas, em geral, para composição e apreciação de poesia. Atuou na graduação, pós-graduação e extensão de instituições como UNICAMP e UNITAU. Editor das revistas de poesia Salamandra (2001), Camaleoa (2002) e Lagartixa (2003). Editor dos sites Poesia à Mão e Crítica&Companhia. Participou do volume Palavra Cantada: Ensaios sobre Poesia, Música e Voz (2008). Gravações em álbuns: A Cidade e seus Compositores (Helena Porto, 2009), SM, XLS (Juliana Amaral, 2012), Vias de Encontro (Rodrigo Duarte, 2014) e Correnteza de Ar (Martina Marana, 2014). Livros: Antologia da Poesia Romântica Brasileira (crítica e organização, 2007), Antologia da Poesia Parnasiana Brasileira (crítica e organização, 2007), Manuel Bandeira e a Música (ensaio, 2008), Clusters (poesia, 2010) e Olegário Mariano - Série Essencial da ABL (crítica e organização, 2012), A Formação Docente Interdisciplinar (co-organização, 2013), Cena Absurdo (poesia, 2016).

Referências

BAS, Julio. El rondó en sú acepción propia y en las diversas composiciones sinfónicas. In: BAS, Julio. Tratado de la forma musical. Buenos Aires: Ricordi Americana, 1947, pp. 244-263.

BLUTEAU, Raphael. Vocabulário português e latino. Vol. 5. Lisboa: Oficina de Pascoal da Silva, 1716.

BOILEAU, Nicolas. A arte poética. Introdução, tradução e notas de Célia Berrettini. São Paulo: Perspectiva, 1979.

BRANDÃO, Roberto de Oliveira. As fontes da poesia. In: BRANDÃO, Roberto de Oliveira. Poética e poesia no Brasil (Colônia). São Paulo: Editora Unesp / Imprensa Oficial do Estado, 2001, pp. 47-63.

CANDIDO, Antonio. Poesia e música em Silva Alvarenga e Caldas Barbosa. In: CANDIDO, Antonio. Formação da literatura brasileira – Vol. I. Belo Horizonte / Rio de Janeiro: Itatiaia, 2000, pp. 130-143.

CANDIDO, Antonio. Uma aldeia falsa. In: CANDIDO, Antonio. Na sala de aula: caderno de análise literária. São Paulo: Editora Ática, 1995, pp. 20-37.

CARVALHO, Amorim de. Das estrofes e dos sistemas estróficos. In: CARVALHO, Amorim de. Tratado de versificação portuguesa. Coimbra: Almedina, 1991, pp. 91-130.

CASTIGLIONE, Baldassare. Segundo livro. In: CASTIGLIONE, Baldassare. O cortesão. Trad. Carlos Nilson Moulin Louzada. São Paulo: Martins Fontes, 1997, pp. 83-185.

COSTA, Claudio Manuel da. Obras; O parnaso obsequioso e obras poéticas – Poemas. In: COSTA, Claudio Manuel da. A poesia dos inconfidentes. Organização de Domício Proença Filho. Rio de Janeiro: Editora Nova Aguilar, 1996, pp. 307-345.

CURTIUS, Ernest Robert. A poesia como entretenimento. In: CURTIUS, Ernest Robert. Literatura europeia e idade média latina. Trad. Teodoro Cabral e Paulo Rónai. São Paulo: Hucitec / Edusp, 1996, pp. 583-584.

DIDEROT, Denis. O sobrinho de Rameau. Trad. Antonio Geraldo da Silva. São Paulo: Editora Escala, 2006.

FERREIRA, Maria do Rosário. Motivos naturalistas e configurações simbólicas na cantiga de amigo. In: FERREIRA, Maria do Rosário; LARANJINHA, Ana Sofia; MIRANDA, José Carlos Ribeiro (orgs.). Seminário Medieval – 2007-2008. Porto: Estratégias Criativas, 2009, pp. 205-217.

