Ítaca ao revés

  • Henrique Estrada Rodrigues Universidade Católica do Rio de Janeiro
Palavras-chave: Haroldo de Campos. Odisseu. Utopia.

Resumo

O artigo analisa o poema Finismundo: a última viagem, publicado por Haroldo de Campos em 1990. Este texto trabalha com a hipótese de que Finismundo, embora construído do ponto de vista do naufrágio das utopias (do naufrágio de certo “aventuroso deslugar”, segundo termos do poema), ainda pontua uma hybris ironicamente utópica. Para desenvolver essa questão, a análise aqui proposta se atém ao modo como Haroldo de Campos desenvolve o tema das viagens de Odisseu a partir de sedimentos poéticos provenientes tanto do cânone literário (especialmente Homero, Dante e Pound) como de seu próprio trabalho autoral (uma vez que o herói grego e o tema da viagem são topoi constitutivos da obra poética, tradutória e ensaística que precede Finismundo).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Henrique Estrada Rodrigues, Universidade Católica do Rio de Janeiro
Gradução em História (UFMG-1994) doutorado em Filosofia (USP-2005). Professor de Teoria da História no Departamento de História da PUC-Rio. Departamento de História da Pontifícia

Referências

ABENSOUR, Miguel. O novo espírito utópico. Campinas: Ed. Unicamp, 1990.

ABENSOUR, Miguel. Penser l’ utopie autrement. In: ABENSOUR, Miguel; CHALIER, Catherine (orgs.). Emmanuel Lévinas. Paris: Éditions de L’Herne, 1991.

ASCHER, Nelson. O afã de ir além de... In: BEHAR, Lisa Block de (org.). Haroldo de Campos, don de poesía: ensayos críticos sobre su obra. Montevideo: Librería Linardi y Risso, 2009, pp. 25-43.

AUERBACH, Erich. A cicatriz de Ulisses. In: Mimesis: a representação da realidade na literatura ocidental. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1976.

AVALLE, D’Arco Silvio. L’ultimo viaggio d’Ulisse. In: Modelli semiologici nella Commedia di Dante. Milão: Bompiani, 1975, pp. 37-63.

AZEVEDO, Carlito. A integridade da poesia. Folha de São Paulo (Caderno Mais), São Paulo, 20/04/1997. Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mais/fs200415.htm. Acesso em: 2 abril 2018.

BARBOSA, João Alexandre. Um cosmonauta do significante: navegar é preciso. In: CAMPOS, Haroldo de. Signantia quasi coelum, signância quase céu. São Paulo: Perspectiva, 1979, pp. 11-24.

BENJAMIN, Walter. O narrador: considerações sobre a obra de Nikolai Leskov. In: Obras escolhidas I: magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1987, pp. 197-221.

BOITANI, Piero. A sombra de Ulisses (com caderno de poemas transcriados por Haroldo de Campos). São Paulo: Perspectiva, 2005a.

BOITANI, Piero. A última viagem de Ulisses no Brasil. In: A sombra de Ulisses (com caderno de poemas transcriados por Haroldo de Campos). São Paulo: Perspectiva, 2005b, pp. 157-167.

CAMPOS, Augusto de. Pound Made (New) in Brazil. In: À margem da margem. São Paulo: Cia das Letras, 1989, pp. 99-112.

CAMPOS, Haroldo de. Signantia quasi coelum, signância quase céu. São Paulo: Perspectiva, 1979.

CAMPOS, Haroldo de. Galáxias. São Paulo: Ex-Libris, 1984.

CAMPOS, Haroldo de. A educação dos cinco sentidos. São Paulo: Brasiliense, 1985.

CAMPOS, Haroldo de. De la poesia concreta a Galáxias y Finismundo. 40 años de actividad poética em Brasil. In: Vuelta. Revista mensal, a. XV, n. 177, ago. e 1991, pp. 7-14.

CAMPOS, Haroldo de. Sobre Finismundo: a última viagem. Rio de Janeiro: Sette Letras, 1996.

CAMPOS, Haroldo de. Poesia e modernidade: da morte da arte à constelação. O poema pós-utópico. In: O arco íris branco. Rio de Janeiro: Imago, 1997[1984], pp. 243-269.

CAMPOS, Haroldo de. Da poesia concreta a Galáxias e Finismundo. In: Depoimentos de oficina. São Paulo: Unimarco, 2002a, pp. 37-50.

CAMPOS, Haroldo de. De uma cosmopoesia: sobre A máquina do mundo repensada. In: Depoimentos de oficina. São Paulo: Unimarco, 2002b, pp. 51-59.

CAMPOS, Haroldo de. Crisantempo: no espaço curvo nasce um. São Paulo: Perspectiva, 2004[1998].

CAMPOS, Haroldo de. Deus e o Diabo no Fausto de Goethe. São Paulo: Perspectiva, 2008[1981].

CAMPOS, Haroldo de. Entremilênios. São Paulo: Perspectiva, 2009.

CAMPOS, Haroldo de. Ezra Pound: I punti luminosi. In: O segundo arco-íris branco. São Paulo: Iluminuras, 2010, pp. 191-199.

CAMPOS, Haroldo de; CAMPOS, Augusto de. Sousândrade, o terremoto clandestino. In: Re-visão de Sousândrade. 3. edição. São Paulo: Perspectiva, 2002[1964], p. 123.

CAMPOS, Augusto de; CAMPOS, Haroldo de; PIGNATARI, Décio. Mallarmé. 3. edição. São Paulo: Perspectiva, 2006.

