A estreia literária de Sérgio Milliet: Par le Sentier

Palavras-chave: Sérgio Milliet. Poesia. Simbolismo.

Resumo

Em 1917, em Genebra, Sérgio Milliet lançou uma coletânea de versos neorromântico-simbolistas escritos “à maneira de” Baudelaire, Verlaine e Samain: Par le sentier. Ausente do acervo das principais bibliotecas do país, a obra inaugural de um dos maiores nomes da crítica literária e artística brasileira do século XX permanece desconhecida do público leitor. Assim, converte-se no principal objetivo do presente texto apresentar alguns comentários acerca desse livro de estreia, aos quais se acrescentam apontamentos de caráter biográfico relativos à primeira passagem do autor pela Europa e notas alusivas ao Carmel, grupo literário responsável pela revista em que Milliet publicou seus primeiros poemas e pela editora que colocou Par le sentier em circulação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Valter Cesar Pinheiro, Universidade Federal de Sergipe

Professor de literatura francesa na Universidade Federal de Sergipe, Valter Cesar Pinheiro fez graduação, mestrado e doutorado em Letras na Universidade de São Paulo e pós-doutorado na Sorbonne Université.

Referências

ALAMBERT JÚNIOR, Francisco. Um melancólico no auge do modernismo: Sérgio Milliet (uma trajetória no exílio). Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, 1991.

AMARAL, Glória Carneiro do. Aclimatando Baudelaire. São Paulo: Annablume, 1996.

ANDRADE, Mário de. O movimento modernista. In: Aspectos da literatura brasileira. São Paulo: Martins Editora, 1978, pp. 231-255.

BIVAR, Vanessa dos Santos Bodstein. Vivre à St. Paul: os imigrantes franceses na São Paulo oitocentista. Tese Doutorado em História) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, 2007.

BLUM, Antoinette. L’Europe vue du Carmel (1916-1918). Equinoxe: Revue des Sciences Humaines, Friburgo, n. 17, 1997, pp. 37-53.

BLUM, Antoinette. Le Carmel, 1916-1918: une revue genevoise d’inspiration européenne. La Revue des Revues, Paris, n. 25, 1998, pp. 67-81.

BOAVENTURA, Maria Eugenia. 22 por 22: A Semana de Arte Moderna vista pelos seus contemporâneos. São Paulo: Edusp, 2010.

BRITO, Mário da Silva. O alegre combate de Klaxon [texto introdutório]. Klaxon – Mensário de Arte Moderna de São Paulo, São Paulo, Martins/SCET, 1972. (edição fac-similada)

CAMPOS, Regina Maria Salgado. Sérgio Milliet e Henri Mugnier, uma amizade duradoura. In: GONÇALVES, Lisbeth Rebollo (org.). Sérgio Milliet: 100 anos – trajetória, crítica de arte a ação cultural. São Paulo: ABCA/Imprensa Oficial, 2005, pp. 127-138.

CAMPOS, Regina Maria Salgado. Ceticismo e responsabilidade: Gide e Montaigne na obra crítica de Sérgio Milliet. São Paulo: Annablume, 1996.

DÉCAUDIN, Michel. La crise des valeurs symbolistes (1895-1914). Genebra/Paris: Slatkine, 1981.

GONÇALVES, Lisbeth Rebollo. Sérgio Milliet, crítico de arte. São Paulo: Perspectiva/Edusp, 1992.

GONÇALVES, Lisbeth Rebollo (org.). Sérgio Milliet: 100 anos – trajetória, crítica de arte a ação cultural. São Paulo, ABCA/Imprensa Oficial, 2005.

LARA, Cecília de. Klaxon e Lumière. Caravelle, Toulouse, n. 25, 1975, pp.77-102.

LE CARMEL: Revue Mensuelle de Littérature, de Philosophie et d’Art, Genebra, n. 1-21, 1916-1918.

LOPEZ, Telê Porto Ancona. Mariodeandradiando. São Paulo: Hucitec, 1996.

MILLIET, Sérgio. Par le sentier. Genebra/Paris: Éditions du Carmel, 1917.

MILLIET, Sérgio. Le départ sous la pluie. São Paulo/Genebra: Édition du Groupe Littéraire Jean Violette, 1919.

MILLIET, Sérgio. Roberto. São Paulo: Niccolini, 1935.

MILLIET, Sérgio. Ensaios. São Paulo: Brusco, 1938.

MILLIET, Sérgio. De ontem, de hoje e de sempre: recordações com devaneios. Vs. 1 e 2. São Paulo: Martins Editora, 1960-1962.

MILLIET, Sérgio. Quatro ensaios. São Paulo: Martins, 1966.MILLIET, Sérgio. Diário crítico (1945). v. III, São Paulo, Martins, 1981a[1945].

MILLIET, Sérgio. Diário crítico (1949-1950). V. VII. São Paulo: Martins, 1981b[1953].

MILLIET, Sérgio. Diário crítico (1951-1953). V. VIII. São Paulo: Martins, 1981c[1953].

MILLIET, Sérgio. Uma semana de arte moderna em São Paulo; A jovem literatura brasileira. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, n. 34, 1994, pp. 199-210.

MILLIET, Sérgio. Poèmes modernistes & autres écrits. Anthologie 1921-1932. Textes originaux français ou traduits du brésilien. Choix, traduction, présentation et notes par Antoine Chareyre. Toulon: La Nerthe, 2010.

MILLIET, Sérgio; REBER, Charles. En singeant...: pastiches littéraires. Genebra: Atar, 1918.

MINDLIN, José. Rubens Borba de Moraes: um intelectual incomum. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v. 79, n. 192, Brasília, 1998, pp. 108-111.

NEME, Mário. Plataforma da Nova Geração. Porto Alegre: Globo, 1945.

RAMOS, Péricles Eugênio da Silva. Sérgio Milliet e o Modernismo. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, n. 5, 1968, pp. 47-64.

RAPETTI, Rodolphe. Le symbolisme. Paris: Flammarion, 2016.

SAMAIN, Albert. Œuvres poétiques complètes. Édition critique par Christophe Carrère. Paris: Classiques Garnier, 2015.

SERRANO, Pedro Bueno de Melo. A crítica bandeirante (1920-1950). Dissertação (Mestrado em Sociologia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, 2016.

SILVA, Renata Rufino da. O “contra-modernismo”: internacionalismo e mediação cultural de Sérgio Milliet nos anos 1920. In: Anais do XXVIII Simpósio Nacional de História. Florianópolis, 2015, pp. 1-14.

VELLOSO, Monica Pimenta. Revistas e redes literárias: reflexões sobre a Lumière. Revista Territórios e Fronteiras, Cuiabá, v. 9, n. 2, 2016, pp. 43-63.

VIOLETTE, Jean. Un modeste cénacle littéraire. Tome LV. Genebra : Bulletin de l’Institut National Genevois, 1952.

Publicado
2018-12-19
Como Citar
Pinheiro, V. C. (2018). A estreia literária de Sérgio Milliet: Par le Sentier. Remate De Males, 38(2), 990-1017. https://doi.org/10.20396/remate.v38i2.8651936