FREIRE, Francisco José. Do fim da poesia (Cap. 4). In: FREIRE, Francisco José. Arte poética ou regras da verdadeira poesia em geral... Lisboa: Oficina Patriarcal de Francisco Luís Ameno, 1759, pp. 26-30.

GONZAGA, Tomás António. Marília de Dirceu e mais poesia. Prefácio e notas M. Rodrigues Lapa. Lisboa: Livraria Sá da Costa, 1961.

HANSEN, João Adolfo. Ilustração católica, pastoral árcade e civilização. Oficina da Inconfidência, Ouro Preto, nº 10, 1999, pp.11-47.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. O ideal arcádico. In: HOLANDA, Sérgio Buarque de. Capítulos de literatura colonial. Organização e introdução Antonio Candido. São Paulo: Brasiliense, 2000, pp. 177-226.

HORÁCIO. Arte poética. Introdução, tradução e comentários R. M. Rosado Fernandes. Ed. bilíngue. Lisboa: Inquérito, 1984.

KIEFFER, Anna Maria (org.). Marília de Dirceu. São Paulo: Akron/Ministério da Cultura, 2000.

LOPES, Hélio. Cláudio, Ovídio e Lucano. In: BOSI, Alfredo. Letras de Minas e outros ensaios. São Paulo: Edusp, 1997, pp. 81-91.

LUCAS, Fábio. A musa iluminada dos poetas mineiros do século XVIII. In: LUCAS, Fábio. Luzes e trevas: Minas Gerais no século XVIII. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998, pp. 11-22.

MERQUIOR, José Guilherme. O neoclassicismo. In: MERQUIOR, José Guilherme. De Anchieta a Euclides: breve história da literatura brasileira. Rio de Janeiro: José Olympio, 1977, pp. 23-48.

MOISÉS, Massaud. Lira. In: MOISÉS, Massaud. Dicionário de Termos Literários. São Paulo: Cultrix, 1992, pp. 305-306.

NEVES, Inácio Parreiras. Oratória ao Menino Deus para a noite de Natal. In: NEVES, Inácio Parreiras. Américantiga Coro e Orquestra de Câmara. Música brasileira e portuguesa do século XVIII. Regente Ricardo Bernardes. Curitiba: Eldorado, 1998. 1 CD.

PÉCORA, Alcir. O amor da convenção. In: PÉCORA, Alcir. Máquina de gêneros. São Paulo: Edusp, 2001, pp. 189-202.

POLITO, Ronald. “Eu tenho um coração maior que o mundo”: o Amor, a poesia e o tempo em Marília de Dirceu. Inimigo Rumor, Rio de Janeiro nº 5, jul./dez. 1998, pp. 58-74.

SILVA ALVARENGA, Manuel Inácio da. Glaura: poemas eróticos. Belo Horizonte: Crisálida, 2003.

SILVA RAMOS, Péricles Eugênio da. Introdução. In: COSTA, Claudio Manuel da. Poemas. São Paulo: Cultrix, 1976, pp. 9-32.

SOUZA, Roberto Acízelo de. Os cursos de Letras no Brasil: passado, presente e perspectivas. Opiniães: Revista dos Alunos de Literatura Brasileira, São Paulo, v. 1, nº 4/5, 2014, pp. 13-26.

VERNEY, Luís António. Carta sétima. In: VERNEY, Luís António. Verdadeiro método de estudar... Valença: Oficina de Antonio Balle, 1746, pp. 215-275.

Downloads

Publicado

2017-08-28

Como Citar

MARQUES, P. Arcádia melodiosa no Brasil. Remate de Males, Campinas, SP, v. 37, n. 1, p. 59–82, 2017. DOI: 10.20396/remate.v37i1.8648221. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8648221. Acesso em: 28 maio. 2022.

Edição

Seção

1. O livro como organismo poético-musical