Literatura como litoral: comparar culturas, traduzir naturezas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/remate.v37i2.8648580

Palavras-chave:

Literatura comparada. Perspectivismo. Litoral.

Resumo

Este trabalho demonstra como a proposição de um novo humanismo foi importante para constituição da Literatura Comparada enquanto saber disciplinar, o que permanece intocado quando Wellek e Warren criticam essa disciplina através do conceito de perspectivismo. A partir de autores como Michel Foucault, Jacques Derrida, Jacques Lacan, entre outros, propomos outra forma de relacionar culturas, por meio do conceito de literatura-litoral, exemplificado por autores como Osman Lins e Jorge Luís Borges, e do perspectivismo ameríndio de Eduardo Viveiros de Castro, uma vez que ambos extirpam o humanismo. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Guilherme Dayrell, Universidade Federal de Minas Gerais

É doutor em Estudos Literários e Literatura Comparada pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) com a tese "Osman Lins: a economia da natureza e a terra por vir" e período sanduíche na Ecole des Hautes Études en Sciences Sociales sob orientação de Emanuele Coccia. Possui mestrado em Literatura pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) com a dissertação "O sensível cinemático: des-montagens em eles eram muitos cavalos, de Luiz Ruffato". Possui especialização realizada no Instituto de Educação Continuada da PUC-MINAS (IEC) e graduação em Comunicação/Jornalismo também pela PUC-Minas, com trabalho final sobre as relações entre cinema e literatura a partir de Clarice Lispector e Federico Fellini. Atualmente leciona no curso de Letras da UFMG como parte do estágio pós-doutoral que realiza sob tutoria de Jacyntho Lins Brandão, pesquisando a relação dos Novos Romancistas franceses com a fenomenologia, o cinema e o primitivismo. 

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Estado de exceção. Trad. Iraci D. Poleti. São Paulo: Boitempo, 2004.

ALIGHIERI, Dante. A divina comédia. Trad. Italo Eugenio. São Paulo: Editora 34, 2009.

ANTELO, Raúl. Só centros: elipses. Revista de Estudos Literários Latino-Americanos, n. 1, ano 1, jul. 2014, pp. 3-15.

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. In: aristóteles. Trad. Leonel Vallandro e Gerd Bornheim. São Paulo: Abril, 1973, pp. 245-442. (Coleção Os Pensadores)

ARISTÓTELES. A política. Trad. Roberto Leal Ferreira. 3a ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

ARISTÓTELES. Poética. Trad. Edison Bini. São Paulo: Edipro, 2011.

BALDENSPERGER, Fernand. Literatura comparada: a palavra e a coisa. In: Literatura comparada: textos fundadores. Rio de Janeiro: Rocco, 2011, pp. 65-88.

BORGES, Jorge Luís. O livro de areia. In: Obras completas III. São Paulo: Globo, 1999.

CARVALHAL, Tânia Franco. Literatura comparada. 4a ed., rev. e ampl. São Paulo: Ática, 2006.

COHEN, Keith. O New Criticism nos Estados Unidos. In: LIMA, Luiz Costa (org.). Teoria da literatura em suas fontes. V. 2. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2002, pp. 549-584.

COUTINHO, Eduardo Faria. Do uno ao diverso: breve histórico crítico do comparatismo. Revista Organon, Porto Alegre (UFRGS), n. 10, v. 24, 1996a, pp. 25-33.

COUTINHO, Eduardo Faria. Literatura comparada, literaturas nacionais e o questionamento do cânone. Revista Brasileira de Literatura Comparada, Rio de Janeiro, Abralic, n. 3, 1996b, pp. 67-73.

DELEUZE, Gilles; GUATARRI, Félix. Rizoma (introdução). In: Mil platôs. Capitalismo e esquizofrenia. V. 1. Trad. Aurélio Guerra Neto e Celia Pinto Costa. São Paulo: Editora 34, 1995, pp. 11-38.

DERRIDA, Jacques. A estrutura, o signo e o jogo no discurso das ciências humanas. In: A escritura e a diferença. São Paulo: Editora Perspectiva, 1971, pp. 227-248.

HUSSERL, Edmund. Méditations cartésiennes. Introduction à la phénoménologie. Trad. Gabrielle Peiffer e Emmanuel Levinas. Paris: Librairie Philosophique J. Vrin, 1947.

LACAN, Jacques. Lituraterra. In: Outros escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003, pp. 15-27.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Tristes trópicos. Trad. Rosa Freire D’Aguiar. São Paulo: Companhia das Letras, 1996.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Raça e história. Trad. Inácia Canelas. 10a ed. Lisboa: Editorial Presença, 2010.

LINS, Osman. Perdidos e achados. In: Nove, novena: narrativas. São Paulo: Companhia das letras, 2004, pp. 170-200.

PLATÃO. A república. Trad. Anna Lia Amaral de Almeida Prado. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

SAFATLE, Wladimir. A paixão do negativo. Lacan e a dialética. São Paulo: Editora UNESP, 2006.

TIEGHEM, Paul Van. Crítica literária, história literária, literatura comparada. In: COUTINHO, Eduardo & CARVALHAL, Tânia Franco. Literatura comparada. Textos fundadores. Rio de Janeiro: Rocco, 2011, pp. 89-96.

WARREN, Austin; WELLEK, René. Teoria da literatura. Trad. José Palla e Carmo. Lisboa: Europa-América, 1976.

WELLEK, René. A crise da literatura comparada. In: COUTINHO, Eduardo & CARVALHAL, Tânia Franco. Literatura comparada. Textos fundadores. Rio de Janeiro: Rocco, 2011a, pp. 108-119.

WELLEK, René. O nome e a natureza da literatura comparada. In: COUTINHO, Eduardo & CARVALHAL, Tânia Franco. Literatura comparada. Textos fundadores. Rio de Janeiro: Rocco, 2011b, pp. 120-148.

UEXKÜLL, Jakob von. Dos animais e dos homens. Digressões pelos seus mundos próprios. Doutrina do significado. Trad. Alberto Candeias e Anibal Garcia Pereira. Lisboa: Livros do Brasil, s.d.

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo. Metafísicas canibais. Elementos para uma antropologia pós-estrutural. São Paulo: Cosac Naify, 2015.

Downloads

Publicado

2018-01-18

Como Citar

DAYRELL, J. G. Literatura como litoral: comparar culturas, traduzir naturezas. Remate de Males, Campinas, SP, v. 37, n. 2, p. 945–969, 2018. DOI: 10.20396/remate.v37i2.8648580. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8648580. Acesso em: 4 dez. 2022.