Costura & sutura: traduzir e editar os fascículos de Emily Dickinson

  • Adalberto Muller Universidade Federal Fluminiense
Palavras-chave: Tradução. Sutura. Emily Dickinson.

Resumo

Desde a sua publicação inicial, os manuscritos de Emily Dickinson foram submetidos a alterações, distorções e apagamentos, bem como a muita tentativa frustrada ou não tão bem-sucedida de preservar a sua singularidade no processo de edição. Em nossos dias, mais de uma edição diferente de suas obras circula em livrarias. Para o tradutor, essa instabilidade coloca o problema de definir qual dos originais que ele irá traduzir. Por isso, propomos aqui uma metodologia de tradução que consiste em duas atitudes: costura e sutura. Na costura, o tradutor desempenha um papel ativo nas escolhas editoriais de modo a criar uma estabilidade e constituir uma versão (tradução) de leitura. Numa outra mão, o processo de sutura aceita a instabilidade da obra (elipses, variantes, alternativas, apagamentos, discórdias interpretativas etc.) e incita a busca incessante de um sujeito (ou sentido) que apenas bruxuleia na cadeia discursiva e é, em sua própria natureza, inatingível. Além disso, se o processo de costura leva em consideração o contexto e o cotexto de um poema para (re)construir o sentido do conteúdo manifesto da obra, a sutura opera no nível do conteúdo latente, considerando que as elipses, variantes, alternativas, supressões etc. criam um regime de indeterminação com o qual o tradutor deve saber lidar. Por isso, a tarefa do tradutor pressupõe imposições estéticas e éticas ao mesmo tempo, pois suas escolhas são feitas antes mesmo da transferência do original para a sua própria língua. Para ilustrar isso tudo, apresentamos aqui em anexo a tradução do fascículo 34 de Emily Dickinson (1863), de acordo com a edição de Cristanne Miller em Emily Dickinson’s Poems: As She Preserved Them. (Inclui tradução do fascículo 34).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adalberto Muller, Universidade Federal Fluminiense
Professor de Teoria da Literatura da UFF

Referências

CAMERON, Sharon. Choosing not Choosing: Dickinson’s Fascicles. Chicago/Londres: University of Chicago Press, 1992.

CARDOZO, Maurício Mendonça. Espaço versus prática da crítica de tradução literária no Brasil. Cadernos de Tradução, v. 1, n. 19, 2007, pp. 205-234.

DE MAN, Paul. Blindness and Insight. Essays in the Rhetoric of Contemporary Criticism. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1983.

DERRIDA, Jacques. Des Tours de Babel. In: Psyché: Inventions de l’autre. Paris: Galilée, 1987, pp. 203-235.

DERRIDA, Jacques. Signéponge. Paris: Editions du Seuil, 1988. (Col. Fiction et Cie.)

DICKINSON, Emily. Emily Dickinson’s Poems: As she Preserved them. Edited by Cristanne Miller. Cambridge/Londres: Belknapp/Harvard University Press, 2016.

HART, Ellen Louise; SMITH, Martha Nell (orgs.). Open Me Carefully: Emily Dickinson’s Intimate Correspondence to Susan Huntington Dickinson. Ashfield, MA: Paris Press, 1988.

LOSSO, Eduardo Guerrero. Prefácio. In: BINGEMER, Maria Clara; PINHEIRO, Marcus Reis (orgs.). Narrativas místicas: antologia de textos místicos da história do cristianismo. São Paulo: Paulus, 2016, pp. 9-26.

MILLER, Jacques-Allain. La suture (elements de la logique du signifiant). Cahiers pour l’Analyse, v. 1, n. 1, 1966, pp. 37-49.

MILLER, Cristanne. Emily Dickinson: A Poet’s Grammar. Cambridge/Londres: Harvard University Press, 1987.

MILLER, Cristanne. Reading in Time: Emily Dickinson in the Nineteenth Century. Amherst/Boston: University of Massachussets Press, 2012.

MÜLLER. A imagem poética: entre o material e o imaterial. Raído, n. 11, 2017, pp. 33-40.

OUDART, Jean-Pierre. Cinema and Suture. Screen, v. 18, n. 4, 1987, pp. 34-47.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. The Politics of Translation. In: VENUTI, Lawrence. The Translation Studies Reader. Londres/Nova York: Routledge, 2000, pp. 397-416.

VALÉRY, Paul. Cantiques spirituels. Varieté. Oeuvres complètes. V. 1. Paris: Gallimard, 1957, pp. 445-457. (Pléiade)

WERNER, Marta. Emily Dickinson’s Open Folios: Scenes of Reading, Surfaces of Writing. Ann Arbor: University of Michigan Press, 1998.

Publicado
2018-12-19
Como Citar
Muller, A. (2018). Costura & sutura: traduzir e editar os fascículos de Emily Dickinson. Remate De Males, 38(2), 581-619. https://doi.org/10.20396/remate.v38i2.8652255