Como tomar “O comboio das onze”? ou O Surrealismo segundo Jorge de Sena

  • Marcelo Pacheco Soares Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Jorge de Sena. Surrealismo. Conto português do Século XX.

Resumo

Este artigo se propõe a ler uma narrativa do escritor português Jorge de Sena pouco visitada pela crítica: o conto “O comboio das onze”, de Andanças do demónio. Investiga-se a relação do texto e do seu autor com o movimento vanguardista Surrealismo e, mais além, o seu posicionamento crítico-teórico acerca dessa estética, a fim de, a partir daí, propor uma nova chave interpretativa para esse texto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Pacheco Soares, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro

Doutor e Mestre em Literatura Portuguesa pela Faculdade de Letras da Universidade Federal do Rio de Janeiro, graduação em Português-Literaturas pela mesma instituição. Professor efetivo de Língua Portuguesa e Literatura do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ).

Referências

BORGES, Jorge Luis. El Aleph. Buenos Aires: Emecé, 1957.

BRETON, André. Manifesto do Surrealismo (1924). In: TELES, Gilberto Mendonça. Vanguarda europeia e Modernismo brasileiro. Petrópolis: Vozes, 1983, pp. 174-208.

CESARINY, Mário. Antologia do cadáver esquisito. Lisboa: Assírio & Alvim, 1989.

COMPAGNON, Antoine. O trabalho da citação. Trad. Cleonice P. B. Mourão. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1996.

COMPAGNON, Antoine. Os cinco paradoxos da modernidade. Trad. Cleonice P. B. Mourão. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

CUNHA, Maria dos Santos Almeida. Un chant novel. A inspiração (neo)trovadoresca na poética de Jorge de Sena. Dissertação (Mestrado em Estudos Portugueses) – Universidade de Aveiro, Aveiro, 2008.

GOTTARDI, Ana Maria. Jorge de Sena – uma leitura da tradição. São Paulo: Arte e Ciência, 2002.

HELDER, Herberto. Os passos em volta. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2005.

LOPES, Óscar. Os contos de Jorge de Sena (problemas de um assumido realismo). In: LISBOA, Eugénio. Estudos sobre Jorge de Sena. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1984, pp. 319-337.

MARINHO, Maria de Fátima. O Surrealismo em Portugal. Lisboa: Imprensa Nacional – Casa da Moeda, 1987.

NEVES, Margarida Braga. Os contos impublicáveis de Jorge de Sena. Revista Metamorfoses, Lisboa, Caminho, n. 9, 2008, pp. 17-28.

PONTES, Newton de Castro. Formas do conto: estudos sobre as tradições do conto de expressão inglesa e portuguesa. Tese (Doutorado em Teoria Literária) –Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2013.

SENA, Jorge de. O comboio das onze. In: Antigas e novas andanças do demónio. Lisboa: Edições 70, 1984, pp. 53-59.

SENA, Jorge de. O físico prodigioso. Rio de Janeiro: 7Letras, 2009.

SENA, Jorge de. Sobre o Surrealismo. In: Estudos de Literatura Portuguesa – III. Lisboa: Edições 70, 1988, pp. 213-260.

VOUGA, Vera Lúcia. Sena ficcionista. Revista Humanidades, Porto, Associação de Estudantes da FLUP, n. 1, 1982, pp. 37-43.

Publicado
2018-12-19
Como Citar
Soares, M. P. (2018). Como tomar “O comboio das onze”? ou O Surrealismo segundo Jorge de Sena. Remate De Males, 38(2), 1053-1075. https://doi.org/10.20396/remate.v38i2.8651965