Autoridades, forças e violências em “Casas de ferro”, de João Paulo Borges Coelho: entre a abertura ao desconhecido e a imaginação do futuro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/remate.v38i1.8651356

Palavras-chave:

Mar Índico. Achille Mbembe. Jacques Derrida.

Resumo

“Casas de ferro”, de João Paulo Borges Coelho, nomeadamente a abordagem da estória aos indícios do mar Índico, funciona como um ponto de partida para uma reflexão sobre questões de lei, autoridade, força e violência. A estória suplementa literariamente visões históricas, geográficas, políticas e filosóficas; o mar, enquanto dispositivo textual e literário, irrompe no final da estória como elemento de conflito e suspensão, deixando o final em aberto e colocando em cena uma abertura ao desconhecido que permite repensar as relações entre o próprio e o outro enquanto mais que simplesmente o outro do próprio; entre os outros que os próprios (Autoridade e Força) procuram apropriar e espoliados (moradores e refugiados) em nome de uma lei e de um discurso que, extravasando o colonialismo (bem como o neocolonialismo e a pós-colonialidade), cinicamente apelam ao bem comum e simulam ter em mente os interesses da população e do “desenvolvimento” do país. O mar Índico, topos e tropo, não configura simplesmente um outro espaço/lugar (sob trajes utópicos e/ou heterotópicos) ou um outro “Futuro” que contrabalance o que se passa em terra firme, projetado pela Autoridade e respetiva Força. O mar (e os elementos associados, como os barcos e o areal) funciona como um dispositivo que ativa o papel e o direito da literatura de abordar o “real acontecido”, ao mesmo tempo que “imagina o futuro” e sugere visões alternativas às dominantes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rui Gonçalves Miranda, University of Nottingham

Associate Professor, Universidade de Nottingham Reino Unido.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. La guerra civile come paradigma politico. Turim: Bolatti Boringhieri, 2015.

BHABHA, Homir. DissemiNation: Time, Narrative, and the Margins of the Modern Nation. In: BHABHA, Homir (Org.). Nation and Narration. Londres: Routledge, 1990, pp. 291-322.

BRUGIONI, Elena. Contiguidades ambíguas. Críticas pós-coloniais e literaturas africanas. In: LEITE, Ana Mafalda; KHAN, Sheila; FALCONI, Jessica; KRAKOWSKA, Kamila (Orgs.). Nação e narrativa pós-colonial I. Angola e Moçambique – Ensaios. Lisboa: Edições Colibri, 2012, pp. 379-392.

COELHO, João Paulo Borges. Índicos indícios I: Setentrião. Lisboa: Caminho, 2005.

COELHO, João Paulo Borges. [Entrevista a Rita Chaves]. Via Atlântica, n. 16, 2009, pp. 151-166.

COELHO, João Paulo Borges. [Entrevista a Elena Brugioni]. A literatura e o léxico da pós-colonialidade: uma conversa com João Paulo Borges Coelho. Diacrítica, v. 3, n. 24, 2010, pp. 427-44.

COELHO, João Paulo Borges. [Entrevista a Ana Patrício Vicente Peixinho Santos]. Navegações, v. 4, n. 1, 2011, pp. 107-109.

COELHO, João Paulo Borges. [Entrevista]. In: LEITE, Ana Mafalda et al. (Orgs.). Nação e narrativa pós-colonial II. Angola e Moçambique – Entrevistas. Lisboa: Edições Colibri, 2012, pp. 131-144.

DERRIDA, Jacques. Positions. [Entrevista a Jean-Louis Houdebine et Guy Scarpetta]. In: Positions. Paris: Éditions de Minuit, 1972, pp. 51-133.

DERRIDA, Jacques. Force of Law. The “Mystical Foundation of Authority”/ Force de Loi. Le “fondement mystique de l’Autorité”’. Trad. Mary Quaintance. Cardozo Law Review, v. 11, 1990, pp. 920-1.045.

DERRIDA, Jacques. Le monolingualisme de l’autre. Paris: Galilée, 1996.

DERRIDA, Jacques; ATTRIDGE, Derek. This Strange Institution Called Literature. An interview with Jacques Derrida. In: ATTRIDGE, Derek (Org.). Acts of Literature. Trad. Geoffrey Bennington e Rachel Bowlby. Londres: Routledge, 1992, pp. 33-75.

ESPOSITO, Roberto. Comunidad, inmunidad y biopolítica. Trad. Alicia García Ruiz. Barcelona: Herder, 2009.

ESPOSITO, Roberto. Communitas. The Origin and Destiny of Community. Trad. Timothy Campbell. Stanford, CA: Stanford University Press, 2010.

HOFMANN, Michael. Introduction. In: KAFKA, Franz. Metamorphosis and Other Stories. London: Penguin, 2007, pp. vii-xv.

HOFMEYR, Isabel. The Complicating Sea. The Indian Ocean as Method. Comparative Studies of South Asia, Africa and the Middle East, v. 32, n. 3, 2012, pp. 584-590.

MBEMBE, Achille. De la postcolonie. Essai sur l’imagination politique dans l’Afrique contemporaine. 2. ed. Paris: Karthala, 2000.

MBEMBE, Achille. Sortir de la grande nuit. Essai sur l’Afrique décolonisée. Paris: Éditions La Découverte, 2013.

MBEMBE, Achille. Politiques de l’inimité. Paris: Éditions La Découverte, 2016.

PEARSON, Michael N. Port cities and intruders. The Swahili Coast, India, and Portugal in the Early Modern Era. Baltimore: Johns Hopkins University Press, 1998.

RANCIÈRE, Jacques. On the Shores of Politics. Londres: Verso, 2007.

RANCIÈRE, Jacques. The Emancipated Spectator. Trad. Gregory Elliott. Londres: Verso, 2009.

RANCIÈRE, Jacques. The Politics of Literature. In: Dissensus. On Politics and Aesthetics. Londres: Bloomsbury, 2010, pp. 152-168.

VECCHI, Roberto. Excepting the Exception. A Bloodstained Cartography of Mozambique in João Paulo Borges Coelho’s Índicos indícios. In: DEMARIA, Cristina; DALY, Macdonald. The Genres of Post-Conflict Testimonies. Nottingham: Critical, Cultural and Communications Press, 2009, pp. 237-247.

Downloads

Publicado

2018-06-07

Como Citar

MIRANDA, R. G. Autoridades, forças e violências em “Casas de ferro”, de João Paulo Borges Coelho: entre a abertura ao desconhecido e a imaginação do futuro. Remate de Males, Campinas, SP, v. 38, n. 1, p. 75–99, 2018. DOI: 10.20396/remate.v38i1.8651356. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/remate/article/view/8651356. Acesso em: 29 set. 2022.