A terceira margem da Odisseia

Palavras-chave: Odisseu, Cocriação, Estudos de recepção.

Resumo

O artigo visa apresentar um modo de interpretação da personagem central da Odisseia por via de uma teoria da recepção focada no papel cocriador do recebedor. Está dividido em quatro partes: após a apresentação do problema, a segunda parte examina os passos-chave do poema (sobretudo dos cantos 9, 11 e 19) que embasam a argumentação da terceira, na qual são discutidos eventuais significados das ausências ou negações enformadas por Odisseu. A seção final argumenta pela possibilidade de leitura da Odisseia  como um modo de ficção que não se perfaz nem como máscara nem como duplicidade, mas como alteridade radical em relação ao real.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Breno Battistin Sebastiani, Universidade de São Paulo

Professor Associado da USP e Docente Permanente do PPG em Letras Clássicas da USP. Mestre e Doutor em História Social pela Universidade de São Paulo.

Referências

ADORNO, Theodor. Gesammelte schriften. Berlin: Directmedia, 2003.

BATSTONE, William. Provocation: the point of reception theory. In: MARTINDALE, Charles; THOMAS, Richard (eds.). Classics and the uses of reception. Malden/Oxford/Victoria: Blackwell, 2006, pp. 14-20.

BRANDÃO, Jacyntho Lins. Antiga musa: (arqueologia da ficção). Belo Horizonte: UFMG, 2005.

EAGLETON, Terry. After theory. New York: Basic Books, 2003.

EAGLETON, Terry. The event of literature. New Haven/London: Yale University Press, 2012.

HARTOG, François. Memoria di Ulisse. Racconti sulla frontiera nell’antica Grecia. Trad. A. T. Perazzoli. Torino: Einaudi, 2002.

HOMERI. Odyssea. Ed. P. von der Mühll. Basel: Helbing & Lichtenhahn, 1962.

HOMERO. Odisseia. Trad. e intr. C. Werner. São Paulo: Cosac Naify, 2014.

JAY, Martin. Historical explanation and the event: reflections on the limits of contextualization. New Literary History, Baltimore, n. 42, 2011, pp. 557-571.

JAY, Martin. Intention and irony: the missed encounter between Hayden White and Quentin Skinner. H&T, Middletown, n. 52, 2013, pp. 32-48.

LOPES, Rodolfo. Usos e sentidos de mythos e logos antes de Platão. Prometeus, São Cristóvão, n. 18, 2015, pp. 61-77.

MALTA, André. Homero múltiplo. Ensaios sobre a épica grega. São Paulo: EDUSP, 2012.

MALTA, A. A astúcia de ninguém: ser e não ser na Odisseia. Belo Horizonte: Impressões de Minas, 2018.

MARTINDALE, Charles. Introduction: thinking through reception. In: MARTINDALE, Charles; THOMAS, Richard. (eds.). Classics and the uses of reception. Malden/Oxford/Victoria: Blackwell, 2006, pp. 1-13.

ROMANO, Claude. Compréhension d’un texte et intention d’auteur. In: OUELBANI, Michel (Org.). L’intention. Tunis: Université de la Sorbonne Paris IV/Presses de l’Université de Tunis, 2010, pp. 57-84.

ROSS, W. D. (ed.). Aristotle’s metaphysics. Oxford: Clarendon Press: 1924 (reimp. 1970).

SARTRE, Jean Paul. Qu’est-ce que la littérature? Paris: Gallimard, 1948.

WERNER, Christian. Manobras poéticas entre a Ilíada e a Odisseia: o caso de Odisseu. Tese de doutorado em Letras Clássicas – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

WERNER, Christian. Nestor e a performance da tradição épica no canto 3 da Odisseia. PhaoS, Campinas, n. 12, 2012, pp. 101-127.

WERNER, Christian. Memórias da guerra de Troia: a tessitura épica da Odisseia de Homero. Coimbra: IUC, 2018.

Publicado
2019-06-13
Como Citar
Sebastiani, B. B. (2019). A terceira margem da Odisseia. Remate De Males, 39(1), 465-481. https://doi.org/10.20396/remate.v39i1.8652295