FOURIER, Charles. Ouvres complétes: Théorie des quatre mouvements et des destinées génerales. T. 1. Paris: Éditions Antrophos, 1846. Disponível em: http://gallica.bnf.fr/ark:/12148/bpt6k54805/f1.item.r=ecart. Acesso em: 2 abr. 2018.

GINZBURG, C. O velho e o novo mundo vistos de Utopia. In: Nenhuma ilha é uma ilha. São Paulo: Cia das Letras, 2004, pp. 17-42.

JACKSON, K. David. Viajando pelas Galáxias: guia e notas de orientação. In: MOTTA, Leda Tenório da (org.). Céu acima: um tombeau de Haroldo de Campos. São Paulo: Ed. Perspectiva, 2005, pp. 39-53.

KENNER, Hugh. The Cantos – 1. In: The Pound Era. Los Angeles: University of California Press, 1971, pp. 9-43.

LEITE, Sebastião Uchôa. Entre as sereias e as sirenes. Jornal do Brasil (Caderno de Ideias), Rio de Janeiro, 6/10/1990. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=030015_11. Acesso em: 2 abr. 2018, p. 12-14.

LEVINAS, Emmanuel. La trace de l’autre. In: En découvrant l’ existence avec Husserl et Heidegger. Paris: Vrin, 1967, p. 121-142.

LEVINAS, Emmanuel. Entre nós. Petrópolis: Vozes, 2005.

LIMA, Luiz Costa. A ficção e o poema. São Paulo: Cia das Letras, 2012.

MATOS, Olgária. Babel e Pentecostes: heterofilia e hospitalidade. In: MOTTA, Leda Tenório da (org.). Céu acima: um tombeau de Haroldo de Campos. São Paulo: Ed. Perspectiva, 2005.

MESCHONNIC, Henri. Le poème comme utopie. In: RIOT-SARCET, Michèle (org.). Dictionnaire des utopies. Paris: Larousse, 2002, pp. 189-193.

HOMERO. Odisseia. 2. edição. Trad. Odorico Mendes. São Paulo: Edusp, 2000.

HOMERO. Odisseia. Trad. Carlos Alberto Nunes. São Paulo: Hedra, 2011.

MOTTA, Leda Tenório da. Haroldo francês. In: MOTTA (org.). Céu acima: para um tombeau de Haroldo de Campos. São Paulo: Perspectiva, 2005, pp. 15-390.

PERLOFF, Marjorie. Aumentando a temperatura referencial: reverberações poundianas na poesia concreta brasileira. In: Circuladô: Revista de Estética e Literatura do Centro de Referência Haroldo de Campos, a. V, n. 7, dez. 2017, pp. 27-43. Disponível em: http://www.casadasrosas.org.br/crhc/arquivos/cr_circulado_7.pdf. Acesso em: 2 abr. 2018.

PESSOA, Fernando. Mensagem. [s.d.] Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/pesquisa/DetalheObraForm.do?select_action=&co_obra=15726. Acesso em: 2 abr. 2018.

PLATÃO. República. 5. ed. Lisboa: Calouste Gulbenkian, 1987.

PRÉVOST, A. L’utopie de Thomas Morus: présentation, texte original, apparat critique, exégèse, traduction et notes. Paris: Mame, 1978.

POUND, Ezra. ABC of reading. Londres: Faber and Faber, 1961.

POUND, Ezra. The Translations of Ezra Pound. Londres: Faber and Faber, 1970.

POUND, Ezra. Ezra Pound, poesia. Org., introdução e notas de Augusto de Campos. São Paulo: Hucitec, 1983.

READ, Forrest. Ezra Pound et James Joyce: les odysséans. Les Cahier de L’Herne: Ezra Pound, 1966, [s.p.].

RODRIGUES, Henrique Estrada. Poesia bíblica e utopia em Haroldo de Campos. In: O eixo e a roda: revista de literatura brasileira, Belo Horizonte, v. 24, n. 1, 2015, pp. 42-62. Disponível em: http://www.periodicos.letras.ufmg.br/index.php/o_eixo_ea_roda/article/viewFile/7917/8431.

RODRIGUES, Henrique Estrada. A utopia do mínimo que resta: o lance dos lances do velho Haroldo. In: Viso: revista de estética aplicada, Rio de Janeiro, n. 21, 2017, pp. 25-41. Disponível em: http://revistaviso.com.br/pdf/Viso_21_HenriqueEstrada.pdf.

RONGIER, Sébastien. De l’ironie: enjeux critiques pour la modernité. Paris: Klincksieck, 2007.

SENECA. Medea. Introdução, tradução e comentários de A. J. Boyle. Oxford: Oxford University Press, 2014.

SISCAR, Marcos. A alavanca da crise: a poesia “pós-utópica” de Haroldo de Campos. In: De volta ao fim: o “fim das vanguardas” como questão da poesia contemporânea. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2016a, pp. 42-66.

SISCAR, Marcos. O tombeau das vanguardas: a “pluralização das poéticas possíveis” como paradigma crítico contemporâneo. In: De volta ao fim: o “fim das vanguardas” como questão da poesia contemporânea. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2016b, pp. 19-41.

VILLA, Dirceu. Paideuma, ou: como montar seu ideograma poundiano caseiro. In: DICK, André (org.). Paideuma. São Paulo: Risco Editorial, 2010, pp. 37-71.

Publicado
2018-12-19
Como Citar
Rodrigues, H. E. (2018). Ítaca ao revés. Remate De Males, 38(2), 853-884. https://doi.org/10.20396/remate.v38i2.8652305